Mineração através do beneficiamento à seco em canaã dos Carajás-Pa: alternativa para a barragem de rejeitos / Mining through dry processing in canaã dos Carajás-Pa: alternative to the tailings dam

Juliana Cristina Silva do Nascimento, Jordana Do Socorro Silva do Nascimento, Priscila dos Santos Ribeiro, Fernando Bosco de Sousa Melo, Leoni Monteiro de Sousa, Paulo Sérgio Góes Reis, Luciano André Barbosa da Silva, Luana Valente Carvalho

Abstract


A atividade mineradora destaca-se como de suma importância para a economia e desenvolvimento do país, entretanto, junto com essas melhorias também estão os impactos ambientais e socais que podem surgir e, que se não forem bem administrados, podem resultar em desastres incalculáveis, principalmente se envolverem a morte de pessoas. Nessa perspectiva, este estudo é voltado para analisar uma alternativa para a barragem de rejeitos, estrutura que deve ser estudada e implantada com todo cuidado. A mineração à seco é uma das alternativas para essa problemática, porque se trata de um processo que diminui drasticamente o uso de água no beneficiamento do minério, dispensando a necessidade de existir barragem de rejeitos e, consequentemente, eliminando os desastres relacionados a elas. Tem-se, então, como objetivos, analisar os benefícios da mineração à seco, os possíveis entraves para a implantação desta, as melhorias socioambientais, vantagens e desvantagens desse processo de mineração. A metodologia utilizada foi a pesquisa exploratória em sites governamentais, da Vale S.A e periódicos relacionados ao tema. A Empresa Vale S.A foi escolhida nesta pesquisa pelo fato de desenvolver essa tecnologia em Minas Gerais e no Pará. No sudeste paraense, na cidade de Canaã dos Carajás, está localizado o maior complexo minerário da empresa, o Complexo S11D Eliezer Batista, empreendimento que utiliza o beneficiamento à seco juntamente com as minas de Carajás e Serra Leste. Ao final do estudo, foi notável o grande ganho socioambiental que pode ser proporcionado através do beneficiamento à umidade natural pois, a inexistência da barragem de rejeitos vai evitar que uma área maior ainda seja desmatada, diminui o consumo de água, de combustíveis fósseis, de energia elétrica. O beneficiamento é mais seguro e sustentável, emitindo, inclusive, menores quantidades de gases do efeito estufa e melhorias para a sociedade.

 

 


Keywords


Mineração na Amazônia; Umidade natural; Sustentabilidade; Diminuição de impactos.

References


BATISTA, A.; FRANCISCO, A. Organizational sustainability practices: A study of the firms listed by the Corporate Sustainability Index. Sustainability, v. 10, n. 1, p. 226, 2018.

BNDES, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Sustentabilidade Socioambiental da Mineração. BNDES Setorial 47, p. 333-390. 2018.

BOMFIM, M. R. Avaliação de impactos ambientais da atividade minerária._Cruz das Almas, BA: UFRB, 2017. 46p. 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de Outubro de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 01.11.2019.

CORDER, G.D.; MCLELLAN, B.C.; GREEN, S., 2010. Incorporating sustainable development principles into minerals processing design and operation: SUSOP_. Miner. Eng. 23,175–181, 2010.

COSTA, A. D. La Vale Dans Le Nouveau Contexte D’internationalization Des Entreprises Brésiliennes. Revista Entreprises et Histoire, Editions Eska, ISSN 1161-2770, n. 54, avril 2009, p. 86-106. Paris, 2009.

FARIAS, C. E. G. Mineração e Meio Ambiente No Brasil. Relatório Preparado para o CGEE. 2002.

FERNANDES, F. R. C., MATOS, G. M. M., CASTILHOS, Z. C., LUZ, A. B. Tendências Tecnológicas Brasil 2015. Geociências e Tecnologia Mineral, Edição: 1, Capítulo: Mineração e Meio Ambiente. Centro de Tecnologia Mineral - Cetem, pp.191-208. 2015.

G1. Mais cara, mineração a seco é alternativa a barragens, apontam especialistas; ENTENDA. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/noticia/2019/02/01/mais-cara-mineracao-a-seco-e-alternativa-a-barragens-apontam-especialistas-entenda.ghtml. Acesso em: 22.08.2020.

IBRAM, Instituto Brasileiro de Mineração. Gestão e Manejo de Rejeitos da Mineração/Instituto Brasileiro de Mineração. 1.ed. - Brasília: IBRAM, 2016. 128 p.

INSTITUTO EVANDRO CHAGAS. Avaliação Dos Impactos Referente Ao Transbordo De Efluentes De Lama-Vermelha Na Cidade De Barcarena, Estado Do Pará: Relatório Técnico Nº: 002/2018, Processo Nº: 010/2018. 2018. Disponível em: https://www.iec.gov.br/wp-content/uploads/2018/03/RELAT%C3%93RIO-T%C3%89CNICO-002-2018 Final-Tabela-4-Modificada_SS.pdf. Acesso em: 02.01.2020.

LIMA, D. P. Avaliação Da Contaminação Por Metais Pesados Na Água E Nos Peixes Da Bacia Do Rio Cassiporé, Estado Do Amapá, Amazônia, Brasil. 2013. 147 f. Dissertação (Mestrado em Biodiversidade Tropical) – Universidade Federal do Amapá. Macapá, 2013.

LINS, F. F. Concentração Gravimétrica Em Tratamento de Minérios. 2ª edição. CETEM/MCT. Rio de Janeiro, 1998.

LOPES, R. R.; SANTOS, M. M.; CRUZ, T. M. Mineração e conflitos pela posse da terra em Canaã dos Carajás: O caso do acampamento Planalto Serra Dourada. Revista de Extensão e Estudos Rurais. ISNN 2359-5116, vol. 7, n. 2. Jul.-Dez. 2018.

MMA, Ministério do Meio Ambiente. Texto Básico Sobre Impactos Ambientais No Setor De Extração Mineral. Programa De Proteção e Melhoria Da Qualidade Ambiental. Brasília, 2001.

RIBEIRO, J. C. J.; SILVA, L. C. N. A Mineração No Estado Do Pará e As Barragens De Rejeito: O Paradigma Entre a Exploração e Os Impactos Negativos Decorrentes. Anais do "V Congresso Internacional de Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Pan-Amazônia - Integrar e Proteger" e do "I Congresso da Rede Pan-Amazônia". Belo Horizonte: Editora Dom Helder, 2018.

SILVA, M. L; ANDRADE, M. C. K. Os impactos ambientais da atividade mineradora. Caderno Meio Ambiente e Sustentabilidade. Caderno Meio Ambiente e Sustentabilidade, v. 11, n. 06, p. 67-82. Dezembro, 2017.

Sindicato das Indústrias Minerais do Estado do Pará. Mineração no Pará, Brasil e no Mundo. Disponível em: http://simineral.org.br/mineracao/mineracao-para. Acesso em: 10.11.2019.

VALE. Complexo S11D Eliezer Batista. Disponível em: http://www.vale.com/brasil/PT/initiatives/innovation/s11d/Paginas/default.aspx. Acesso em: 25.12.2019.

IBRAM. Instituto Brasileiro de Mineração. Eleições 2018: Políticas Públicas para a Indústria Mineral. Brasília, 2018.

MMA – Ministério do Meio Ambiente. Segurança de Barragens. Disponível em: https://www.mma.gov.br/informma/item/10589.html. Acesso em: 01.08.2020.

MORAIS, G. M.; MARTINS, H. C.; SANTOS, V. F. Relatórios De Sustentabilidade De Empresas Mineradoras No Brasil: Uma Análise Do Seu Alinhamento Com A Agenda De Sustentabilidade Global E Especificidades Locais. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 6, p. 39032-39059 jun 2020.

VIEIRA, E. A. A (in)sustentabilidade da indústria da mineração no Brasil. Estação Científica (UNIFAP), v. 1, n. 2, p. 1-15, 2011.

SEABRA, D. C. M. et al. Educação e Gestão Ambiental no Desenvolvimento Sustentável na Mineração de Ferro: Aproveitamento de Rejeitos para Obtenção de Materiais Cerâmicos. BrazilianJournal of Development, Curitiba, v. 5, n. 11, p. 26323-26331, nov. 2019.

WEIR ESCO. Mineração a seco: descubra como funciona. Disponível em: https://www.esco-trucks.weir/mineracao-a-seco. Acesso em: 02.05.2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-485

Refbacks

  • There are currently no refbacks.