Reflexões sobre a atuação de quem cuida na saúde mental / Reflections on the care of mental health care

Elias Neves do Nascimento Filho, Douglas Prado Araújo, Douglas Ferreira Rocha Barbosa, Stela Lopes Soares, Luciene Gomes Rocha, Mylena dos Santos Cavalcante, Rayane Medeiros dos Santos, Bruno Falcão Batista

Abstract


A saúde configura-se como um dos elementos da cidadania, como um direito das pessoas que vai além da perspectiva de curar e evitar doenças, mas sim de ter uma vida saudável. Contudo, atualmente ainda nota-se uma falta de ações voltadas para a saúde mental do trabalhador no âmbito da atenção secundária. Diante do exposto, pode-se destacar que, em função da magnitude dos transtornos mentais relacionados ao trabalho na atualidade e das dificuldades já identificadas com relação às ações de atenção à saúde do trabalhador, fez-se necessário promover esses momentos para os mesmos. Diante disto, o trabalho visa contribuir para a promoção da qualidade de vida dos trabalhadores de um Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e Drogas - CAPS AD no município de Sobral – CE. Tratou-se de uma pesquisa-intervenção, que teve como cenário o serviço supracitado. Os sujeitos da pesquisa foram os trabalhadores do serviço que aceitassem a participar dos momentos de cuidado. Foram acontecendo momentos simultâneos, durante toda a intervenção, sendo a primeira um momento para explicar sobre o projeto, utilizando-se de figuras/palavras geradoras e a leitura do TCLE e aplicação de um questionário individual contendo cinco perguntas. Percebeu-se ainda que foram muito agradáveis para os participantes os momentos individuais, em que puderam estar no lugar oposto, de serem ouvidos. Desta forma, ao longo da intervenção  o grupo tornou-se mais integrado, o que trouxe bem-estar e qualidade de vida ao ambiente de trabalho, tornando os processos mais leves.


Keywords


Saúde Mental – Saúde do Trabalhador – Terapia Ocupacional

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no . 1.823, de 23 de agosto de 2012. Institui a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, DF, 23 ago. 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde – Reforma Psiquiátrica e Política de Saúde Mental no Brasil – Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos Depois de Caracas. Brasília, 07 a 10 de novembro de 2005.

CARREIRO, G.S.P.; FERREIRA FILHA, M.O.F.; LAZARTE, R.; SILVA, A.O.; DIAS, M.J.. O processo de adoecimento mental do trabalhador da Estratégia Saúde da FAMÍLIA. Rev. Eletr. Enf., p. 146-55,v.1, n.15, jan/mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2020.

CUNHA, L. S. et al. O trabalho hospitalar da enfermagem: dialética presente na prática de adaptar e improvisar. 2010. 161 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: < http://www.facenf.uerj.br/v24n5/v24n5a03.pdf>. Acesso em: 12 jan. 2020.

DE FREITAS MELO, Cynthia et al. Correlação entre religiosidade, espiritualidade e qualidade de vida: uma revisão de literatura. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 15, n. 2, 2015. Disponível em: < https://www.redalyc.org/comocitar.oa?id=451844504002>. Acesso em: 08 jan. 2020.

DE MARCO, P. F. et al. O impacto do trabalho em saúde mental: transtornos psiquiátricos menores, qualidade de vida e satisfação profissional. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 57, n. 3, p. 178 183, 2008.

DIAS,F.M.; SANTOS,J.F.C.; ABELHA,L.; LOVISI, G.M.. O estresse ocupacional e a síndrome do esgotamento profissional (burnout) em trabalhadores da indústria do petróleo: uma revisão sistemática. Rev Bras Saude Ocup. v.11,n.41. 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2020.

FAIMAN, Carla Júlia Segre. Psicoterapia em ambulatório de saúde do trabalhador: possibilidades e desafios. Diss. Universidade de São Paulo, 2012. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47133/tde-13062012-152309/en.php>. Acesso em: 11 jan. 2020.

FONTE, E. M. M. As sete vidas da agenda pública em saúde mental no Brasil. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ASSOCIAÇÃO LATINO-AMERICANA DE SOCIOLOGIA, XXVIII. Anais, Recife, 2011.

FUKUMITSU, Karina Okajima et al. O psicoterapeuta diante do comportamento suicida. 2014. Disponível em: Acesso em: 14 jan. 2020.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

LEÃO, L. H. C.; MINAYO GOMEZ, C. A questão da saúde mental na vigilância em saúde do trabalhador. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 12, p. 4649-4658, 2014. Disponível em:< http://www.scielo. br/pdf/csc/v19n12/pt_1413-8123-csc-19-12-04649. pdf>. Acesso em: 29 out. 2019.

LIMA, Luísa et al. Ter amigos faz bem à saúde: mas será que os amigos do facebook contam? Estudos na população portuguesa, 2016. Disponível em: < https://repositorio.iscte-iul.pt/bitstream/10071/9450/3/relatorio_amigosFb_4.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2020.

MINAYO, M.C.S. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13 ed. – São Paulo: Hucitec, 2013.

MONTEIRO, E.M.L.M; VIEIRA, N.F.C. Educação em saúde a partir de círculos de cultura. Rev Bras Enferm, Brasília 2010 maio-jun; 63(3): 397-403.

NETO, F. R. et al. Necessidades de qualificação, dificuldades e facilidades dos técnicos de enfermagem na estratégia saúde da família. Sanare-Revista de políticas públicas, v. 15, n. 1, 2016. Disponível em: < https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/927/556>. Acesso em: 07 jan. 2020.

NUNES, Sandra Sofia Oliveira et al. A importância da liderança como fator motivacional nas organizações: um estudo de caso no ISLA–Gaia. 2017. Disponível em: < http://recil.grupolusofona.pt/handle/10437/8544>. Acesso em: 12 jan. 2020.

PEDUZZI, M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev Saúde Pública. 2001;35(1):103-9.

PERES, E. M. A estratégia Saúde da Família e sua ajuda na consolidação do SUS. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2002;6(1):115-24.

PONTES, M. V. A. Damião Ximenes Lopes: a “condenação da saúde mental” brasileira na Corte Interamericana de Direitos Humanos e sua relação com os rumos da reforma psiquiátrica. Fortaleza – CE, 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2020.

REBOUÇAS, D.; LEGAY, L. F.; ABELHA, L. Satisfação com o trabalho e impacto causado nos profissionais de serviço de saúde mental. Revista Saúde Pública, v. 41, n. 2, p. 244 250, 2007.

SÁ, P. M. M. V. O que é Terapia Ocupacional. Disponível em: . Acesso: 21 nov. 2019.

SALVE, M. G. C.; BANKOFF, A. D. P. Análise da intervenção de um programa de atividade física nos hábitos de lazer. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 28, n. 105-106, p. 73-82, 2018.

SILVA, J.; FISCHER M. Adoecimento mental incapacitante: benefícios previdenciários no Brasil entre 2008-2011. Rev Saúde Pública; 48(1): 186-90, 2014.

TENÓRIO, F. A reforma psiquiátrica brasileira, da década de 1980 aos dias atuais: história e conceitos. História, ciências, saúde - Manguinhos, v.9, n.1, p.25-29, jan.- abr. 2002. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2019.

VALE, S. A. S. O papel do pedagogo em um centro de atenção psicossocial: uma análise a partir do CAPS ad- Caicó/RN. 2017. 52 f. Monografia (Graduação) - Curso de Pedagogia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Caicó/RN, 2017. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-386

Refbacks

  • There are currently no refbacks.