Investigação fitoquímica de Erythroxylum rimosum O. E. Schulz / Phytochemical investigation of Erythroxylum rimosum O. E. Schulz

Jociano da Silva Lins, Nikole Durand Trigueiro, Ana Rita Rodrigues de Almeida Silva, Pedro Thiago Ramalho de Figueiredo, Carlos Arthur Gouveia Veloso, Emille Wannick Reinaldo da Silva, Maria de Lourdes Veloso Gouveia Dantas, Ana Paula do Nascimento Prata, Josean Fechine Tavares, Marcelo Sobral da Silva, Vicente Carlos de Oliveira Costa

Abstract


Erythroxylum rimosum O. E. Schulz é uma espécie restrita à região Nordeste do Brasil, encontrada nos estados do Ceará, Piauí, Sergipe e Bahia, ocorrendo respectivamente em vegetação de Restinga, Cerrado e Carrasco. O estudo do extrato de E. rimosum, reportou a identificação de triterpenos pentacíclicos, esteróide, alcaloide tropânico e flavonoides. Sendo assim, foi realizado um estudo cromatográfico de seu extrato etanolico bruto. O material botânico das partes aéreas foi coletado no município de Pirambu, estado de Sergipe e identificado pela Profa. Dra. Ana Paula do Nascimento Prata, do Departamento de Biologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Em seguida, foi seco em estufa com ar circulante à temperatura média de 40 °C, triturado em moinho mecânico e submetido à maceração com EtOH a 95%. O EEB (105 g) foi dissolvido em uma solução de metanol:água (7:3 v/v) e submetido a um processo de partição com os seguintes solventes: hexano, diclorometano e acetato de etila. A fase AcOEt foi submetida à cromatografia em coluna, utilizando sílica gel 60 como fase estacionária e como fase móvel, os solventes Hex, AcOEt e MeOH, puros e em misturas binárias em ordem crescente de polaridade. Obtendo-se 30 frações que após análise por cromatografia em camada delgada analítica (CCDA) foram reunidas de acordo com os seus respectivos fatores de retenção (Rfs). A reunião das frações de 23 a 25 foi submetida á Cromatografia Líquida de Alta Eficiência Acoplado a um Detector de Arranjo de Diodo (CLAE-DAD). Obtendo-se 8 frações. Das frações 4 e 2 obteve-se as substâncias codificadas de Er-1 e Er-2 respectivamente. Estás tiveram suas estruturas identificadas através de Ressonância Magnética Nuclear (RMN) 1H, 13C, técnicas bidimensionais e em comparação com dados da literatura, sendo denominadas: Camferol-3-rutinosídeo e Quercetina-3-O-β-D-glicopiranosideo-α-L-raminosideo, dois flavonoides glicosilados que estão sendo relatados pela primeira vez na espécie em estudo.

Keywords


Erythroxylaceae, E. rimosum, Camferol-3-rutinosídeo.

References


AGEITEC – Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Bioma caatinga: medicinais. Disponível em: [Link] Acesso em: 11 Jul. 2016.

BOHM, B.A.; GANDERS, F.R. & PLOWMAN, T. Biosystematics and evolution of cultivated coca (Erythroxylaceae). Systematic Botany 7: 121-133. 1982.

CRAGG, G. M. NEWMANN. D. J. Natural Products As Sources of New Drugs over the 30 Years from 1981 to 2010. Journal of Natural Products, v. 75, p. 311-335, 2012.

GARCIA, A. A.; CARRIL, E. P. Metabolismo secundário de plantas. Reduca, Madrid, v. 2, n. 3, p. 119-145, 2009.

GRIFFIN, W.J. & LIN, G.D. Chemotaxonomy and geographical distribution of tropane alkaloids. Phytochemistry 53: 623-637. 2000.

DALY, D. Erythroxylaceae. In: N. Smith, S. A. Mori, A. Henderson et al. (Eds.). Flowering Plants of Neotropics. The New York Botanical Gardem. Princeton University Press. USA p. 143-145, 2004.

LOIOLA, M. I. B; AGRA, M. F.; BARACHO, G. S.; QUIROS, R. T. da flora Paraibana Brasil: Erythroxylaceae. Acta Botanica Brasilica, v. 21, p. 473-4887, 2007.

LOIOLA, M.I.B. Erythroxylaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010.

OLIVEIRA, D. M. S.; LUCENA, E. M. P. O uso de plantas medicinais por moradores de Quixadá–Ceará. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.17, n.3, p.407-412, Botucatu, 2015.

PLOWMAN, T. C. Erythroxylaceae Kunth. In: W. D. Stevens, C. Ulloa, A. Pool & O. M. Montiel (Eds.). Flora da Nicaragua. Monographs Sysyematic Botany Missouri Botanical Gardem, v. 85, p. 834-838, 2001.

PLOWMAN, T. C. & BERRY, P. E. Erythroxylaceae. In: J. Steyermark, PÁG. Berry, B. Holst & K. Yatskievych (Eds.). Flora of the Venezuelan Guayana. Missouri Botanical Garden Press, St. Louis. v. 5 p. 59-71. 1999.

PLOWMAN, T. C. & HENSOLD, N. Names, types and distribuition of neotropical species of Erythroxylum (Erythroxylaceae). Brittonia v. 56, n.1, p. 1-53, 2004.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Biodiversidade. Disponível em: http://www.mma.gov.br.

NETO, F. R. G.; ALMEIDA, G. S. S. A.; JESUS, N. G.; FONSECA, M. R. Estudo etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pela Comunidade do Sisal no município de Catu, Bahia, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.16, n.4, p.856-865, Botucatu, 2014. ISSN 1516-0572.

RAHMAN, A.; CHOUDHARY, M.I.; THOMSON, W. J. Bioassay techniques for drug development. Harwood academic publishers, 2005.

RIBEIRO, E. M. O. Estudo fitoquímico de Erythroxylum rimosum O. E. Schulz e Erythroxylum betulaceu mmart. (Erythroxylaceae). Tese (Doutorado em Química) – Instituto de Química, Universidade Federal da Bahia, Salvador-BA, 2011.

RIBEIRO, E. M. O. et al. Um novo alcaloide tropano e outros constituintes de Erythroxylum rimosum (Erythroxylaceae). Phytochemistry Letters. Vol.6, p. 232-235. 2013.

SOUSA, E. A. et al. A New Flavonoid Derivative from Leaves of Oxandra sessiliflora R. E. Fries. J. Braz. Chem. Soc., vol. 25, No. 4, 704-708, 2014.

ZUANAZZI, J.A.S.; TREMEA, V.; LIMBERGER, R.P; SOBRAL, M. &HENRIQUES, A.T. 2001.BiochemicalSystematicsandEcology 29: 819-825.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-405

Refbacks

  • There are currently no refbacks.