Perfil sociodemográfico-clínico e de lesões cutâneas de internados no programa melhor em casa / Sociodemographic-clinical profile and cutaneous injuries of internally in the best at home program

Franlayde de Moura Evangelista Almondes, Juliana Graciela Vestena Zillmer, Adrize Rutz Porto, Eduarda Rosado Soares, Daniela Marques Herzer, Bárbara Resende Ramos

Abstract


Objetivo: identificar perfil sociodemográfico-clínico e de lesões cutâneas de internados em 2016 em um Programa Melhor em Casa em um município no sul do Brasil. Método: pesquisa observacional, descritiva, realizada em 2017 em prontuários de um serviço público. Os dados foram tratados por análise descritiva. Resultados: dos 286 usuários admitidos em 2016, 142 (58%) tinham lesões cutâneas. Destes, houve predominância de 49 (35,2%) idosos, 88 (64,2%) mulheres, 45 (50%) com renda familiar de menos de dois salários mínimos e 75 (59,5%) eram acamados. Conclusão: identificou-se mais da metade dos internados de 2016 com lesões cutâneas, predominando perfil de idosas, casadas, aposentadas, com moradia própria, com ensino fundamental incompleto e acamadas. A origem do encaminhamento foi majoritariamente da atenção básica, de pessoas com predomínio de doenças do sistema nervoso, lesão por pressão e neoplasmas. Ácidos Graxos Essenciais foi a cobertura mais utilizada.


Keywords


Ferimentos e lesões, Perfil de saúde, Epidemiologia, Serviços de assistência domiciliar.

References


Rocha ACAA, Carneiro FAS, Souza MSS. Tratamento domiciliar de feridas crônicas: relato de experiência da extensão na prática do cuidar.

Rev. Ciênc. Estud. Acad. Med.[Internet]. 2014 [citado em 21 jan 2020]; 2:20-30. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/revistamedicina/article/view/354/338

Gritti CC, Bene AZ, Pinheiro DM, Bianchin MA, Lamari NM. Doenças crônicas não transmissíveis e antecedentes pessoais em reinternados e contribuição da terapia ocupacional. Cad. saúde colet. [Internet]. 2015 [citado em 21 jan 2020]; 23(2): 214-219. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cadsc/v23n2/1414-462X-cadsc-23-2-214.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Manual de condutas para úlceras neutróficas e traumáticas. Brasília; 2002.

Domanski RC, Borges EL. Manual de Prevenção de lesões da pele: recomendações baseadas em evidências. 2ª ed. Rio de Janeiro: Rubio; 2014.

Weikamp JM, Siqueira HCH, Cecagno, D, Medeiros AC, Paula SF, Pedroso VSM. Serviço de Atenção Domiciliar e as Redes de Atenção à Saúde. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online). [Internet]. 2019 [citado em 22 dez 2019] 11 (5), 1117 – 21. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/6644/pdf_1.

Lacerda MR, Giacomozzi CM, Oliniski SR, Truppel TC. Atenção à saúde no domicílio: modalidades que fundamentam sua prática. Saúde e soc. [Internet]. 2006 [citado em 15 jul 2019]; 15 (2): 88-95. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902006000200009&lng=en

Ministério da Saúde (BR). Sala de Apoio à Gestão Estratégica. Melhor em Casa Brasília. [internet]. 2016 [citado em 10 out 2018] Disponível em: http://sage.saude.gov.br/#

Sousa GO, Silva MR, Araújo MCFF, Barbosa DA, Silva TCGP. Perfil de pessoas com feridas crônicas de uma operadora de saúde suplementar. Rev. enferm. UFPE on line [Internet]. 2018 [citado em 17 dez 2018] 12(7): 1859-69. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/231345

Shimocomaqui GB. Caracterização dos indivíduos assistidos pela equipe multiprofissional de atenção domiciliar (EMAD) do município de Ribeirão Preto-SP [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Universidade de São Paulo; 2014.

Ministério da Saúde (BR). Portaria MS/GM nº 2.527, de 27 de outubro de 2011: Redefine a atenção domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília; 2011.

Vieira CPB, Araujo TME. Prevalência e fatores associados a feridas crônicas em idosos na atenção básica. Rev. esc. enferm. USP [Internet]. 2018 [citado em 10 jan 2019]; 52 (e03415):1-8. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342018000100491&lng=pt&nrm=iso

Machado DO. Cicatrização de úlceras por pressão em pacientes na atenção domiciliar [dissertação]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2016.

Barros MPL, Ferreira PJO, Maniva SJCF, Holanda RE. Caracterização de feridas crônicas de um grupo de pacientes acompanhados no domicílio. Revista Interdisciplinar [Internet]. 2016 [citado em 10 jan 2018]; 9 (3): 1-11. Disponível em: https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/926

Gonçalves R Q. Prevalência de feridas em pacientes atendidos em uma rede primária de saúde [dissertação].Campo Grande (MS): Universidade Federal de Mato Grosso do Sul; 2015.

Lima NBA de, Agra G, Sousa ATO, Gouveia BLA. Perfil Sociodemográfico, Clínico e Terapêutico de Pacientes com Feridas Agudas e Crônicas. Rev. enferm. UFPE on line. [Internet]. 2016 [citado em 10 jan 2019]; 10(6): 2005-17. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/110207/22109

Sachett JAG, Montenegro CS. Perfil epidemiológico dos pacientes com feridas crônicas atendidos pelo “Programa Melhor em Casa”. Estima (Online). [Internet]. 2019 [citado em 27 dez 2019]; 17 (e2019):1-9. Disponível em: https://doi.org/10.30886/estima.v17.737_PT

Caetano VRG. Perfil dos pacientes atendidos no Programa de Assistência Domiciliar de enfermagem por uma operadora de saúde de Viçosa/MG, no período de janeiro de 2013 a agosto de 2014. Revista Brasileira de Atenção Domiciliar [Internet]. 2015 [citado em 21 jan 2020]; 1(1):47. Disponível em: https://ciad.com.br/revista_2015.pdf

Brondani CM, Ramos LH, Beuter M, Lampert MA, Seiffert MA, Bruinsma JL. Caracterização de pacientes dependentes de tecnologias de um serviço de internação domiciliar. Rev. Enferm. UFSM. [Internet]. 2013 [citado em 21 jan 2020]; 3 (Esp.): 689-99. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/11063/pdf

Morais G F DA C, Oliveira S H DOS S, Soares M J G O. Avaliação de feridas pelos enfermeiros de instituições hospitalares da rede pública. Texto & contexto enferm. [Internet]. 2008 [citado em 20 jan 2019]; 17 (1):98-105. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072008000100011&lng=en

da Rosa Silva CF, Santana RF, de Oliveira BG, do Carmo TG. High prevalence of skin and wound care of hospitalized elderly in Brazil: a prospective observational study. BMC res. notes. [Internet]. 2017 [cited 10 Jan 2018]; 10 (81):1-6. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28153055.

Lanau Roig A, Fabrellas N, Sáez RG, Wilson K. Tiempo de cicatrización de las heridas crónicas, a propósito de un estudio de prevalencia e incidencia. Enferm. glob. [Internet]. 2017 [citado em 10 jan 2019]; 16 (46): 445-463. Disponível em: http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1695-61412017000200445&lng=es.

Silva SV, Bordin D, Grden CRB, Lima ML, Arcaro G, Cabral LPA. Avaliação das notificações de lesões de pele de um hospital de ensino. Braz. J. of Develop. [Internet]. 2020 [citado em 07 out 2020];6(2):6876-89. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/download/6813/6002




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-434

Refbacks

  • There are currently no refbacks.