Os movimentos sociais globais como atores emergentes das relações internacionais: os dilemas do Comércio Justo/Global social movements as emergents of international relations: The dilemmas of Fair Trade

Tuana Paula Lavall, Andréa de Almeida Leite Marocco, Cristiani Fontanela

Abstract


A partir da segunda metade do século XX, novos atores emergiram no cenário internacional, com destaque para os movimentos sociais globais. Assim qualificado, o Comércio Justo, movimento originariamente de contraposição ao comércio internacional convencional, experimentou, nas duas últimas décadas, expressivas transformações. Nessa perspectiva, o trabalho objetiva apresentar os dilemas que o Comércio Justo enfrenta, enquanto movimento social global, diante da penetração, em sua cadeia de valor, de forças transnacionais ligadas ao comércio internacional convencional. Para tanto, adota o método de procedimento dedutivo, de caráter qualitativo, e as técnicas de pesquisa bibliográfica e documental. Conclui que abertura do Comércio Justo para mercado corporativo tem provocado rupturas no seu interior, evidenciando a formação de duas correntes: uma de orientação social e que privilegia o Comércio Justo enquanto um movimento social; e outra que, embora reconheça as melhorias operadas pelo Comércio Justo nos padrões sociais e ambientais, se apoia nos interesses do mercado.


Keywords


Atores internacionais, movimentos sociais globais, Comércio Justo.

References


ASTI, Ana Larronda. Uma reflexão sobre as dinâmicas do Comércio Justo: dilemas do crescimento. In: STELZER, Joana; GOMES, Rosemary (orgs.). Comércio Justo e Solidário no Brasil e na América Latina. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/UFSC, 2016. p. 299-332.

BARBÉ, Esther. Relaciones Internacionales. Madrid: Tecnos, 1995.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

COORDINADORA LATINOAMERICANA Y DEL CARIBE DE PEQUEÑOS PRODUCTORES Y TRABAJADORES DE COMERCIO JUSTO. Qué es el Comercio Justo. 2019. Disponível em:http://clac-comerciojusto.org/comercio-just

o/introduccion/comercio-justo/. Acesso em: 13 set. 2019.

COSCIONE, Marco. América Latina y el sentido originario del comercio justo. Eutopía, Revista de desarrollo económico territorial, Quito, número 7, julio 2015, p. 11-26. Disponível em:https://revistas.flacsoandes.edu.ec/eutopia/article/view/1633. Acesso em: 31 maio 2019.

COTERA, Alfonso. Comercio Justo: una visión desde América Latina. In: ANGULO, Nedda; FERNÁNDEZ, Massiel (compiladores). Afirmando prácticas democráticas y estrategias solidarias para un desarrollo sustentable: Memoria del II Encuentro Latinoamericano de Economía Solidaria y Comercio Justo. Lima: Ripess Región Latinoamericana, Grupo Red de Economía Solidaria del Perú (Gresp), y Universidad

de La Habana, 2007. Disponível em:http://base.socioeco.org/docs/memoria_del_ii_e

ncuentro_la_de_es_y_cj_-_ripess_la.pdf. Acesso em: 11 set. 2019.

GENDRON, Corinne.; BISAILLON, Verónique. RANCE, Ana Isabel Otero. The institutionalization of Fair Trade: more than a degraded form of social action. Journal of Business Ethics, v. 86, p. 63-79, 2009. Disponível em:https://www.researchgate

.net/publication/227120117_The_Institutionalization_of_Fair_Trade_More_than_Just_a_Degraded_Form_of_Social_Action. Acesso em: 13 set. 2019.

GOHN, Maria da Glória. Abordagens teóricas no estudo dos movimentos sociais na América Latina. Caderno CRH, Salvador, v. 21, n. 54, p. 439-455, set./dez. 2008. Disponível em:https://www.redalyc.org/pdf/3476/347632177003.pdf. Acesso em: 08 set. 2019.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 47, p. 333-361, maio./ago. 2011. Disponível em:http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/109037/1/2-s2.0-83655191196.pdf. Acesso em: 9 set. 2019.

LAZARETTI, Isadora Kauana. O poder intransitivo dos movimentos sociais globais como atores não-estatais. Dissertação (Mestrado em Direito) - Área de Ciências Humans e Jurídicas, Universidade Comunitária da Região de Chapecó. Chapecó, 2017. Disponível em:http://konrad.unochapeco.edu.br:8080/pergamumwe

b/vinculos/0000f5/0000f57e.pdf. Acesso em: 8 set. 2019.

LISBOA, Armando de Melo. Fair trade na era do global free trade: o labirinto do comércio justo. In: STELZER, Joana; GOMES, Rosemary (orgs.). Comércio Justo e Solidário no Brasil e na América Latina. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/UFSC, 2016. p. 333-366.

MASCARENHAS, Gilberto Carlos Cerqueira. O movimento do Comércio Justo e Solidário no Brasil: entre a solidariedade e o mercado. Tese (Doutorado em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade) - Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2007. Disponível em:http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cp036541.pdf. Acesso em: 12 set. 2019.

MATTAR, Khris. O movimento de justiça global: uma nova mobilização política de resistência? Ijuí: Ed. Unijuí, 2013.

MERLE, Marcel. Sociologia das relações internacionais. Tradução Ivonne Jean. Brasília: UnB, 1981.

MOREIRA, Alexandre Pinto. Comércio Justo e transnacionalidade: ferramentas para a concretização da Justiça Global. Dissertação (Mestrado em Direito) - Centro de Ciências Jurídicas, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2017. Disponível em:https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/186208/PDP

C1344-D.pdf?sequence=-1&isAllowed=y. Acesso em: 12 set. 2019.

OLIVEIRA, Odete Maria de. Relações internacionais, direito e atores não estatais: delineamentos de fundamentação. In: OLIVEIRA, Odete Maria de. Relações internacionais, direito e poder: cenários e protagonismos dos atores não estatais. Ijuí: Ed. Unijuí, 2014. v. I. p. 33- 131.

OLIVEIRA, Odete Maria de. Relações Internacionais: estudos de introdução. 2. ed. Curitiba: Juruá, 2004.

RAYNOLDS, Laura T.; MURRAY, Douglas. Fair Trade: contemporary challenges and future prospects. In: RAYNOLDS, Laura T.; MURRAY, Douglas; WILKINSON, John (eds.). Fair Trade: The Challenges of Transforming Globalization. London and New York: Routledge, 2007. p. 223–234. Disponível em:https://www.researchgate.net/pub

lication/277021604_Fair_Trade_contemporary_challenges_and_future_prospects. Acesso em:12 set. 2019.

SCHERER-WARREN, Ilse. Cidadania sem fronteiras: ações coletivas na era da globalização. São Paulo: Hucitec, 1999.

STELZER, Joana. Direito do comércio internacional: do free trade ao fair trade. Curitiba: Juruá, 2018.

TALLONTIRE, A. Partnerships in fair trade: reflections from a case study of Cafédirect. Natural resources and ethical trade, 2000. Disponível em:https://assets.publishing.service.gov.uk/media/57a08d8ee5274a31e000191e/R7285NRET_Working_Paper_6.pdf. Acesso em 11 set. 2019.

VAN DER HOFF, Frans. Intentos para reapropriarse de la Economía Solidaria - Comercio Justo: uma experiencia de UCIRI, México. In: STELZER, Joana; GOMES, Rosemary (orgs.). Comércio Justo e Solidário no Brasil e na América Latina. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/UFSC, 2016. p. 185-196.

WORLD FAIR TRADE ORGANIZATION; FAIR TRADE LABELLING

ORGANIZATIONS INTERNATIONAL. Carta de los principios del Comercio Justo.

Enero 2009. Disponível em:https://wfto.com/sites/default/files/Charter-of-Fair-Trad

e-Principles-Final%20(SP).PDF. Acesso em: 12 set. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-568

Refbacks

  • There are currently no refbacks.