Saneamento ambiental e resíduos sólidos em unidade de conservação / Environmental sanitation and solid waste in a conservation unit

Leonice Seolin Dias, Antonio Cezar Leal, Maurício Dias Marques

Abstract


Este artigo tem por objetivo contribuir para a reflexão sobre a problemática do saneamento ambiental, com foco nos resíduos sólidos em unidades de conservação, a partir de pesquisa sobre o Parque Estadual Morro do Diabo (PEMD), localizado no município de Teodoro Sampaio, São Paulo, realizada em 2012 e 2013, com informações atualizadas em 2020. Os resíduos sólidos favorecem a proliferação de insetos, principalmente as moscas sinantrópicas, vetores mecânicos de vírus, bactérias, entre outros, indicando falta de salubridade ambiental, com reflexo na saúde da comunidade. Dentre as 50 espécies de moscas associadas a condições insalubres e envolvidas na disseminação de bioagentes patógenos, estão as das famílias Calliphoridae e Muscidae, que foram capturadas no PEMD. Isso demonstrava que no PEMD e seu entorno existiam condições que permitiam a presença das moscas, as quais são consideradas importante indicador da saúde ambiental. Para solução dos problemas gerados necessita-se mudar comportamentos, desenvolvendo-se ações permanentes de educação ambiental para visitantes e populações do entorno do parque.

 


Keywords


Saneamento ambiental. Resíduos sólidos. Moscas. Unidade de Conservação.

References


AB’SABER, A. N. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê, 2003.

AMORIM, D. S. Neotropical Diptera diversity: richness, pattems, and perspectives. In: PAPE, T.; BICKEL, D.; MEIER R. Diptera diversity: status, challenges and tools. Leiden: Koninklijke Brill, 2009. p. 71-97. 459 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS. Panorama dos resíduos sólidos no Brasil 2015. São Paulo: ABRELPE, 2015. 91 p. Disponível em: http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2015.pdf. Acesso em: 17 ago. 2020.

BEDUSCHI FILHO, L. C. Sociedade, natureza e reforma agrária: assentamentos rurais e unidades de conservação na região do Pontal do Paranapanema. 2002. 97 fls. Dissertação (mestrado) – Ciência Ambiental, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2002.

BORROR, D. J.; DELONG, D. N. Introdução ao estudo dos insetos. São Paulo: Edgard Blucher, 1988. 653 p.

BRASIL. Decreto 4.340, de 22 de agosto de 2002. Regulamenta artigos da Lei 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4340.htm. Acesso em: 24 set. 2018.

______. Fundação Nacional de Saúde. Manual de saneamento. 3. ed. rev. Brasília: FUNASA, 2004. 408 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/funasa/capitulo_1.pdf. Acesso em: 5 nov. 2018.

______. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio. Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional. In: MEDEIROS, R.; YOUNG; C. E. F.; PAVESE, H. B. et al. Sumário executivo. Brasília: UNEP-WCMC, 2011. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/estudocontribuicao.pdf. Acesso em: 2 nov. 2018.

______. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. ICMBio divulga dados de visitação em UCs. 2017. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/ultimas-noticias/20-geral/8711-cresce-numero-de-visitantes-nos-parques-nacionais. Acesso em: 2 nov. 2018.

______. Lei Federal 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6938compilada.htm. Acesso em: 4 jun. 2018.

______. Lei Federal 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9985.htm. Acesso em: 24 set. 2018.

______. Lei Federal 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12305.htm. Acesso em: 26 jul. 2018.

______. Medida Provisória 844, de 6 de julho de 2.018. Atualiza o marco legal do saneamento básico e altera a Lei nº 9.984, de 17 de julho de 2000, para atribuir à Agência Nacional de Águas competência para editar normas de referência nacionais sobre o serviço de saneamento, a Lei nº 10.768, de 19 de novembro de 2003, para alterar as atribuições do cargo de Especialista em Recursos Hídricos, e a Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007, para aprimorar as condições estruturais do saneamento básico no País. Disponível em: https://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento?dm=7754160&ts=1594019230110 &disposition=inline. Acesso em: 30 jul. 2020.

______. Ministério da Secretaria Especial de Desenvolvimento. Manual de gerenciamento integrado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro: IBAM, 2001. 200 p.

______. Projeto de Lei 1.144-A, de 2003. Institui a Política Nacional de Saneamento Ambiental, define diretrizes para a prestação dos serviços públicos de água e esgoto, e dá outras providências. Pendente de parecer da Comissão Especial. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=00EA71C614CAE3F2D40C3FD2461B0F60.node1?codteor=321450&filename=Avulso+-PL+1144/2003. Acesso em: 30 jul. 2020.

CARVALHO, C. J. B.; RIBEIRO, P. B. Chave de identificação das espécies de Calliphoridae (Diptera) do sul do Brasil. Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária, v. 9, n. 2, p. 169-173, 2000.

CARVALHO, C. J. B.; MOURA, O. M.; RIBEIRO, P. B. Chave para adultos de dípteros (Muscidae, Fannidae, Anthomyiidae) associados ao ambiente humano no Brasil. Revista Brasileira de Entomologia, v. 46, n. 2, p. 107-114, 2002.

CHOW, C. Y. The commom blue bottle fly Chrysomya megacephala as a carrier of pathogenic bacteria in Peiping. Chinese Medical Sciences Journal, v. 57, p. 145-153, 1940.

COHEN, C. Economia do meio ambiente: teoria e prática. 4. ed. São Paulo: Campus, 2003.

CUNHA, A. G. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Lexikone, 2012.

DE SHERBININ, A.; SCHILLER, A.; PULSIPHER, A. The vulnerability of global cities to climate hazards. Environ Urban, v. 19, n. 1, p. 39-64, 2007.

DEUS, A. B. S.; LUCA, S. J.; CLARK, R. T. Índice de impacto dos resíduos sólidos urbanos na Saúde Pública (IIRSP): metodologia e aplicação. Engenharia Ambiental Sanitária, v. 9, n. 4, p. 329-334, 2004.

FABREGAT RODRÍGUEZ, M. G.; LEAL, A. C.; ZANIN, M. et al. Resíduos sólidos urbanos: aproximação ao tema em cidades de Cuba e Brasil. Tupã: ANAP, 2018. 168 p.

FABREGAT RODRÍGUEZ; PÉREZ, A. T. La gestión de los residuos sólidos urbanos en la ciudad. In: FABREGAT RODRÍGUEZ, M. G.; LEAL, A. C.; ZANIN, M. et al. Resíduos sólidos urbanos: aproximação ao tema em cidades de Cuba e Brasil. Tupã: ANAP, 2018. Cap. 1, p. 15-28.

FERRAZ. A. C. P.; AGUIAR-COELHO, V. M. Desenvolvimento e avaliação de novas metodologias para testar a atratividade de Chrysomya megacephala (Fabricius) (Diptera: Calliphoridae) a estímulo visual por cores em condições laboratoriais. Neotropical Entomology, v. 37, n. 3, 334-337, 2008.

FERREIRA, M. J. M. Sinantropia de dípteros muscoides de Curitiba, Paraná. I. Calliphoridae. Revista Brasileira de Biologia, v. 38, n. 2, p. 445-454, 1978.

FERREIRA, M. J. M.; LACERDA, P. V. Muscóides sinantrópicos associados ao lixo urbano em Goiânia. Revista Brasileira de Zoologia, v. 10, n. 2, p. 185-195, 1993.

FIGUEIREDO, A. L. Análise faunística de Calliphoridae (Diptera) no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2016. 52 f. Dissertação (mestrado) – Ciências Biológicas, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2016.

FÖRSTER, M.; KLIMPEL, S.; MEHLHORN, H. et al. Pilot study on synanthropic flies (e.g. Musca, Sarcophaga, Calliphora, Fannia, Lucilia, Stomoxys) as vectors of pathogenic microorganisms. Jornal of Parasitology Research, v. 101, n. 1, p. 243-87, 2007.

FRIED, J. H.; LEVEY, D. J.; HOGSETTE, J. A. Habitat corridors function as both drift fences and movement conduits for dispersing flies. Oecologia, v. 143, n. 4, p. 645-51, 2005.

GERBA et al. Sources of microbial pathogens in municipal solid waste landfills in the United States of America. Waste Management & Research, v. 29, n. 8, p. 782-90, 2011.

GRACZYK, T. K.; KNIGHT, R.; TAMANG, L. Mechanical Transmission of Human Protozoan Parasites by Insects. Clinical Microbiology Reviews, v. 18, n. 1, p. 128-132, 2005.

GREENBERG, B. Flies and diseases. Ecology, classification and biotic association. v. 1. Princeton: Princeton University Press, 1971. 856p.

GREGOR, F.; POVOLNY, D. Versuch einer klassifikation der synanthropen fliegen. Journal of the Hygiene, Epidemiology, Microbiology and Immunology, v. 2, p. 205-216, 1958.

HWANG, C.; TURNER, B. D. Spatial and temporal variability of necrophagous Diptera from urban to rural areas. Medical and Veterinary Entomology, v. 19, p. 379-391, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Cidades e estados. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/sp/teodoro-sampaio.html'. Acesso em: 30 jul. 2020.

JACOBI, P. R.; BESEN, G. R. Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Revista Estudos Avançados, São Paulo, v. 25, n. 71, p. 135-158, 2011.

LEAL, A. C. et al. A reinserção do lixo na sociedade do capital: uma contribuição ao entendimento do trabalho na catação e na reciclagem. Terra Livre, São Paulo, a. 18, n. 19, p. 177-190, 2002.

LEITE, J. F. A ocupação do Pontal do Paranapanema. São Paulo: Hucitec, 1998.

LIMA-E-SILVA, P. P. et al. Dicionário brasileiro de ciências ambientais. Rio de Janeiro: Thex, 2002. p. 204-2005.

MACLEOD, J.; DONNELLY, J. Individual and group marking methods for fly population studies. Bulletin of Entomological Research, v. 48, n. 3, p. 585-592, 1957.

MALIK, A.; N. SINGH, N.; SATYA, S. Housefly (Musca domestica): a review of control strategies for a challenging pest. Journal of Environmental Sciences. Health-PartB, v. 42, p. 453-469, 2007.

MARTINEZ ABREU, J. et al. Salud ambiental, evolución histórica conceptual y principales áreas básicas. Revista Cubana de Salud Pública, v. 40, n. 4, p. 403-411, 2014.

MEDEIROS, R.; ARAÚJO, F. F. S (Org.). Dez anos do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza: lições do passado, realizações presentes e perspectivas para o futuro. Brasília: Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis/MMA, 2011. 220 p. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/240/_publicacao/240_publicacao06072011055602.pdf. Acesso em: 21 out. 2020.

MEDEIROS, R.; YOUNG; C. E. F. Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional: Relatório Final. Brasília: UNEP‐WCMC, 2011. 120 p. Disponível em: https://www.mma.gov.br/estruturas/240/_arquivos/relatorio_final_contribuio_uc_para_a_economia_nacional_reduzido_240.pdf. Acesso em: 05 out. 2020.

NASCIMENTO, M. L. S.; MARQUES, A. L. P.; NASCIMENTO, N. Impactos ambientais: a importância de seus estudos. Revista Estudos Geográficos, Rio Claro, v. 4, n. 2, p. 97-114, 2006.

NAZNI, W. A.; SELEENA, B.; LEE, H. L. et al. Bacteria fauna from the house fly, Musca domestica (L.). Tropical Biomedicine, n. 22, n. 2, p. 225-231, 2005.

NUORTEVA, P. Synanthropy of blowflies (Díptera: Calliphoridae) in Finland. Annales Entomologici Fennici, v. 29, p. 1-49, 1963.

O IMPARCIAL. Número de visitantes ao Morro do Diabo cai 6,41%. 2017. Disponível em: http://imparcial.com.br/noticias/numero-de-visitantes-ao-morro-do-diabo-cai-6-41,17683. Acesso em: 18 out. 2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE ((OMS). 2014. Disponível em: http://www.who.int/eportuguese/publications/pt/. Acesso em: 4 nov. 2018.

PASSOS, M. M. A paisagem do Pontal do Paranapanema – uma apreensão geofotográfica. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, v. 26, n. 1, p. 177-189, 2004.

RISCADO, A.; BADEJO, L. Racionalizar e transformar. ICLEI - Local Governments for Sustainability. 2010. Disponível em: http://archive.iclei.org/documents/LACS/Portugues/Programas/CCPS_-_RJ/Docs_10dez10/SECAO_II_5_RESIDUOS_final.pdf. Acesso em: out. 2010.

RODRIGUES, A. M. Produção e consumo do e no espaço: problemática ambiental urbana. São Paulo: Hucitec, 1998.

SALVETTI, T. C. Proposta para implantação de sistema de gestão integrado para unidade de tratamento e armazenamento de rejeito radioativo de baixo e médio níveis de radiação do Empreendimento RMB. 2015. 115 f. Dissertação (mestrado) – Tecnologia Nuclear, Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, IPEN-CNEN/SP, São Paulo, SP, 2015.

SANTOS, A. M. M. Gerenciamento ambiental para o controle de e Musca doméstica L. (Diptera:Muscidae) e Chrysomya megacephala (Fabricus) (Diptera: Calliphoridae) em assentamentos urbanos no interior do Estado de São Paulo. 2006. 268 f. Tese (doutorado) – Parasitologia, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

SANTOS, R. Meio ambiente e qualidade de vida na Estância Turística de Presidente Epitácio – São Paulo. 2010. 374 f. Dissertação (mestrado) – Geografia, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, SP, 2010.

SÃO PAULO (Estado). Decreto 12.279, de 29 de outubro de 1941. Declara reservado o imóvel situado no Distrito de Paz de Presidente Epitácio, Município e Comarca de Presidente Venceslau, necessário à conservação da flora e fauna do Estado. Disponível em: http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/1941/decreto-12279-29.10.1941.html. Acesso em: 15 out. 2018.

______. Decreto 25.342, de 4 de junho de 1986. Transforma a Reserva Estadual do Morro do Diabo, criada pelo Decreto n. 12.279, de 29 de outubro de 1941, no Parque Estadual do Morro do Diabo e dá providências correlatas. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/1986/decreto-25342-04.06.1986.html. Acesso em: 15 out. 2018

______. Decreto 28.169, de 21 janeiro de 1988. Altera dispositivo do Decreto n° 25 342, de 4 de junho de 1986. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/1988/decreto-28169- 21.01.1988.html. Acesso em: 15 out. 2018

______. Lei Estadual 12.300, de 16 de março de 2006. Institui a Política Estadual de Resíduos Sólidos e define princípios e diretrizes. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/2006/lei-12300-16.03.2006.html. Acesso em: 4 jun. 2018.

______. Secretaria do Meio Ambiente – Instituto Florestal. Parque Estadual do Morro do Diabo: plano de manejo. Santa Cruz do Rio Pardo: Viena, 2006. 321 p. Disponível em: http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/fundacaoflorestal/2012/01/morrododiabo.pdf. Acesso em: 15 out. 2018.

SEOLIN DIAS, L.; HAMADA, J. Benefícios do programa de coleta seletiva na salubridade da população no entorno do lixão de Tupã, São Paulo, Brasil. FÓRUM AMBIENTAL DA ALTA PAULISTA, v. 2, p. 01-07, 2006. Anais... SP, 2006.

SEOLIN DIAS, L. Biodiversidade de moscas Calliphoridae e Muscidae no depósito de lixo urbano de Presidente Prudente – SP. 2008. 40 f. Dissertação (mestrado) – Ciência Animal, Universidade do Oeste Paulista, Presidente Prudente, 2008.

SEOLIN DIAS, L. S. Biogeografia da saúde [recurso eletrônico]: moscas e qualidade ambiental. 1 ed. Tupã: ANAP, 2019, 170 p.

SEOLIN DIAS, L. S.; MARQUES, M. D.; DIAS, L. S. Lixão: tem solução? Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, v. 1, n. 2, p. 123-141, 2013.

SEOLIN DIAS, L. S.; LEAL, A. C; MARQUES, M. D. Resíduos sólidos urbanos: estudos aplicados. 1 ed. Tupã: ANAP, 2015.

TAKENAKA, E. M. M. Políticas públicas de gerenciamento integrado de resíduos sólidos urbanos no município de Presidente Prudente-SP. 2008. 232 f. Tese (doutorado) – Geografia, Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, 2008.

TCHOBANOGLOUS, G.; THEISEN, H.; VIGIL, S. A. Integrated solid waste management: engineering principle and management issue. New York: McGraw Hill, 1993. 978 p.

THOMAZ JÚNIOR, A. Dinâmica territorial do agrohidro: negócio e os desdobramentos para o trabalho. OKARA: Geografia em debate, v. 6, n. 1, p. 7-31, 2012.

VALVASSORI, M. L.; ALEXANDRE, N. Z. Aplicação do indicador de salubridade ambiental (ISA) para áreas urbanas. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, n. 25, 2012.

VIANA, F. M. F.; ROCHA, C. H. B. Impactos ambientais em unidades de conservação. Relatório de Estágio de Docência. Universidade Federal de Juiz de Fora. Instituto de Ciências Biológicas. 2009. Disponível em: http://www.ufjf.br/ecologia/files/2009/11/E.-Doc%C3%AAncia-Final_Fernanda.pdf. Acesso em: 19 out. 2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Vector control series. 1986. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/60254/WHO_VBC_86.937_eng.pdf;jsessionid=D743A2F6D3118D19FB3B13B8DA0F912B?sequence=1. Acesso em: 31 out. 2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Investing in water and sanitation: increasing access, reducing inequalities. 2014. Genova: Who Document Production Services. Disponível em:

https://sustainabledevelopment.un.org/content/documents/1749Investing%20in%20water%20and%20sanitation.pdf. Acesso em: 30 out. 2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Investing in water and sanitation: increasing access reducing inequalities. 2014. Disponível em: http://www.who.int/water_sanitation_health/publications/glaas_report_2014/en/. Acesso: 28 set. 2020.

ZUMPT, F. Myiasis in man and animals in the Old World. Londres: Butterworth, 1965.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-401

Refbacks

  • There are currently no refbacks.