Tráfico de Drogas e Encarceramento Feminino: uma compreensão sistêmica a partir do ciclo vital da família / Drug Trafficking and Female Incarceration: a systemic understanding from the family's life cycle

Eusiléa Pimenta Roquete Severiano, Julia Sursis Nobre Ferro Bucher Maluschk

Abstract


A Teoria Geral dos Sistemas nesse contexto possibilita compreender a importância da inter-relação existente entre os sistemas humano e familiar. Assim, por meio dos pressupostos gerais dessa teoria torna-se possível estudar a formação, a organização, as tendências futuras e os potenciais dos sistemas, além de suas relações. Por outro lado, convém observar que o ciclo de vida de um indivíduo se estrutura de acordo com o contexto em que ele está inserido, como, por exemplo, a sua família. Deste modo, este artigo traz à luz a temática do encarceramento feminino por tráfico de drogas numa compreensão sistêmica do ciclo vital da família. As discussões estão ancoradas na apresentação do estudo de casos realizado no Presídio Feminino do Distrito Federal, popularmente conhecido como Colmeia, localizado no Setor de Chácaras nº 02, Granja Luís Fernando, na Região Administrativa do Gama.

 

 


Keywords


Mulher. Tráfico de drogas. Família.

References


BRASIL. Ministério da Justiça. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – INFOPEN Mulheres. Brasília, DF, 2014.

BRASIL. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – INFOPEN Mulheres (2a ed.). Brasília, DF, 2018.

BUCHER-MALUSCHKE, J. S. N. F. Do transgeracional na perspectiva sistêmica à transmissão psíquica entre as gerações na perspectiva da psicanálise. Em M. A. Penso & (Orgs.), A transmissão geracional em diferentes contextos. Da pesquisa à intervenção (pp. 76-96). São Paulo: Summus, 2008.

CARTER, B.; McGOLDRICK, M. As mudanças no ciclo de vida familiar. Porto Alegre: Artmed, 2011.

FALCKE, D.; WAGNER, A. A dinâmica familiar e o fenômeno da transgeracionalidade: definição de conceitos. In: WAGNER, A. (Org.). Como se perpetua a família? A transmissão dos modelos familiares. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005.

LIMA, G. M. B. et al. Mulheres no cárcere: significados e práticas cotidianas de enfrentamento com ênfase na resiliência. Rio de Janeiro: Saúde em Debate, 2013.

MARANGONI S. R; OLIVEIRA M. L. F. de. Uso de crack por multípara em vulnerabilidade social: história de vida. Cienc Cuid Saude, v. 11, n. 1, p. 166-172, 2012. Disponível em . Acesso em 16 de setembro 2020.

McGOLDRICK, M., GERSON, R.; PETRY, S. Genogramas: avaliação e intervenção familiar. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

PENSO, M. A.; COSTA, L. F.; RIBEIRO, M. A. Aspectos teóricos da transmissão transgeracional e do genograma. In: PENSO, M. A.; COSTA, L. F. (Orgs.), A transmissão geracional em diferentes contextos: da pesquisa à intervenção. São Paulo: Summus, 2008.

RAMOS, L. S. Por amor ou pela dor? Um olhar feminista sobre o encarceramento de mulheres por tráfico de drogas. Brasília: UNB, 2012.

SEVERIANO, E. P. R. Mulheres apenadas pelo crime de tráfico de drogas: motivos e repercussões intrapessoal, familiar e social. (Dissertação de Mestrado). Brasília: UCB, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-561

Refbacks

  • There are currently no refbacks.