Qualidade ambiental urbana do Município de Tenente Ananias/RN/Urban environmental quality of the Municipality Tenente Ananias/RN

Tamires Elizabete Monte da Silva, Anne Katherine de Holanda Bezerra Rosado, Roseano Medeiros da Silva, Samylle Ruana Marinho de Medeiros, Welka Preston, Andréa Celina Ferreira Demartelaere

Abstract


Com a intensificação da urbanização, as cidades não foram crescendo com um planejamento adequado, o que ocasionou uma má qualidade destes espaços. Deste modo, estudos sobre a qualidade do ambiente urbano são fundamentais, já que este afeta diretamente a qualidade de vida das pessoas. Nesse sentido, essa pesquisa teve como objetivo realizar uma identificação das condições de qualidade ambiental urbana do município de Tenente Ananias/RN. O conceito de qualidade ambiental urbana (QAU) ainda é bastante subjetivo, o qual envolve a relação homem-natureza, dependendo da percepção que cada ser tem do meio onde se encontra, assim, é possível estudar a QAU por diferentes metodologias. Este trabalho possui caráter quali-quantitativo e no tocante a coleta de dados, utilizou como técnica a aplicação de questionários e uma entrevista com a representante da administração municipal. Foram aplicados 64 questionários, e seus resultados organizados em gráficos. Portanto, a partir da análise das respostas e observações em campo, concluímos que a cidade precisa melhorar sua qualidade ambiental, principalmente nos aspectos da arborização e implantação de áreas verdes e investimentos no saneamento básico, além de aproveitar o potencial das praças públicas afim de proporcionar um espaço de lazer saudável e democrático, principais aspectos passíveis de melhoria citados nos questionamentos, que influenciam diretamente na qualidade de vida dos cidadãos.


Keywords


Qualidade Ambiental Urbana, Planejamento Urbano, Qualidade de Vida.

References


Alvares, C. A. et al. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, [s.l.], 2013; 22(6): 711-728.

Ariza, C. G.; Santos, D. G. dos. Qualidade ambiental e planejamento urbano. Caminhos de Geografia, 2008; 9(26): 224-242.

Assis, S. S. de; Oliveira, H. C. M. de. Qualidade ambiental urbana: avaliação da área central da cidade de Ituiutaba (MG). GeoAtos: Revista Geografia em Atos, 2013; 2(13): 26-41.

Benini, S. M.; Rosin, J. Godoy, A. R. Qualidade ambiental urbana. Periódico Técnico e Científico Cidades Verdes, 2017; 5(11): 26-36.

Borja, P. C. Avaliação da qualidade ambiental urbana: uma contribuição metodológica. 1997. 239 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1997.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF, 05 out. 1988. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 10 Jun. 2019.

BRASIL. Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Brasília, DF, 11 jul. 2001. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10257.htm>. Acesso em: 10 Jun. 2019.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, DF, 02 set. 1981. Disponível em: . Acesso em: 10 Jun. 2019.

BRASIL. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Brasília, DF, 18 mar. 2005. Disponível em:< http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=459>. Acesso em: 10 Jun. 2019.

BRASIL. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 08 de março de 1990. Dispõe sobre critérios de padrões de emissão de ruídos decorrentes de quaisquer atividades industriais, comerciais, sociais ou recreativas, inclusive as de propaganda política. Brasília, DF, 02 abr. 1990. Disponível em: . Acesso em: 10 Jun. 2019.

BRASIL. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 396, de 03 de abril de 2008. Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas e dá outras providências. Brasília, DF, 07 abr. 2008. Disponível em:< http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=562>. Acesso em: 10 Jun. 2019.

BRASIL. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 420, de 28 de dezembro de 2009. Dispõe sobre critérios e valores orientadores de qualidade do solo quanto à presença de substâncias químicas e estabelece diretrizes para o gerenciamento ambiental de áreas contaminadas por essas substâncias em decorrência de atividades antrópicas. Brasília, DF, 30 dez. 2009. Disponível em:< http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=620>. Acesso em: 10 Jun. 2019.

BRASIL. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 491, de 19 de novembro de 2018. Dispõe sobre padrões de qualidade do ar. Brasília, DF, 21 nov.2018. Disponível em:< http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=740>. Acesso em: 10 Jun. 2019.

COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE - CAERN (Rio Grande do Norte). Abastecimento no RN. Natal: CAERN, 2018. 5 p. Disponível em: http://www.adcon.rn.gov.br/ACERVO/caern/DOC/DOC000000000176563.PDF. Acesso em: 21 Jun. 2019.

Cordeiro, R. de C. A. et al. Qualidade ambiental urbana de Salvador: uma avaliação por meio de pesquisa de opinião. Revista Veracidade, 2006; 3(5): 1-15.

Costa, R. G. da S. Valores, atitudes e simbolismos: estudo da percepção dos frequentadores do Parque Mariano Procópio. 2011. 109 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) Juiz de Fora, MG. 2011.

CPRM - Serviço Geológico do Brasil. Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea. Diagnóstico do município de Tenente Ananias, estado do Rio Grande do Norte/Organizado [por] João de Castro Mascarenhas, Breno Augusto Beltrão, Luiz Carlos de Souza Junior, Saulo de Tarso Monteiro Pires, Dunaldson Eliezer Guedes Alcoforado da Rocha, Valdecílio Galvão Duarte de Carvalho. Recife: CPRM/PRODEEM, 2005.

Creswell, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007. 248 p.

EMBRAPA. Levantamento exploratório-reconhecimento de solos do Estado do Rio Grande do Norte (MA/EMBRAPA/SUDENE,1971). Embrapa Solos, UEP Recife. Disponível em: . Acesso em: 21 Mai. 2019.

Estêvez, L. F.; Nucci, J. C. A questão ecológica urbana e a qualidade ambiental urbana. Revista Geografar (UFPR), 2015; 10(1): 26-49.

Gomes, M. A. S.; Soares, B. R. Reflexões sobre qualidade ambiental urbana. Estudos Geográficos, 2004; 2(2): 21-30.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em: 28 Abr. 2018.

IBGE. Indicadores de Desenvolvimento Sustentável - Brasil. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/geociencias/recursosnaturais/ids/default_2015.shtm. Acesso em: 14 ago. 2019.

IDEMA - Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte. Perfil do seu município/Tenente Ananias, Estado do Rio Grande do Norte. v. 10 p. 1-22, Natal/RN, 2008. Disponível em: . Acesso em: 19 Mai. 2019.

IPEA. Agenda 2030: ODS - Metas Nacionais dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Brasília: Ipea, 2018. 546 p.

Januzzi, P. de M. Indicadores sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações. 3. ed. Campinas/SP: Alínea, 2006. 144 p.

Jesus, S. C. de; Braga, R. Análise espacial das áreas verdes urbanas da Estância de Águas de São Pedro - SP. Caminhos de Geografia, 2005; 16(6): 207-224.

Lima, V. A sociedade e a natureza na paisagem urbana: análise de indicadores para avaliar a qualidade ambiental. 2013. 358 f. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências e Tecnologia, 2013.

Lima, V. Análise da qualidade ambiental urbana: o exemplo de Osvaldo Cruz/SP. Geografia em Questão, 2014; 07(02): 29-46.

Loboda, C. R.; De Angelis, Bruno, L. D. Áreas verdes públicas urbanas: conceitos, usos e funções. Ambiência: Revista do Centro de Ciências Agrárias e Ambientais, 2005; 1(1): 125-139.

Magalhães Júnior, A. P. Os indicadores ambientais como instrumentos de gestão da água. In: MAGALHÃES JÚNIOR, Antônio Pereira. Indicadores ambientais e recursos hídricos: realidade e perspectivas para o Brasil a partir da experiência Francesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010. Cap. 5. p. 171-225.

Maricato, E. O ministério das cidades e a política nacional de desenvolvimento urbano. In: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Políticas sociais: acompanhamento e análise. 12. ed. Brasília: Ipea, 2006. p. 211-220.

Minaki, C. O clima urbano como indicador de qualidade ambiental: estudo de caso da paisagem urbana de Araçatuba/SP. 2014. 266 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-Graduação em Geografia, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente-SP, 2014.

Minaki, C.; Amorim, M. C. de C. T. Análise da qualidade ambiental urbana. Mercator, 2012; 11(24): 229-251.

Miranda, N. M. de; Souza, L. B. Percepção ambiental em propriedades rurais: Palmas (TO), Brasil. Mercator, 2011; 10(23): 171-18.

MMA. Agenda Nacional de Qualidade Ambiental Urbana. Disponível em: . Acesso em: 14 Ago. 2019.

MMA. Painel Nacional de Indicadores Ambientais - PNIA. 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 Ago. 2019.

Nahas, M. I. P.; et al. Sistemas de indicadores municipais no Brasil: experiências e metodologias. In: XV ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 2006, Caxambú. Anais... Caxambú: Associação de Estudos Populacionais (ABEP), 2006.

Nucci, J. C. Qualidade ambiental e adensamento urbano: um estudo de ecologia e planejamento da paisagem aplicado ao distrito de Santa Cecília (MSP). 2. ed. Curitiba: O Autor, 2008. 150 p.

Ochoa, J. H.; Araújo, D. L.; Sattler. M. A. Análise do conforto ambiental em salas de aula: comparação entre dados técnicos e a percepção do usuário. Ambiente Construído, 2012; 12(1): 91-114.

OLIVEIRA, Nathan Belcavello de. Urbanização Brasileira e Saúde Ambiental. In: Iª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL, 2009, Brasília. Caderno de Texto. Brasília: ABRASCO, 2009. p. 39 - 44.

ONU – Nações Unidas Brasil. Conheça os novos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. 2017.

ORGANIZAÇÃO DE COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICOS - OCDE. Rumo a um desenvolvimento sustentável: indicadores ambientais. Salvador: Centro de Recursos Ambientais, 2002. 244 p. (Cadernos de referência ambiental, v. 9). Tradução de: Ana Maria S. F. Teles.

Orsi, R. F. M.et al. Percepção ambiental: uma experiência de ressignificação dos sentidos. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 2015; 32(1): 20-38.

Pinto, F. W.C. Os impactos ambientais decorrentes do processo de urbanização e industrialização: o caso do Rio Pajeú – Serra Talhada-PE. In: Anais do 48º Congresso da Sociedade Brasileira de Economia Administração e Sociologia Rural: Tecnologias, Desenvolvimento e Integração Social, Campo Grande-MS, 2010.

REDE NOSSA SÃO PAULO; REDE SOCIAL BRASILEIRA POR CIDADES JUSTAS E SUSTENTÁVEIS E INSTITUTO ETHOS. Programa Cidades Sustentáveis. Disponível em:< https://www.cidadessustentaveis.org.br/>. Acesso em: 14 Ago. 2019.

Ribeiro, J. W.; Rooke, J. M. S. Saneamento básico e sua relação com o meio ambiente e a saúde pública. 2010. 36 f. Monografia (Especialização) - Curso de Curso de Especialização em Análise Ambiental, Faculdade de Engenharia da Ufjf, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2010.

Roggero, M. A.; Luchiari, A. Qualidade ambiental urbana X Qualidade de vida urbana. São Paulo: Conference Paper, 2012.

Rufino, R. C. Avaliação da qualidade ambiental do município de Tubarão (SC) através do uso de indicadores ambientais. 2002. 123 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, 2002.

Santiago, T. O. M. et al. A eficácia do estabelecimento de padrões de qualidade ambiental. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 2017; 5(2): 85-111.

Santos, F. P.; Souza, L. B. Percepção da qualidade ambiental urbana no Bairro Santa Cruz em Luís Eduardo Magalhães (BA). Ateliê Geográfico, [s.l.], 2014; 8(2): 168-197.

Santos, S. K. Condições de Ambiência Urbana: Relação com a Qualidade de Vida e a Sustentabilidade. 2016. 130 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado Interdisciplinar em Educação, Ambiente e Sociedade Stricto Sensu, Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino – UNIFAE, Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino - FAE, São João da Boa Vista, 2016.

Schmidt, E.; Nucci, J. C. Avaliação da qualidade ambiental urbana do Bairro de Santa Felicidade, Curitiba/PR. Geografia: Ensino & Pesquisa, 2010; 14(2): 51-61.

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS DO RIO GRANDE DO NORTE - SEMARH. Situação Volumétrica de Reservatórios do RN. 2019. Disponível em: . Acesso em: 20 Set. 2019.

SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL - SNSA; MINISTÉRIO DAS CIDADES. Panorama dos planos municipais de saneamento básico no Brasil. 2017. Disponível em: . Acesso em: 08 Ago. 2019.

Shams, J. C. A.; Giacomeli, D. C.; Sucomine, N. M. EMPREGO DA ARBORIZAÇÃO NA MELHORIA DO CONFORTO TÉRMICO NOS ESPAÇOS LIVRES PÚBLICOS. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, [s.l.], 2009; 4(4): 01-16.

Silva, I. M. da; Gonzalez, L. R.; Silva Filho, Demóstenes F. da. Recursos naturais de conforto térmico: um enfoque urbano. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, [s.l.], 2011; 6(4): 35-50.

Silva, L. H. G. da; Pimentel, R. M. de M. Estrutura morfológica foliar da arborização urbana na manutenção do conforto térmico. Journal of environmental analysis and progress, [s.l.], 2019; 4(1): 104-109.

Siqueira, M. da P. S. Urbanização desigual e desigualdade nacional: um descaminho no processo do desenvolvimento brasileiro. Dimensões, 2010; 25(1): 215-234.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO – SNIS. Ministério do Desenvolvimento Regional publica diagnósticos da situação do saneamento no Brasil. 2019. Disponível em: . Acesso em: 08 Ago. 2019.

Souza, A. A. de; Barros, F. B. O significado do lugar e a visibilidade dos dilemas socioambientais vivenciados pelos moradores do bairro jardim oliveira, Cáceres, Mato Grosso. Interespaço: Revista de Geografia e Interdisciplinaridade, 2019; 4(15): 303-323.

Souza, M. C. da C. Diagnóstico da qualidade ambiental nas áreas verdes públicas em Presidente Prudente (SP). 2016. 186 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, 2016.

SUFIA, M. C. S.; Souza, G. dos S.; Siqueira, M. V. B. M. Percepção ambiental sobre arborização urbana em regiões distintas do município de Bauru-SP. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 2019; 13(4): 15-28.

TENENTE ANANIAS (Município). Lei Orgânica do Município de Tenente Ananias, de 1990. Tenente Ananias, RN, 1990.

Tuan, Y. F. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Tradução de Lívia de Oliveira. São Paulo: DIFEL, 2012. Disponível em: . Acesso em: 24 Jun. 2019.

Vargas, H. C.; Ribeiro, H. (Org.). Novos instrumentos de gestão ambiental urbana. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004. Disponível em:< https://books.google.com.br/books?hl=ptBR&lr=lang_pt&id=iWhHcLwXZ2YC&oi=fnd&pg=PA9&dq=qualidade+ambiental+urbana&ots=vWckZk0Qr&sig=cgatCII_NF9UJ5rGiOnidUmk13Y#v=onepage&q=qualidadeambientalurban&f=false>. Acesso em: 30 Abr. 2018.

Vasques, E. R. Qualidade ambiental urbana do Distrito da Liberdade, município de São Paulo (SP). 2017. 166 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Geografia Física, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-442

Refbacks

  • There are currently no refbacks.