O tempo escolar nas escolas de pedagogias inovadoras/ School time in innovative pedagogy schools

Gabriela Castro Andrade

Abstract


Experienciar o tempo é algo muito subjetivo, não significa apenas que os tempos sejam diferentes, mas que a experiência do passar do tempo, do correr dos ponteiros em nós, em nossas vidas, nossos movimentos, produz diferentes significados. É a partir dessa necessidade de uma outra perspectiva educacional que contemple um repensar na atual lógica do tempo cronológico e, onde essa experiência possa realmente ser contemplada e vivida, que esse recorte do trabalho de conclusão de Curso de Pedagogia teve o intuito de descobrir indícios nos Projetos Políticos Pedagógicos das chamadas “escolas inovadoras”, que conseguem romper com a lógica do tempo chrónos, a fim de entender o que as fazem ser diferentes das demais. Ginzburg (1989) auxiliou quando propõe um modelo de investigação indiciária, onde o autor procura demonstrar como diferentes áreas da ciência autorizam análises qualitativas baseadas na observação de detalhes. E foi nessa observação que o trabalho se baseou. As três escolas em questão conseguem romper com a concepção tradicional de ensino e aprendizagem, passando a incorporar a realidade social e considerando as questões e os problemas enfrentados pelos homens e pelas mulheres de nosso tempo como objeto de conhecimento. Os conteúdos escolares são repensados e ressignificados.


Keywords


Tempo, Escola, Experiência, Projeto Político Pedagógico.

References


BASTOS, G.D.C; SOUZA, T.D. Memórias e escrita de si: uma viagem formativa pelo curso de pedagogia. Brazilian Journal of Development. n°6, p. 1-13, 2020.

FERREIRA, V. M. R.; ARCO-VERDE, Y. F. S. Chrónos & Kairós: o tempo nos tempos da escola. Educar, Curitiba, n. 17, p. 63-78. 2001.

GINZBURG, Carlo. Sinais: Raízes de um paradigma indiciário. In: ___ Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan./fev./mar./abr. 2002.

PACHECO, José Augsto. Currículo: teoria e práxis. Porto: Porto Editora, 1996.

PRIGOGINE, Ilya. Do ser ao devir. Entrevista concedida a Edmond Blattchen. São Paulo: Editora UNESP; Belém: Editora Universidade Estadual do Pará, 1996.

SKLIAR, Carlos. Sobre a temporalidade do outro e da mesmidade – notas para um tempo (execessivamente) presente. In: _______. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não tivesse ai? Rio de Janeiro: DP&A, 2003. P. 37-64.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-555

Refbacks

  • There are currently no refbacks.