REDE SOCIAL E RESISTÊNCIA: “Professores contra o Escola Sem Partido” monitoram projetos em tramitação no país / SOCIAL NETWORK AND RESISTANCE: "Teachers against the School Without Party" monitor projects in progress in the country

Iuska Kaliany Freire de Oliveira, Karlla Christine Araújo Souza

Abstract


Neste momento, por meio do computador, notebook, tablet ou smartphone, pessoas de todo o mundo interagem pelas redes sociais. Elas se conectam em rede, trocam mensagens, usam aplicativos de conversas instantâneas, postam fotografias e riem de “memes” que viralizam na Internet. Nesse meio virtual também há resistência e luta. Conforme analisa Primo (2013), a popularização das mídias digitais no ciberespaço contribuiu para a democratização da comunicação e revolucionou o modo de consumir e produzir conteúdo, fomentando a comunicação colaborativa. Nesse contexto, os movimentos sociais encontraram espaços para fincar suas bandeiras de luta. Este artigo tem como objetivo analisar um desses espaços de resistência nas redes sociais, relacionado à nossa pesquisa de mestrado que trata sobre o Projeto Escola Sem Partido. Nossa pesquisa resulta de uma inquietação relacionada à comunicação mediada na Internet, especificamente no Facebook, e tem como foco observar de que forma os movimentos de insurgência ressoam nas redes sociais. Partindo de um recorte da problematização teórica da pesquisa, utilizamos metodologicamente o procedimento de Tradução, do sociólogo Boaventura de Sousa Santos para analisar o trabalho de articulação, colaboração e registro desenvolvido pelos sujeitos da comunidade "Professores Contra o Escola sem Partido". Essa comunidade reúne mais de 74 mil pessoas no Facebook que defendem a autonomia docente e uma escola democrática. Os organizadores mapeiam todos os projetos de lei iguais ou semelhantes ao Escola Sem Partido em tramitação no País, além de reunir diversos pesquisadores sobre o tema. O monitoramento é organizado também em um blog (https://pesquisandooesp.wordpress.com/) produzido como parte da dissertação de mestrado “Escola Sem Partido”: Relações entre Estado, Educação e Religião e os Impactos no Ensino de História”, de autoria de Fernanda Pereira de Moura, junto ao Programa de Pós-Graduação em Ensino de História (ProfHistória/UFRJ).


Keywords


Escola Sem Partido, Procedimento de Tradução, Redes Sociais e Insurgência.

References


CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: Movimentos sociais na era da internet. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2013.

_____________________ A Galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet, os negó

cios e a sociedade. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2003.

CHARTIER, Roger. Os desafios da Escrita. Trad. Fulvia M. L. Moretto. São Paulo:

Editora UNESP, 2002.

GOHN, Maria da Glória. Sociologia dos Movimentos Sociais. São Paulo, Cortez, 2013, pp. 127.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos Sociais e Redes de Mobilizações Civis no Brasil Contemporâneo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Trad. Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 1999.

MOURA, Fernanda Pereira de. “Escola Sem Partido”: relações entre estado, educação e religião e os impactos no ensino de história. Rio de Janeiro, 2016. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de História, Programa de Pós-Graduação em Ensino de História.

PAGNI, P. A, CARVALHO, A. F e GALLO, S. O programa Escola Sem Partido e a destruição de uma das virtudes modernas da escola. Disponível em: < http://www.anped.org.br/news/o-programa-escola-sem-partido-e-destruicao-de-uma-das-virtudes-modernas-da-escola > Acesso em 20 de agosto de 2016.

PRIMO, Alex. Org. Interações em rede. Porto Alegre: Sulina, 2013.

RAMOS, M. N. “Escola sem partido”: a criminalização do trabalho pedagógico. Disponível em: Acesso em 22 de agosto de 2016.

RECUERO, Raquel. Redes Sociais na Internet. Sulina. Porto Alegre, 2009.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2010.

___________ Democratizar a Democracia: os caminhos da Democracia Participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

THOMPSON, E. P. Costumes em comum: Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Cia das Letras, 1998.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-563

Refbacks

  • There are currently no refbacks.