Reflections on policies which guide English language teaching to the deaf in Brazil / Reflexões sobre políticas que orientam o ensino de inglês para surdos no Brasil

Antonio Henrique Coutelo de Moraes, Solange Maria de Barros

Abstract


Although the discussion about Brazilian education and language policies has been gaining ground in research, the issue of teaching a foreign language to deaf people still does not seem to occupy due space in the concern of researchers. In this sense, we intend to outline reflections about the teaching of the English language for deaf people in Brazil, investigating (in) congruences between what the official texts propose. To achieve our goal, we based our discussions on Bhaskar (1998), Luke (2009), Moutinho (2016), Quadros (2017), Moraes (2018) and Tílio (2019), among others. The adopted methodology followed the guidelines of Gil (2010) for bibliographic and documentary research. For the exploratory/qualitative discussion, we approach official documents about deafness and English language teaching. The data point to an erasure of the differences in documents that guide the teaching of English to the deaf and to the fact that there are no favourable conditions for the full linguistic development of the deaf.


Keywords


Education policies, bilingualism, teaching, English, deaf.

Full Text:

PDF

References


Bhaskar, R. (1998). Critical realism. Essential readings, in: Archer, M., Bhaskar, R., Collier, A., Lawson, T. and Norrie, A, eds., Centre for critical realism. London: Routledge.

Brazil. (1996). LDB - Lei no 9394/96. Brasília: MEC.

Brazil. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Ensino Fundamental. Brasília: MEC.

Brazil. (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Ensino Médio. Brasília: MEC.

Brazil. (2002). Lei nº 10.436/02. Brasília: DOU.

Brazil. (2005). Lei nº 5.626/05. Brasília: DOU.

Brazil. (2010). Lei nº 12.319/10. Brasília: DOU.

Brazil. (2013) Lei nº 12.796. Brasília: MEC.

Brazil. (2014). Lei nº 13.005/14. Brasília: MEC.

Brazil. (2015). Lei nº 13.146/15. Brasília: DOU.

Brazil. (2017a) Lei nº 13.415/17. Brasília: MEC, 2017a.

Brazil. (2017b) Base Nacional Comum Curricular. Ensino Fundamental. Brasília: MEC.

Brazil. (2017c) Base Nacional Comum Curricular. Ensino Médio. Brasília: MEC.

Brazil. (2014). Plano Nacional de Educação PNE 2014-2024: Linha de Base. Brasília: MEC.

Dillenburg, A. I. and Messerschmidt, D. W. (2020). Inclusão da pessoa com deficiência no ensino a distância sob a ótica dos documentos legais. Braz. J. of Develop., 6(6), pp.37250-37262.

Dourado, M. R. S. (2008). Dez anos de PCNs de língua estrangeira sem avaliação dos livros didáticos pelo PNLD. Ling. (dis)curso, 8(1), pp. 121-148.

Falcomer, K. and Rodrigues, V. (2008). A importância das associações (inter) nacionais na formação de professores de línguas. HELB, 2(2), n.p.

Gabrilli, M. (2015). Lei Brasileira de Inclusão. Brasília. Available at: http://maragabrilli.com.br/wp-content/uploads/2016/03/Guia-sobre-a-LBI-digital.pdf [Accessed: 23 March 2020].

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Grosjean, F. (2010). Bilingual: Life and reality. Cambridge: Harvard University Press.

Johnson, M. (2004). A Philosophy of Second Language Acquisition. New Haven: Yale University Press.

Lopes, M. C. (2007). Inclusão escolar: currículo, diferença e identidade. In: Lopes, M. C. and Dal'igna, M. C., eds., In/exclusão: nas tramas da escola. Canoas: Ed. ULBRA, pp. 11-34.

Luke, A. (2009). Critical Realism, Policy, and Educational Research. In: Ercikan, K. and Roth, W., eds., Generalizing from Educational Research: Beyond Qualitative and Quantitative Polarization. New York: Routledge, pp. 173-200.

Moraes, A. H. C. (2012). Descrição do desenvolvimento linguístico em língua inglesa por seis surdos: novos olhares sobre o processo de aquisição de uma língua. Masters level. Catholic University of Pernambuco.

Moraes, A. H. C. (2018). A triangulação Libras-português-inglês: relatos de professores e intérpretes de Libras sobre aulas inclusivas de língua estrangeira. Doctorate level. Catholic University of Pernambuco.

Moutinho, R. (2016). Arrematando os capítulos e as temáticas. In: Sá, R. L., ed., Português para falantes de outras línguas: interculturalidade, inclusão social e políticas linguísticas. Campinas: Pontes.

Nogueira, M. C. B. (2007). Ouvindo a voz do (pré)adolescente brasileiro da geração digital sobre o livro didático de inglês desenvolvido no Brasil. Masters level. Pontifical Catholic University of Rio de Janeiro.

Quadros, R. M. (2017). Língua de herança: língua brasileira de sinais. Porto Alegre: Penso Editora.

Rajagopalan, K. (2013). Política linguística: do que é que se trata, afinal? In: Nicolaides, C., Silva, K. A., Tilio, R. and Rocha, C. H., eds., Política e Políticas Linguísticas. Campinas: Pontes Editores.

Silva, C. M. O. (2005). O surdo na escola inclusiva aprendendo uma língua estrangeira (inglês): um desafio para professores e alunos. Masters level. University of Brasilia.

Silva, R. A. C. (2018). Um olhar sobre o surdo na nova Base Nacional Comum Curricular. Revista Virtual de Cultura Surda, 23, n.p. Available at: http://editora-arara-azul.com.br/site/revista_edicoes [Accessed: 09 May 2020].

Spain. (1994). Declaração de Salamanca: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. Salamanca: Government of Spain.

Steyer, D. (2020). “Não tem material didático para surdo; eu pesquiso a vida inteira”: impressões de professores de língua portuguesa e inglesa sobre o ensino e material didático para surdos. Masters level. University of Rio dos Sinos Valley.

Tílio, R. (2019). A Base Nacional Comum Curricular e o Contexto Brasileiro. In: Gerhardt, A. F. L. M. and Amorim, M. A., eds., A BNCC e o ensino de línguas e literatura. Campinas: Pontes Editora, pp. 7-9.

Vygotsky, L. S. (1929/1993). The Fundamental Problems of Defectology. In: The Collected Works of L S Vygotsky. v. 2. New York: Plenum Press.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-546

Refbacks

  • There are currently no refbacks.