Identificação de parâmetros físico-químicos e microbiológicos a partir da obtenção do extrato alcoólico (92o) da folha de nogueira (Juglans regia L.) / Identification of physical-chemical and microbiological parameters from obtaining the alcoholic extract (92º) of the walnut leaf (Juglans regia L.)

Camila Shiokawa Kakazu, Bruna Calixto de Jesus, Ester Regina Gomes Tito, Letícia Alves Luciano, Elineides Santos Silva

Abstract


Conhecida como noz inglesa ou noz comum, o uso da nogueira para consumo, produtos industriais e fins medicinais é conhecido devido às propriedades benéficas. Matérias primas vegetais são capazes de produzir diversos produtos, entre eles os extratos que são obtidos pelo uso de um solvente com baixa toxicidade ao ser humano. Os metabólitos secundários, obtidos das plantas, poderão produzir importantes efeitos terapêuticos, podendo essas propriedades sofrer influências das características da planta e método de extração. Despertou-se o interesse na folha de nogueira devido à escassez de informações sobre as características dos extratos e sua utilização. O estudo traz como objetivo principal a identificação das propriedades físico-químicas e microbiológicas do extrato da folha da nogueira, obtido a partir do uso de álcool etílico 92º como solvente e extração por maceração dinâmica. Utilizou-se álcool etílico 92° (v/v), folha de nogueira seca (Farmaervas), filtro de papel descartável (n° 102), balança de precisão (0,0001g) e instalações do laboratório cedido pela Uninove. Executou-se os experimentos 3 vezes no mesmo dia, sob as mesmas condições. Após pesagem de 5 g da folha seca de nogueira sem os talos, foi feita a maceração manual com o acréscimo gradativo do solvente, até volume máximo de 150 ml. O conteúdo foi transferido para um béquer, e colocado coberto no agitador em velocidade máxima por 2 horas ininterruptas. Depois, o extrato ficou em repouso por 72 horas à temperatura ambiente (25 + 3°C). Após o repouso, fez-se a filtragem e o volume foi completado para 150 ml com o solvente. Em seguida, submetido às análises e obtenção dos parâmetros da amostra. Os parâmetros físico-químicos evidenciam que o álcool como solvente apresenta melhor rendimento de compostos ativos. Por ser um solvente orgânico, pode contribuir para a transformação oxidativa, mas apresenta limitações no uso alimentício e cosmético. São diversos os usos dos extratos vegetais: alimentos, cosméticos, medicamentos, controle de pragas agrícolas, ação repelente, bactericida e fungicida além da interessante atividade antioxidante. Para uma melhor e mais segura aplicação de seu uso, é essencial a exploração das características do composto, elucidando a importância desse estudo.

 


Keywords


Extrato natural. Extrato alcoólico. Nogueira. Juglans regia L. Folha de nogueira.

References


Taha, N. A.; Al-Wadaan, M. A. Utility and importance of walnut, Juglans regia Linn: A review. African Journal of Microbiology Research. 2011. Vol. 5(32), pp. 5796-5805.

Liu, M.C.; Yang, S.J.; Hong, D.; Yang, J.P.; Liu, M.; Lin, Y.; Huang, C. H.; Wang, C. J. A simple and convenient method for the preparation of antioxidant peptides from walnut (Juglans regia L.) protein hydrolysates. Chem Cent J. 2016; 10: 39

Delaviz, H.; Mohammadi, J.; Ghalamfarsa, G.; Mohammadi, B.; Farhadi, N. A review study on phytochemistry and pharmacology applications of Juglans regia plant Pharmacogn Rev. 2017; 11(22):145- 152.

Joana S. Amaral, Rosa M. Seabra, Paula B. Andrade, Patrıcia Valentão, Jose A. Pereira, Federico Ferreres. Phenolic profile in the quality control of walnut (Juglans regia L.) leaves. Elsevier - Food Chemistry 88 (2004) 373–379

Tülay Çoban, Gülçin Saltan Çitoǧlu, Betül Sever & Mümtaz İşcan (2003) Antioxidant activities of plants used in traditional medicine in Turkey, Pharmaceutical Biology, 41:8, 608-613.

Revista Food Ingredients Brasil, Extratos vegetais. [Internet] 2010 [acesso em 2019, 12 de junho]; Disponível em: http://www.revistafi.com/materiEXas/120.pdf

Plate Count Ágar. [Bula]. Rua Cassemiro de Abrel, 521- Vargem Grande 83.321-210 Pinhais/PR. Laboratorio de Análises Clínicas Laborclin LTDA; 2018.

(Sousa CP. Segurança alimentar e doenças veiculadas por alimentos: Utilização do grupo coliforme como um dos indicadores de qualidade de alimentos. Rev APS, 2006: 9(1):83-88 [internet]. [Acesso em 20 de Jul de 2019]. Disponível em: http://www.ufjf.br/nates/files/2009/12/Seguranca.pdf

Brasil. Ministério da Saúde/Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução da Diretoria da Colegiada (RDC) Nº 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e dá outras providências. [Online]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/res0010_09_03_2010.html

Marco JC, Paoli A, Andrade JC. A Determinação da Densidade de Sólidos e Líquidos. Chemkeys-liberdade para a prender 2004; 1-8.

Pilling S. Prática 11 – Refratometria. Determinação do índice de refração de líquidos. Universidade do Vale do Paraíba-SP 2017; 1-8 [internet]. [Acesso em maio de 2019]. Disponível em: https://www1.univap.br/spilling/FQE2/FQE2_EXP11_Refratometria.pdf.

Pletsch M. Compostos naturais biologicamente ativos. A aplicação da biotecnologia à produção de compostos naturais biologicamente ativos. Revista Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento, Brasília, n.4, p.12-15. 1998

Mohammadi J, Saadipour K, Delaviz H, Mohammadi A, Anti-diabetic effects of an alcoholic extract of Juglans regia in an animal model, Turkish Journal of Medical Sciences, 2011, 41. 685-691. 10.3906/sag-1004-802.

Mohammadi J, Mirzaei A, Azizi A, Rouzbehi A, Delaviz H. The effects of hydroalcoholic extract of Juglans regia leaf on histological changes of Langerhans islet in diabetic rats model. Iran S Med J. 2012;4:293–301

Mohammadi J, Saadipour K, Delaviz H, Mohammadi B. Anti-diabetic effects of an alcoholic extract of Juglans regia in an animal model. Turk J Med Sci. 2011;41:685–91.

Mohammadi J, Delaviz H, Malekzadeh JM, Roozbehi A. The effect of hydro alcoholic extract of Juglans regia leaves in streptozotocin-nicotinamide induced diabetic rats. Pak J Pharm Sci. 2012;25:407–11.

Shah TI, Akthar S, Ganesh N. Prelimnary phytochemical evaluation and anti- bacterial potential of different leaf extracts of J. regia: A ubiquitous dry fruit from Kashmir-India. Pharm Sci Rev Res. 2013;19:93–6.

Shah TI, Sharma E, Ahmad G. Juglans regia Linn: A phytopharmacological review. World J Pharm Sci. 2014;2:364–72.

Kaur K, Michael H, Arora S, Härkönen PL, Kumar S. Studies on correlation of antimutagenic and antiproliferative activities of Juglans regia L. J Environ Pathol Toxicol Oncol. 2003;22:59–67.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-515

Refbacks

  • There are currently no refbacks.