Neurotoxoplasmose em pacientes portadores de Imunodeficiência Humana e suas sequelas: Uma revisão narrativa / Neurotoxoplasmosis in patients with Human Immunodeficiency and its sequelae: A narrative review

Lívia Maria Carneiro de Melo, Milena Teixeira Paulista, Tarquino Erastides Gavilanes Sánchez

Abstract


A síndrome da imunodeficiência humana acomete cerca de 966.058 pessoas no Brasil (MS, 2019). Pacientes com supressão imunológica grave CD4< 200 células/mm3 possuem risco elevado para acometimento por toxoplasmose, encefalite, meningite criptocócica, citomegalovírus e linfoma (Tan, 2012). A neurotoxoplasmose apresenta-se em terceiro lugar como infecção definidora de AIDS mais prevalente no Brasil, atrás apenas da tuberculose e do Pneumocystis jirovecii (Vidal, 2013). Objetivos: Mediante à evidente e relatada relevância clínica e epidemiológica da neurotoxoplasmose em pacientes portadores de HIV/AIDS, busca-se neste trabalho consolidar uma revisão de importantes conceitos da neurotoxoplasmose, bem como relatar a incidência de neurotoxoplasmose a partir da avaliação de pacientes portadores de HIV/AIDS no Brasil e no mundo. Metodologia: trata-se de uma revisão de literatura narrativa. Foram selecionados artigos pertencentes às plataformas científicas PubMed, SCIELO e Google Scholar. Foram selecionados 29 artigos e 3 manuais com o intuito de fazer um apanhado da neurotoxoplasmose, seu diagnóstico, profilaxia, tratamento e possíveis sequelas. Discussão: A neurotoxoplasmose ainda é a infecção do sistema nervoso central mais prevalente em pessoas vivendo com HIV/AIDS e, por isto, é um dos obstáculos para a manutenção da qualidade de vida desses pacientes. Conclusão: A partir das contribuições advindas das abordagens reunidas no presente estudo e da análise realizada pelos autores deste artigo, foi possível evidenciar a importância da adesão precoce e manutenção da Terapia Antirretroviral para pessoas portadoras de HIV/AIDS, a fim de prevenir o acometimento pela neurotoxoplasmose e possibilitando, assim, garantir maior sobrevida e mais qualidade de vida para tais pacientes. Da mesma forma, também ficou demonstrada a importância da profilaxia e tratamento para neurotoxoplasmose nesses indivíduos.


Keywords


HIV, Toxoplasmose cerebral, Infecções Oportunistas.

References


Azovtseva OV, Viktorova EA, Bakulina EG, Shelomov AS, Trofimova TN. Toxoplasmose cerebral em pacientes infectados pelo HIV entre 2015-2018 (um estudo de caso na Rússia). Epidemiol Infect. 2020; 148: e142. Publicado em 4 de maio de 2020.

Coelho L, Cardoso SW, Amancio RT. et al. Tendências na incidência de doenças oportunistas definidoras de AIDS ao longo de 25 anos no Rio de Janeiro, Brasil, PLoS One. 2014; 9 ( 6 ): e98666.

Christo, P. P. Alterações cognitivas na infecção pelo HIV e AIDS. Revista da Associação Médica Brasileira. V.56, n.2, p.242-247, 2010.

Dedicoat M, Livesley N. Management of toxoplasmic encephalitis in HIV-infected adults Data-base Syst Rev 2006;3:CD005420.

Ehlenbach W.J. Physical function and disability after acute care and critical illness hospitalizations in a prospective cohort of older adults. J Am Geriatrics Society. 2015;63(10):2061-9

Ford, N, Shubber, Z, Meintjes, G et al. Cause of hospital admission among people living with HIV worldwide: a systematic review and meta-analysis. Lancet HIV. 2015;2(10):e438–e444.

Fortes, E. Parasitologia Veterinária. 4 ed., São Paulo, Ícone, p.124-126, 2004.

Hallal R, Ravasi G, Kuchenbecker R, Greco D, Simão M. O acesso ao tratamento antirretroviral no Brasil. Tempus Actas Saúde Coletiva. 2010; 4(2):53-66.

Le, L.T, Spudich SS. HIV-Associated Neurologic Disorders and Central Nervous System Opportunistic Infections in HIV. Semin Neurol. 2016;36(4):373-381. doi:10.1055/s-0036-158545

Luft, BJ, Remington, JS. Encefalite toxoplasmática na AIDS. Clin Infect Dis. 1992; 15 (2): 211 - 222

Lyons, RE, McLeod R, Roberts CW. Toxoplasma gondii tachyzoite-bradyzoite interconversion. Trends Parasitol. 2002;18(5):198-201

Martin, JCM, Cruzes M.M., Pires L. A. (2015). Neurotoxoplasmose Neurocisticercose em Pacientes com AIDS - Relato de caso. Rev Neurocienc 2015;23(3):443-450.

Moreira, R., Ribeiro, F.F.F, Santana, R.C Infecções Oportunistas do Sistema Nervoso Central em HIV/AIDS na Emergência, Revista Qualidade HC, 2017, São Paulo

MS, Ministério da saúde, Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Infecção por HIV / Adultos / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle de Infecções Sexualmente Transmissíveis, HIV / Aids e Hepatites Virais. Brasília, Brasil: Ministério da Saúde; 2018.

MS. Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico HIV/Aids. Brasília, 2019.

MS, Ministério da Saúde. O manejo da infecção pelo HIV na atenção básica. Brasília, 2015

Muller, E.V. Borges, P.K.O. Sobrevida de paciente HIV/AIDS em tratamento antirretroviral e fatores associados na região dos Campos gerais, Paraná: 2002-2014, Brazilian Journal of Development. Curitiba, v. 6, n.5, p.28523 – 28542 may.202

Nóbrega, J.P.S. Tratamento da Neurotoxoplasmose com associação de sulfametoxazol e trimetroprim: Report of 10 cases. Arq Neuro Psiquiatr. 1991; 49(3): 279-284.

Rajapakse S, Weeratunga P, Rodrigo C, et al. Profilaxia da toxoplasmose humana: uma revisão sistemática. Pathog Glob Health 2017; 111 : 333–42

Rother, Edna Terezinha. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta paul. enferm., São Paulo, v. 20, n. 2, p. v-vi, jun. 2007. Disponível em . acessos em 06 out. 2020.

Silva, R. A. D. Fatores associados à infecção pelo HIV entre usuários da testagem rápida anti-HIV em Porto Alegre, RS. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva)- Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

Schlüter, D, Barragan, A. Advances and challenges in understanding cerebral toxoplasmosis. Front Immunol.2019;10:242

Sonneville, R.S.M. Messika J. et al. Neurologic outcomes and adjunctive steroids in HIV patients with severe cerebral toxoplasmosis. Neurology. 2012;79(17):1762–1766.

Tan, I. L., Smith, B. R., von Geldern, G., Mateen, F. J., & McArthur, J. C. (2012). HIV-associated opportunistic infections of the CNS. The Lancet Neurology, 11(7), 605–617.doi:10.1016/s1474-4422(12)70098-4

UnAIDS. Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS

Disponível em: < https://unaids.org.br/estatisticas/>. Acesso em: 01 de agosto de 2020.

Urquhart, G.M.; Armour, J; Toxoplasma gondii. Parasitologia Veterinária. 2°. Ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1998. v. 2, p. 204-207.

Vidal, JE.Importance of high IgG anti-Toxoplasma gondii titers and PCR detection of T. gondii DNA in peripheral blood samples for the diagnosis of AIDS-related cerebral toxoplasmosis: a case-control study, BRAZILIAN JOURNAL OF INFECTIOUS DISEASES, v.15, n.4, p.356-359, 2011

Vidal JE. HIV-Related Cerebral Toxoplasmosis Revisited: Current Concepts and Controversies of an Old Disease. "https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6900575/ Int Assoc Provid AIDS Care. 2019 Jan-Dec; 18: 2325958219867315. Published online 2019 Aug 20

Vidal, JE, Oliveira, AC. AIDS-related cerebral toxoplasmosis in São Paulo State, Brazil: marked improvements in the highly active antiretroviral therapy-era but the challenges continue. Braz J Infect Dis. 2013;17(3):379–380.

Vilaseca J, Arnau JM, Bacardi R, Mieras C, Serrano A, Navarro C, Kaposi's sarcoma and toxoplasma gondii brain abscess in a Spanish homosexual.Lancet. 1982 Mar 6; 1(8271):572.

Xavier, G. A; Cademartori B.G.Evaluation of seroepidemiological toxoplasmosis in HIV/AIDS patients in the south of Brazil. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo. 2013, vol.55, n.1 [cited 2020-07-27], pp.25-30.

Wang ZD, Wang SC, Liu HH, Ma HY, Li ZY, Wei F, Zhu XQ, Liu Q. Prevalence and burden of Toxoplasma gondii infection in HIV-infected people: a systematic review and meta-analysis Lancet HIV. 2017 abr; 4 (4): e177-e188

Weiss LM, Dubey JP. Toxoplasmosis: A history of clinical observations. Int J Parasitol. 2009 Jul 1;39(8):895-901




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-542

Refbacks

  • There are currently no refbacks.