O não amamentar para mulheres com hiv/aids: Um olhar pela fenomenologia / The non-breastfeeding living for hiv-positive women: A look at phenomenology

Aysla Kalliny dos Reis, Jovânia Marques de Oliveira e Silva, Zandra Maria Cardoso Candiotti, Ayslane Kledja dos Reis, Anderson Wagner Ramos Martins

Abstract


Objetivo: Descrever a vivência do não amamentar para mulheres com HIV/AIDS. Metodologia: Trata-se de um estudo qualitativo com abordagem da fenomenologia existencial de Martin Heidegger. Resultados: Quatro Unidades de significação emergiram: ser-no-mundo diante do desejo de amamentar; ser-no-mundo vivenciando tristeza e medo;  ser-no-mundo vivenciando culpabilidade e impotência;  ser-no-mundo vivenciando a omissão do diagnóstico como possibilidade de relacionar-se com-o-outro. Conclusão: Foi possível desvelar que as mulheres com HIV/AIDS, impossibilitadas de amamentar vivenciam essa experiência de forma temorosa, carregada de muita dor e sofrimento. Nesse sentido, os profissionais de saúde, a partir da assistência qualificada, necessitam atentar para a singularidade da vivência de cada mulher, a fim de promover uma assistência inclusiva, digna, equânime e integral.

Keywords


Mulheres, HIV, Aleitamento materno.

References


Brasil. Mistério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais, Brasília, v. 49, n. 53 p. 7. 2018.

Unaids. Global HIV & AIDS statistics-2020 fact sheet. Joint United Nations Programme on HIV/AIDS, Geneva, Switzerland, 2020

Souza FLP, Clark LM, Lelis BDB, et al. Sentimentos e significados: HIV na impossibilidade de amamentar. Revista enfermagem UFPE online, v.13, e. 241854. 2019. http://dx.doi.org/10.5205/1981-8963 .

Bellotto PCB, et al. Entre a mulher e a salvação do bebê: experiências de parto de mulheres com HIV. Interface - Comunicação, Saúde, Educação [online]. v. 23 [Acessado 1 Setembro 2020] , e180556. Disponível em: . ISSN 1807-5762. https://doi.org/10.1590/Interface.180556

Silva JMO, Lopes RLM, Diniz NMF. Fenomenology. Rev Bras Enferm [Internet]. 2008 Mar/Apr [cited 2018 Aug 10];61(2):254-7. http://www.scielo.br/pdf/reben/v61n2/a18 v61n2.pdf

Heidegger M, Ser e tempo. Tradução de Márcia Sá Cavalcanti. Petrópolis: Vozes, 2008.

Galvão MTG. et al. Esperança em mulheres portadoras da infecção pelo HIV. Revista Escola de Enfermagem da USP, [S.l], v.46, n.1, p. 38-44, 2012.

Filipe EV, Moreno CCGS, Rea MF. Mães HIV positivo e a não-amamentação. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 6, n. 2, jun. 2010.

Cartaxo CMB, Nascimento CAD, Diniz CMM, Brasil DRPA, Silva IF. Gestantes portadoras de HIV/AIDS: aspectos psicológicos sobre a prevenção da transmissão vertical. Estud. psicol. (Natal) 2013; 18(3): 419- 427.

Faria ER, Piccinini CA. Maternidade no contexto do HIV/aids: gestação e terceiro mês de vida do bebê. Estudos de Psicologia, [S,l.], v.27, n.2, p. 147 – 159, 2010.

Cechim PL, Selli L. Mulheres com HIV/AIDS: frag¬mentos de sua face oculta.Ver. Bras Enferm. 2007; 60(2):145-9.

Goffman E. Estigma; notas sobre a manipulação a identidade deteriorada. Tradução de Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes. Rio de Janeiro: LTC, 1975.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-370

Refbacks

  • There are currently no refbacks.