Caracterização fenotípica de linhagens de trigo quanto à tolerância ao alumínio em solução mínima / Phenotypic characterization of wheat inbred lines to aluminum tolerance in minimal solution

Fabieli da Silva Ferraz, Caroline de Jesus Coelho, Rodrigo Rodrigues Matiello

Abstract


A maior parte dos solos brasileiros apresentam limitação à produção agrícola devido aos efeitos da acidez e à presença de alumínio (Al). A cultura do trigo é uma das mais sensíveis à toxidez causada pelo Al. O elemento causa danos ao sistema radicular, limitando a absorção de água e nutrientes. O uso de genótipos tolerantes ao Al é uma alternativa para o cultivo em solos ácidos. Neste sentido, os objetivos deste estudo foram avaliar a tolerância ao Al de 43 linhagens de trigo pertencentes ao Programa de Melhoramento da Universidade Estadual de Ponta Grossa, além de 2 cultivares comerciais (Quartzo® e Safira®) em solução mínima. Os 45 genótipos de trigo foram submetidos à solução mínima (4 mg L-1 de Al e 40 mg L-1 de Ca), no delineamento de blocos aleatorizados com três repetições, sendo avaliadas 12 plântulas de cada genótipo por repetição. A avaliação da tolerância ao Al foi realizada pela diferença de crescimento radicular (DIF) e do Índice de Tolerância Relativa ao Al (ITRAl). Adicionalmente, foram estimados os parâmetros genéticos associados a tolerância ao Al para esse conjunto de linhagens de trigo. Os resultados da avaliação de tolerância ao Al demonstraram elevada variabilidade genética entre os 45 genótipos de trigo. As linhagens L01, L03 e L38 destacaram-se apresentando maior tolerância ao Al, com ITRAl de 5,0, 4,2 e 4,1, respectivamente. Por outro lado, as linhagens L11, L12, L13, L14, L24 e L25, apresentaram maior sensibilidade ao Al, com ITRAl < 2,0. Os parâmetros genéticos indicaram grande contribuição da variância genética, pequeno efeito ambiental e elevada estimativa do coeficiente de herdabilidade no sentido amplo para tolerância ao Al, indicando a possibilidade de ganho com a seleção artificial de genótipos com maior crescimento radicular na presença do Al em solução mínima. A avaliação realizada em solução mínima foi eficiente na caracterização dos genótipos de trigo, indicando a possibilidade de utilização desta metodologia para a seleção de linhagens tolerantes ao Al.


Keywords


Triticum aestivum L., estresse abiótico, crescimento radicular.

References


AGUILERA, J.; MINOZZO, J.A.; BARICHELO, D.; FOGAÇA, C.M.; JUNIOR SILVA, J.P.; CONSOLI, L.; PEREIRA, J.F.. Alleles of organic acid transporter genes are highly correlated with wheat resistance to acid soil in field conditions. Theoretical Applied Genetics, v.129, p.1317-1331, 2016.

BERTAN, I.; CARVALHO, F.I.F.; OLIVEIRA, A.C.; OLIVEIRA, P.H.; SILVA, J.A.G.; BENIN, G. SILVA, G.; HARTWIG, I.; PADILHA, E.B. Caracteres associados a tolerância ao alumínio tóxico em genótipos de trigos sul brasileiros. Revista Brasileira de Agrociência, v.11, n.2, p.149-154, 2005.

BERTAN, I.; CARVALHO, F.I.F.; OLIVEIRA, A.C.; SILVA, J.A.G.; BENIN, G.; VIEIRA, E.A.; SILVA, G.O.; HARTWIG, I.; VALÉRIO, I.P.; FINATTO, T. Dissimilaridade genética entre genótipos de trigo avaliados em cultivo hidropônico sob estresse por alumínio. Bragantia, v. 65, p. 55-63, 2006

CAMARGO, C.E.O.; FELÍCIO, J.C., FERREIRA FILHO, A.W.P., LOBATO, M.T.V. Tolerância de genótipos de trigo comum, trigo duro e triticale à toxicidade de alumínio em soluções nutritivas. Bragantia, v. 65, n. 1, p. 43-53, 2006.

CAMARGO, C.E.O.; FELÍCIO, J.C.; FERREIRA FILHO, A.W.P. Triticale: tolerância ao alumínio em solução nutritiva. Bragantia, v.50, p.323-330, 1991.

CAMARGO, C.E.O.; FERREIRA FILHO, A.W.P. Tolerância ao alumínio e características agronômicas em populações híbridas de trigo: estimativas de variância, herdabilidade e correlações. Scientia Agricola, v.56, n.2, p.449-457, 1999.

CANTERI, M.G.; ALTHAUS, R.A.; VIRGENS FILHO, J.S.; GIGLIOTI, E.A.; GODOY, C.V. SASM – Agri: Sistema para análise e separação de médias em experimentos agrícolas pelos métodos Scoft – Knott, Tukey e Ducan. Revista Brasileira de Agrocomputação, v.1, n.2, p.18-24, 2001.

CLARKE, R.B. Caracterization of phosphatase of intact maize roots. Journal Agriculture Food and Chemical, v.23, p.458-460, 1975.

COELHO, C.J.; MOLIN, D. JORIS, H.A.W.; CAIRES, E.F.; GARDINGO, J.R.; MATIELLO, R.R. Selection of maize hybrids for tolerance to aluminum in minimal solution. Genetics and Molecular Research, v.12, n.1, p.134-144, 2015.

COELHO, C.J.; MOLIN, D.; JONG, GUILHERME.; GARDINGO, J.R.; CAIRES, E.F.; MATIELLO, R.R. Brazilian maize landraces: source of aluminum tolerance. Australian Journal of Crop Science, v.1, p.42-49, 2016.

CONCEIÇÃO, L.D.H.C.S.; TESSELE, C.; BARBORA NETO, J.F. Diallel analysis and mapping of aluminum tolerance in corn inbred lines. Maydica, v.54, p.55-61, 2009.

CORTES, D.C.L. Tolerância ao alumínio em cultivares de arroz (Oryza sativa L.) colombianos e brasileiros. 2018, 108 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2018.

DAI, S.; YAN, Z.; LIU, D.; ZHANG, L. WEI, Y.; ZHENG, Y. Evaluation on Chinese Bread Wheat Landraces for Low pH and Aluminum Tolerance Using Hydroponic Screening. Agricultural Sciences in China, v.8, p.285-292, 2009.

HARTWIG, I.; OLIVEIRA, A.C.; CARVALHO, F.I.F.; BERTANI, I.; SILVA, J.A.G.; SCHMIDT, D.A.M.; VALÉRIO, I.P.; MAIA, L.C.; FONSECA, D.A.R.; REIS, C.E. Mecanismos associados à tolerância ao alumínio em plantas. Semina: Ciências Agrárias, v.28, n.2, p.219-228, 2007.

KOCHIAN, L.V.; PIÑEROS, M.M.; LIU, J.; MAGALHAES, J.V. Plant adaptation to acid soils: the molecular basis for crop aluminum resistence. The Annual Review of Plant Biology, v.66, p.571-598, 2015.

MAZZOCATO, A.C.; ROCHA, P.S.G.; SERENO, M.J.C.M.; BOHNEN, H.; GRONGO, V.; NETO, J.F.B. Tolerância ao alumínio em plântulas de milho. Ciência Rural, v.32, p.19-24, 2002.

PEREIRA, J.F. Initial root length in wheat is highly correlated with acid soil tolerance in the field. Soils and Plant Nutrition, v.75, n.1, p.79-83, 2018.

PIMENTA, L.S. Estresse por alumínio em cultivares de cana-de-açúcar: crescimento radicular e atividade de enzimas antioxidantes. 2017, 77 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de São Carlos, Araras, 2017.

PORTALUPPI, R.; BRAMMER, S.P.; MAGALHÃES, J.V.; COSTA, C.T.; CAIERÃO, E.; JUNIOR, A.N.; JUNIOR, J.P.S. Tolerância de genótipos de cereais de inverno ao alumínio em cultivo hidropônico e em campo. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 45, n. 1, p. 178-185, 2010.

QUAGGIO, J.A. Acidez e calagem em solos tropicais. 1 ed. Campinas: Instituto Agronômico, 2000. 111p.

RODRIGUES, M. Contributo da exsudação de ácidos orgânicos para a tolerância ao alumínio em duas variedades de trigo da madeira. 2015, 74p. Dissertação (Mestrado) – Universidade da Madeira, Funchal, 2015.

SÁNCHEZ-CHACÓN, C.D.; FEDERIZZI, L.C.; MILACH, S.C.K.; PACHECO, M.T. Variabilidade genética e herança da tolerância à toxicidade do alumínio em aveia. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.35, n.9, p.1797-1808, 2000.

SCHORR, M.R.M. Atributos da arquitetura radicular como indicadores na seleção de plantas de trigo submetidas à deficiência de fosforo e toxidez por alumínio. 2017, 111p. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2017.

SILVA, G.B.P.; ZANELLA, C.M.; DELATORRE, C.A.; CHAVES, M.S.; FEDERIZZI, L.C.; MARTINELLI, J.A. Organic acid carriers in tolerance to toxic aluminum in wheat. Soil Science, v.48, n.10, p.1-9, 2018.

USDA, United States Departament of Agriculture. Wheat. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2020.

VENCOVSKY, R.; BARRIGA, P. Genética biométrica no fitomelhoramento. Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira de Genética, 1992. p.496.

VOSS, M.; SOUSA, C.N.A. de; BAIER, A.C.; NASCIMENTO JÚNIOR, A.; BOFF, T. Método de avaliação de tolerância à toxidez de alumínio em trigo, em condições de hidroponia, na Embrapa Trigo. Passo Fundo: Embrapa Trigo, 16p. 2006.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-362

Refbacks

  • There are currently no refbacks.