A teleconsultoria como ferramenta de qualificação da atenção primária à saúde: Um relato de experiência do núcleo de telessaúde de santa catarina / The teleconsulting as a tool of qualification of primary health care: An experience relate of telehealth center of santa catarina

Marcos Aurélio Maeyama, Catarina Cé Bella Cruz, Nayara Andressa Tomelin, Luana Gabriele Nilson, Maria Cristina Marino Calvo

Abstract


O Programa Nacional de Telessaúde, lançado em 2007 pelo Ministério da Saúde, posteriormente denominado Programa Telessaúde Brasil Redes é desenvolvido por diversos Núcleos de Telessaúde, espalhados pelos estados brasileiros e tem por objetivo apoiar a qualificação das equipes de Atenção Primária à Saúde (APS) por meio das tecnologias de informação e comunicação. O Núcleo de Telessaúde de Santa Catarina (NTSC) é um dos nove núcleos que iniciaram o projeto e ao longo destes anos foi um dos que se destacaram na oferta de teleconsultorias, um dos pilares do programa. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho foi relatar a experiência de oferta de teleconsultorias, destacando seus principais processos e resultados. Um dos seus principais destaques foi a oferta na modalidade compulsória de teleconsultorias articuladas as centrais de regulação, com aumento expressivo de solicitações, e desfechos que impactaram na qualificação da APS, com diminuição de encaminhamentos e qualificação do acesso para atenção especializada. A análise dos desfechos também demonstrou diferenças significativas inter e intra especialidades, comparando as diversas centrais de regulação que participam da oferta em parceria com o NTSC, apontando para a necessidade da construção de protocolos de acesso, para clareza do fluxo de regulação e encaminhamento. Desta forma, a teleconsultoria, no âmbito do NTSC, tem se mostrado como importante ferramenta na qualificação dos profissionais da APS, com impacto significativo na redução das filas de espera em diversas especialidades, cumprindo assim os objetivos do programa no fortalecimento da APS e do Sistema Único de Saúde.


Keywords


Teleconsultoria, Telessaúde, Tecnologia em Saúde, Sistema Único de Saúde.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de Telessaúde para Atenção Básica/Atenção Primária à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 35, de 4 de janeiro de 2007. Institui, no âmbito do Ministério da Saúde, o Programa Nacional de Telessaúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.546, de 27 de outubro de 2011: Redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde Brasil Redes). Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de Telessaúde para a Atenção Básica/Atenção Primária à Saúde: Protocolo de Telerregulação de Teleconsultorias. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde. Custeio dos Núcleos de Telessaúde: manual instrutivo [recurso eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde, 2015a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional do Programa Telessaúde Brasil Redes. Nota Técnica nº 5/2015 – DEGES/SGTES/MS. Diretrizes para oferta de atividades do Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes. Brasília: Ministério da Saúde, 2015b.

CORTESE, M.; NILSON, L.G.; MAEYAMA, M. A.; LEOPOLDO, K. C. G.; SILVA, T. E.; CALVO, M. C. M. Avanço da Teleconsultoria no Estado de Santa Catarina: uma parceria da Regulação do Estado com o Núcleo Telessaúde. Revista Catarinense de Saúde da Família, v. 14, n. 7, p. 6-10, 2017.

GÉRVAS, J.; FERNÁNDEZ, M. P. Como construir uma atenção primária forte no Brasil: É possível transformar o círculo vicioso de má qualidade em um círculo virtuoso de boa qualidade, no trabalho clínico e comunitário na atenção primária no Brasil. Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Rio de Janeiro, 2011.

KATZ, N.; ROMAN, R.; RADOS, D. V.; OLIVEIRA, E. B.; SCHMITZ, C. A. A.; GONÇALVES, M. R.; MENGUE, S. S.; UMPIERRE, R. N. Acesso e regulação ao cuidado especializado no Rio Grande do Sul: a estratégia RegulaSUS do TelessaúdeRS-UFRGS. Ciência & Saúde Coletiva, v. 25, n. 4, p. 1389-1399, 2020.

MAEYAMA, M. A. CALVO, M. C. M. A Integração do Telessaúde nas Centrais de Regulação: a teleconsultoria como mediadora entre a atenção básica e a atenção especializada. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 42, n. 2, p. 63-72, 2018.

MAEYAMA, M. A.; BIAGIO, A. B. A.; PATIÑO, M. C. A.; PUPIM, B.; FOSSARI, M. A. S.; NILSON, L. G.; CALVO, M. C. M.; OLIVEIRA, M. B. Avaliação das Teleconsultorias em Ortopedia Solicitadas no Município de Joinville, SC. Jornal Brasileiro de Telessaúde, v. 5 n. 2, p. 307-319, 2018.

MAEYAMA, M. A.; GIARETTA, A. L. S.; PUPIM, B.; MACHADO, D. C.; LUNARDELLI, G. K.; NILSON, L. G.; CALVO, M. C. M.; OLIVEIRA, M. B. B.; DAMAS, T. B. Integração do Telessaúde no Fluxo entre Atenção Básica e Atenção Especializada no Município de Joinville – SC. Revista Catarinense de Saúde da Família, p. 107-114, 2016.

MAEYAMA, M. A.; NILSON, L. G.; DOLNY, L. L.; CALVO, M. C. M. Parcerias interinstitucionais: institucionalização e sustentabilidade do serviço de teleconsultoria no âmbito do Núcleo Telessaúde Santa Catarina. Anais do 9º Congresso Brasileiro de Telemedicina e Telessaúde - 9º CBTms. São Paulo, 2019.

MARCOLINO, M. S.; ALKMIM, M. B.; ASSIS, T. G. P.; SOUSA, L. A. P.; RIBEIRO, A. L. P. Teleconsultorias no apoio à atenção primária à saúde em municípios remotos no estado de Minas Gerais, Brasil. Rev Panam Salud Publica, v. 35, n. 5/6, p. 345-352, 2014.

NILSON, L. G.; CALVO, M. C. M.; DOLNY, L. L.; NATAL, S.; MAEYAMA, M. A.; LACERDA, J. T. Avaliação da utilização de telessaúde para apoio assistencial na atenção primária à saúde. Brazilian Journal Of Health Review, v. 2, n. 6, p. 6188-6206, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-435

Refbacks

  • There are currently no refbacks.