Da Rede a Rua: Análise do Instagram e Facebook do Movimento #Elenão em Teresina – PI / From the Net to the Street: Instagram and Facebook Analysis of the Movement #Elenão in Teresina – PI

Marisa de Oliveira Gomes, Michelly Santos de Carvalho, Élissa Tavares Duarte

Abstract


Os movimentos feministas surgiram através da luta de mulheres por igualdade de direitos políticos e sociais, em relação aos homens, e ganharam força ao longo dos anos com pautas que agregam outros movimentos sociais. Com a expansão da internet e da comunicação via redes, o feminismo se apropriou das plataformas digitais, difundindo as pautas discutidas e atingindo mais pessoas. A presente pesquisa teve como objeto a página Mulheres Unidas Teresina, no Instagram e Facebook, que surgiu como um desdobramento de uma página nacional em protesto contra Jair Bolsonaro, então candidato do PSL à presidência, em 2018.  A metodologia se utiliza de uma vertente qualitativa por meio da análise de conteúdo (BARDIN, 1977) para análise e categorização dos dados recolhidos. Observou-se que a página do Instagram se mostrou mais eficiente do que a do Facebook no uso da hashtag EleNão, mostrando-se mais como uma vertente simbólica para o protesto do que com o objetivo de aglomerar postagens dentro de um mesmo tema.   


Keywords


Feminismo, Ativismo digital, Redes Sociais, EleNão

References


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa. Edições 70. 1977.

BATISTA, C. O que é Interseccionalidade?. Disponível em . Acesso em 09 jan. 2020.

BEAUVOIR, S. Segundo Sexo: Fatos e Mitos. Tradução de Sérgio MILLIET. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016/1949.

COSTA, A. O movimento feminista no Brasil: Dinâmicas de uma intervenção política. Revista Labrys, Niterói, v.5, n. 2, p. 9-35, 2005. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2020.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet. 1ª ed. São Paulo: Editora Zahar, 2003

_________________. Redes de indignação e esperança: Movimentos sociais na era da internet. 1ª ed. São Paulo: Editora Zahar. 2013.

El PAÍS. #EleNão: Após tomar as redes, movimento liderado por mulheres contra Bolsonaro testa força nas ruas. Disponível em. Acesso em 02 mar. 2020.

FERREIRA, C. Feminismos web: linhas de ação e maneiras de atuação no debate feminista contemporâneo. Cadernos Pagu, n. 44, 2015.

FONSECA, N. 2017. Ciberespaço de protagonismo feminino: discurso e inteligência coletiva. Revista Temática, Ano XIII, n. 08, NAMID/UFPB, Agosto/2017. Disponível em < http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/tematica>. Acesso em 07 mar. 2020.

FONSECA, S; SILVA, A.; FILHO, J. O Impacto do Ciberativismo no Processo de Empoderamento: o uso de redes sociais e o exercício da cidadania. Desenvolvimento em Questão, v. 15, n. 41, 2017 Disponível em . Acesso em 08 mar. 2020.

FRASER, N. O feminismo, o capitalismo e astúcia da história. Mediações, v.14, n.2, p.11-33, 2009.

G1. Protestos contra Bolsonaro ocorrem em 26 estados e DF; atos a favor, em 16. Disponível em . Acesso em 01 abr. 2020.

GATTI, B. Grupo Focal na Pesquisa em Ciências Sociais. Brasília: Líber Livro Editora, 2005.

Lervolino, S. e Pelicioni, M. “A utilização do grupo focal como metodologia qualitativa na promoção da saúde”. Rev. Escola de Enfermagem da USP, n. 35, v. 2, pp.115-121, 2001. Disponível em Acesso em 12 mar. 2020.

HIRATA, H. Gênero, classe e raça: Interseccionalidade e consubstancialidade das

relações sociais. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 26, n. 1, 2014, p. 61-73.

MATOS, M. Teorias de gênero e teorias e gênero? Se e como os estudos de gênero e feministas se transformaram em um campo novo para as ciências. Revista Estudos Feministas (Florianópolis), v. 16, n. 2, maio/ago., p. 333-357., 2008.

MATOS, M. Movimento e teoria feminista: É possível reconstruir a teoria feminista partir do Sul global?. Revista de Sociologia e Política, junho, n 36, v. 18., 2010.

MATOS, M. O Campo Científico-critico-emancipatório das Diferenças como Experiência de Descolonização Acadêmica. In: Flavia Biroli ; Luis Felipe Miguel. (Org.). Teoria Política e Feminismo. Vinhedo Belo Horizonte, 2012, v. 01, p. 47-101, 2012.

MORÉ, C. “Entrevista em profundidade” ou “semiestruturada”, no contexto da saúde: Dilemas epistemológicos e desafios de sua construção e aplicação. Atas do 7º Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa (CIAIQ), Fortaleza – CE, 2015. Disponível em . Acesso em 09 mar. 2020.

PINTO, C. Feminismo, História e Poder. Revista Sociologia Política (Curitiba), v. 18, n. 36, p. 15-23, jun. 2010.

PINTO, C. Uma História do Feminismo no Brasil. São Paulo: Ed. Perseu Abramo, 2003.

RECUERO, Raquel. Redes Sociais na internet. Porto Alegre. Sulina. 2009

________________. Contribuições da Análise de Redes Sociais para o estudo das redes sociais na Internet: o caso da hashtag #Tamojuntodilma e #CalaabocaDilma. Revista Fronteiras Estudos Midiáticos. V.16 n.2 2014. Disponível em . Acesso em 27 Jun. 2020.

ROSSI, A.; CARNEIRO, J. GRAGNANI, J.. #EleNão: A manifestação histórica liderada por mulheres no Brasil vista por quatro ângulos. BBC News Brasil em São Paulo, Rio de Janeiro e Londres. Disponível em< https://www.bbc.com/portuguese/brasil-45700013>. Acesso em 27 jun. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-535

Refbacks

  • There are currently no refbacks.