Assistência de enfermagem ao paciente fibrocístico no contexto familiar e hospitalar: revisão da literatura / Nursing assistance to the fibrocystic patient in the family and hospital context: literature revision

Katriel de Lima Oliveira, Beatriz Pereira, Anna Rebeka Oliveira Ferreira, Wanderson Rocha Oliveira, Camila Wohlenberg Camparoto, Mariana da Silva Castro, Waylla Albuquerque de Jesus, Reginéa de Souza Machado

Abstract


Objetiva-se identificar na literatura a atuação do enfermeiro na assistência ao portador da fibrose cística. Trata-se de uma revisão da literatura. Foram incluídos artigos científicos em português relacionados à temática, publicados no período de 2010 a 2018, encontrados nas bases Biblioteca Eletrônica Científica Online (SCIELO), Biblioteca Nacional de Medicina (PUBMED), Biblioteca Virtual de Saúde (BVS) e Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), utilizando como descritores: assistência de enfermagem, fibrose cística e família. Verificou-se nos pacientes uma baixa adesão ao tratamento e compete ao enfermeiro desenvolver estratégias que proporcionem não apenas o consentimento à terapêutica, mas também uma melhor aceitação da doença, bem como o controle eficaz dos sintomas e a promoção da interação familiar no processo do cuidado. A principal estratégia a ser considerada no enfrentamento da doença é a possibilidade de uma vida normal, onde a enfermidade não seja o foco do viver. Faz-se necessário a prestação de um cuidado holístico, de forma que a assistência possa viabilizar o enfrentamento da doença, além de pôr em prática estratégias que beneficiem o processo de hospitalização, visando uma experiência menos dolorosa.


Keywords


Assistência de Enfermagem, Fibrose Cística, Família.

References


AFONSO SBC, MITRE RMA. Notícias difíceis: sentidos atribuídos por familiares de crianças com fibrose cística. Ciência & Saúde Coletiva, 2013; 18: 2605-2613. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000900015.

ARAÚJO AO, SILVA MEO, NETO, JLC. Implicações do exercício físico em crianças e adolescentes fibrocísticos: uma revisão sistemática. Revista Baiana de Saúde Pública, 2017; 40(1): 108-122. Disponível em: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2016.v40.n1.a1957.

ATHANAZIO RA, et al. Diretrizes brasileiras de diagnóstico e tratamento da fibrose cística. Jornal brasileiro de pneumologia. Brasília, 2017; 43(3): 219-245. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v43n3/pt_1806-3713-jbpneu-43-03-00219.pdf.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Triagem neonatal biológica: manual técnico / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada e Temática. – Brasília: Ministério da Saúde, 2016. Disponível em: https://cdpapaerio.com.br/downloads/triagem-neonatal-biologica-manual-tecnico.pdf.

BREDEMEIER J, CARVALHO CFF, GOME WB. A experiência de crescer com fibrose cística. Psico, 2011; 42(3): 319-327. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/8456.

COSTA, ASM et al. Vivências de familiares de crianças e adolescentes com fibrose cística. Journal of Human Growth and Development, 2010; 20(2): 217-227. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbcdh/v20n2/05.pdf.

Diário Oficial do Estado de São Paulo. PCDT – FIBROSE CÍSTICA INSERIDO NAS AÇÕES DA TERCEIRA FASE DO PROGRAMA NACIONAL DE TRIAGEM NEONATAL - PNTN Diário Oficial do Estado de São Paulo Nº 23, de 04 de fevereiro de 2010. Disponível em: http://fehosp.com.br/files/circulares/2d482ba94c2ffbd99706553aca8e49e8.pdf.

ERRANTE, PR; CINTRA, HC. ASPECTOS FISIOPATOLÓGICOS, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA FIBROSE CÍSTICA. UNILUS Ensino e Pesquisa, 2018; 14(37): 166-178. Disponível em: http://revista.unilus.edu.br/index.php/ruep/article/view/949/u2017v14 n37e949.

GRUPO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE FIBROSE CÍSTICA – GBEFC, 2017. Disponível em: http://portalgbefc.org.br/site/pagina.php?idpai=128&id=15.

LAURENT MCR, DURANT DM, ABARNO CP. Papel do enfermeiro na assistência a pacientes pediátricos e adolescentes com fibrose cística no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Revista HCPA. Porto Alegre, 2011; 31(2): 233-237. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/157776.

LAURENT MCR, RIBEIRO NRR, ISSI HB. Fibrose Cística e Terminalidade. Revista HCPA, 2011; 31(2): 243-247. Disponível em: https://hdl.handle.net/10183/157764.

LUZ GS, CARVALHO MDB, SILVA MRS. O significado de uma organização de apoio aos portadores e familiares de fibrose cística na perspectiva das famílias. Revista Texto & Contexto- Enfermagem, 2011; 20(1): 127-134. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-07072011000100015.

LUZ GS, et al. A intersubjetividade no contexto da família de pessoas com fibrose cística. Revista Brasileira de Enfermagem, 2012; 65(2): 251-256. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672012000200008.

MARIANO T, CONDE CR. Assistência do enfermeiro à criança com fibrose cística. Revista Uningá, 2018; 52(1): 144-150. Disponível em: http://revista.uninga.br/index.php/unin ga/article/view/1375/994.

MOURA, ACA; PINHEIRO, DN. Assistência de enfermagem no ambulatório ao paciente com fibrose cística. Rev. enferm. UFPE on-line, 2019; 13: 1-8. Disponível em: https://doi.org/10 .5205/1981-8963.2019.238157.

PEREIRA CF, RODRIGUES ESP, PINTO TP, CORTEZ EA. Acolhimento de enfermagem aos familiares e às crianças portadoras de fibrose cística. Revista de Pesquisa: Cuidado é fundamental, 2010; 2(3): 884-888. Disponível em: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2010.v0i0.%25p.

PEREIRA MLS, KIEH MF, SANSEVERINO MTV. A Genética na Fibrose Cística. Revista HCPA. Porto Alegre, 2011; 31(2): 161-167. Disponível em: https://www.lume.ufrgs. br/handle/10183/159505.

PIZZIGNACCO TP, MELLO DF, LIMA GR. A experiência da doença na fibrose cística: caminhos para o cuidado integral. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 2011; 45(3): 638-644. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0080-62342011000300013.

REIS AT, MENDES JM, OLIVEIRA RC, KOEPPE GBO. Vivências de mães que acompanham filhos com fibrose cística no hospital: subsídios para a enfermagem. Revista de Ciências Médicas, 2017; 25(2): 46-56. Disponível em: https://doi.org/10.24220/2318-0897v25n2a2642.

RIBEIRO MCMS, REISINHO O, GOMES BP. Intervenções de enfermagem no monitoramento de adolescentes com fibrose cística: uma revisão da literatura. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 2016; 24:1-8. Disponível em: https://www.redalyc.org/articul o.oa?id=281449727086.

RUBIN, BK. Cystic Fibrosis 2017—The Year in Review. Respiratory care, 2018; 63(2): 238-241. Disponível em: https://doi.org/10.4187/respcare.06052.

SOUSA, WEA et al. Estratégia de acompanhamento de crianças menores de dois anos na atenção primária à saúde. Brazilian Journal of Development, 2020; 6(9): 69443-69453. Disponível em: https://doi.org/10.34117/bjdv6n9-406.

TAVARES KO, CARVALHO MDB, PELOSSO SM. O que é ser mãe de uma criança com fibrose cística. Revista Gaúcha de Enfermagem, 2010; 31(4): 723-729. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rgenf/v31n4/a16v31n4.pdf.

VILLANUEVA, G et al. Diagnosis and management of cystic fibrosis: summary of NICE guidance. Bmj, 2017; 359: 4574. Disponível em: https://10.1136/bmj.j4574.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-467

Refbacks

  • There are currently no refbacks.