A teoria de Marx no contexto de análise do programa mulheres mil: buscando aproximações / The theory of Marx in the analysis context of the thousand women program: searching for approaches

Márcia Cecília Ramos Lopes, Lúcia Helena Rincón Afonso, Maria Esperança Fernandes Carneiro, Maria Cristina das Graças Dutra Mesquita

Abstract


Neste artigo apresenta-se reflexões sobre como o materialismo histórico dialético poderia dar suporte à elaboração da pesquisa, que se encontra em andamento, sobre o programa Mulheres Mil desenvolvido no IFG, no período de 2011 a 2013. Para melhor compreender o legado marxista e como este propõe o conhecimento da sociedade moderna, regida pelo modo de produção capitalista, além de Marx e Engels, optou-se também por pesquisar autores que estudaram sua obra ou que se referenciaram em sua teoria para tratar a educação, o trabalho, as políticas educacionais, dentre estes Paulo Netto (2011); Löwy (1998); Frigotto (2010) e Gamboa (2014).

 

 


Keywords


Modo de produção capitalista, Mulheres e formação para o trabalho, Exclusão produtiva.

References


BARSTED, Leila Linhares. A articulação do Brasil no cenário internacional: a defesa dos direitos das mulheres. In: BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Revista Observatório Brasil da Igualdade de Gênero. 1ª Impressão. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, Abril, 2014, 154 Páginas.

BRASIL. Ministério da Educação. ROSA, Estela (Org.). Mulheres mil: do sonho à realidade = Thousand woman; making drems come true = Mile femmes: du revê à lá réalité. Brasília; 2011. Disponível em: . Acesso em: 27 dez. 2013

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Estudos e pesquisas. Informação Demográfica e Socioeconômica. Síntese de Indicadores Sociais – Uma análise das condições de vida da população brasileira - 2014. Número 34. Rio de Janeiro: 2014

CIAVATTA, M. Trabalho como princípio educativo. In: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Politécnica de Saúde. Dicionário da Educação Profissional em Saúde. 2009. Disponível em: < http://www.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/trapriedu.html>. Acesso em: 14 mar. 2014.

DEITOS, Roberto Antonio. LARA, Angela Mara de Barros. Estado e política educacional: O receituário do liberalismo social-democrata. In: Políticas educacionais e o cotidiano escolar. Revista Eccos, n. 29, p. 35-62, set./dez. 2012. São Paulo: Universidade Nove de Julho, 2012. 270 p.

DEL PRIORI, Mary. As mutações da família brasileira. In: Revista Aventuras na História, ed. 133. São Paulo: Editora Abril, Agosto de 2014

FRIGOTTO, Gaudêncio. O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional. In: FAZENDA, Ivani (org.). Metodologia da pesquisa educacional. 12ª ed. São Paulo: Cortez, 2014.

FREIRE. Silene de Moraes. BECHER, Mariela Nathalia. A ideologia persistente do desenvolvimento. Entrevista com Miriam Limoeiro Cardoso. Revista Em Pauta. Teoria Social e Realidade Contemporânea. V. 11, n. 31 (2013). p. 207-214. Disponível em: . Acesso em: 03 fev. 2015.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 32. reimpressão. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009.

GOMEZ, Carlos Minayo. et al. Trabalho e conhecimento: dilemas na educação do trabalhador. 4. ed. são Paulo: Cortez, 2002.

GODINHO, Tatau. BRITO, Mariana. Autonomia econômica: desafio para as políticas públicas. In: BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Revista Observatório Brasil da Igualdade de Gênero. 1ª Impressão. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, Abril, 2014, 154 Páginas.

LAKATOS, Eva Maria. MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

LÖWY, Michael. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen – marxismo e positivismo na sociologia do conhecimento. 12 ed. São Paulo: Cortez, 1998.

MACHADO, Lucília Regina de Souza. Educação e divisão social do trabalho: contribuição para o estudo do ensino técnico industrial brasileiro. 2. ed. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1998.

MARX, Karl. Contribuição à crítica da economia política. Tradução a partir da edição francesa Maria Helena Barreiro Alves; revisão de tradução Carlos Roberto F. Nogueira. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

. O capital: crítica da economia política: livro I. tradução de Reginaldo Sant’Anna. 32. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

. Trabalho assalariado e capital & salário, preço e lucro. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

. ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. Vol. 1 – Feuerbach: A oposição entre as concepções Materialista e Idealista. Tradução de Frank Müller. 4. reimpressão. São Paulo: Martin Claret, 2011.

. Manifesto do partido comunista. Tradução de Marcos Aurélio Nogueira, Leandro Konder. 13. ed. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2005.

PAULO NETTO, J. Introdução ao estudo do método de Marx. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

SWAIN, Tania Navarro. Corpos construídos, superfícies de significação, processos de subjetivação. In: Intervenções Feministas. Programa de Pós-Graduação em História do Departamento de História do IFCH-UNICAMP. Mini-curso “Diferença Sexual? Perspectivas Feministas”. 22 e 23 de abril de 2009. Disponível em:

. Acesso em: 16 jan. 2015.

SCOTT, Joan. O enigma da igualdade. In: Estudos Feministas, Florianópolis, v.13,

n.1. p.216, jan-abr. 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0104-026X2005000100002&lng=pt&nrm=iso&userID=-2>. Acesso em: 19 dez. 2014.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. 1. ed. 22. reimp. São Paulo: Atlas, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-565

Refbacks

  • There are currently no refbacks.