Frequência fenotípica dos grupos sanguíneos ABO e fator RH em Santarém, Pará – Brasil / Phenotypic frequency of ABO blood groups and RH factor in Santarém, Pará – Brazil

Lara Maria Martins Pereira, Tiago Henrique Rodrigues Siebert

Abstract


Torna-se cada vez mais necessário conhecer a importância dos grupos sanguíneos e o fator Rh, já que os mesmos estão ligados a diversas áreas da medicina, com isto a população deve ter conhecimento desse assunto no qual está relacionado a etnias, doenças hemolíticas, transfusões e doações de sangue. Este estudo teve como objetivo avaliar a frequência fenotípica dos grupos sanguíneos do sistema ABO e Rh dos voluntários, esclarecer e conscientizar a população sobre a importância do tema. Para a realização deste projeto e obtenção dos dados, foram feitas ações de saúde em diversas localidades de Santarém, para determinar os grupos sanguíneos e fator Rh dos voluntários pelo método de hemoaglutinação em lâmina, que consiste na reação dos reagentes com anticorpos anti-A, anti-B e anti-D nas gotas de amostras sanguíneas dos voluntários. Foram avaliadas 783 amostras de voluntários, os resultados foram analisados a partir da aglutinação ou não das amostras. O grupo sanguíneo O+ (52%) apresentou a maior frequência, seguido do grupo sanguíneo A+ (27,2%), B+ (9,7%) e O- (6%), os demais grupos apresentaram valores inferior a 3%. Neste estudo foi possível avaliar a frequência fenotípica do sistema ABO e fator Rh em Santarém e informar aos participantes das ações a importância do tema abordado. Espera-se que os resultados obtidos possam servir de embasamento para elaboração de trabalhos científicos e pesquisas relacionadas ao tema, além de fomentar discussões entre a população acadêmica e os profissionais de saúde, servindo como referencial teórico e veículo de ensino-aprendizagem.

Keywords


Frequência Fenotípica, Tipagem Sanguínea, Sistema ABO.

References


ANDIA, E. C.; SOLIS, A. J. S.; BAUTISTA, N. C.; PACHECO, M. D.; MENA, R. L. J. Tipificación del grupo sanguíneo A B O y el factor Rh en la población de Totora-Cochabamba gestión 2012. Rev Cient Cienc Med, Cochabamba, Bolivia, v.16, n.1, p.25-27, 2013.

ARRUDA, E. H. P.; LEÃO, M. F.; VALERIO, L.; PUERTAS, T. R. Compreensão sobre tipagem sanguínea entre os acadêmicos de Farmácia, Universidade de Tangará da Serra/MT. Revista Destaques Acadêmicos, Mato Grosso, v.7, n.3, p.131-137, 2015.

ARRUDA, E. H. P.; ORTIZ, T. A.; PINHEIRO, D. O. Importância do Autoconhecimento dos Grupos Sanguíneos (ABO e Rh) de Alunos de Tangará da Serra-MT. Mato Grosso. UNOPAR Cient Ciênc Biol Saúde, v.15, n.3, p.199-202, 2013.

BAIOCHI, E.; CAMANO, L.; SASS, N.; COLAS, O. R. Frequências dos grupos sanguíneos e incompatibilidades ABO e RhD em puérperas e seus recém-nascidos. Rev Assoc Med Bras, São Paulo, v. 53, n,1, p.44-46, 2007.

BEIGUELMAN B. Os Sistemas Sanguíneos Eritrocitários. Ribeirão Preto, SP: FUNPEC Editora, 3° Edição, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. Imuno‑hematologia laboratorial / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

CIRAUDO, R. M. O uso da Estatística como ferramenta de análise de resultado de avaliação. 2015. 66 f. Dissertação (Mestrado em Matemática em Rede Nacional) - Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada, Rio de Janeiro. 2015.

FONTELLES, M. J.; SIMÕES, M. G.; FARIAS, S. H.; FONTELLES, R. G. S. Metodologia da Pesquisa Científica: Diretrizes para a Elaboração de um Protocolo de Pesquisa. Pará. Revista Paraense de Medicina. 2009.

GEORGES, L.; SEIDENBERG, V.; HUMMEL, S.; FEHREN-SCHMITZ, L. Molecular characterization of ABO blood group frequencies in pre-Columbian Peruvian highlanders. American Journal of Physical Anthropology, v.34, p. 230-239, 2012.

GODIN, M. M. Grupo sanguíneo “o” perigoso: a realidade da fundação hemominas, hemocentro de Belo Horizonte, Minas Gerais. 2015. 109 f. Dissertação (Mestrado em Análises Clínicas e Toxicológicas) - Faculdade de Farmácia, Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais. 2015.

HARMENING, D. M. Técnicas Modernas em Banco de Sangue e Transfusão. 6.ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2015.

LANDSTEINER, K. Zur Kenntnis der antifermentativen, lytischen und agglutinierenden Wirkungen des Blutserums und der Lymphe. Zbl. Bakt. v.27, p.357-362, 1900.

LANDSTEINER, K. Ueber Agglutinationserscheinungen Normalen Menschlichen Blutes. Wien. Klin. Wochenschr. v.14, p.1132–1134, 1901.

LIMA, T. N.; BUENO, F. V.; LOPES, A. B. P.; MORAES, I.; MARCHESINI, J. F.; FARIA, M. F. R.; GONÇALVES, S. R.; CRUZ, L. C.; LONER, F.; SIMÃO, R. A.; RIBEIRO, B. F. Frequência dos grupos sanguíneos do sistema ABO entre indivíduos participantes da Feira de Responsabilidade Social realizada no Centro Universitário Amparense em 2015. São Paulo. Saúde em Foco: UNISEPE, Amparo, v.8, n.1, p.724-741, 2016.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

NARDOZZA, L. M. M.; SZULMAN, A.; BARRETO, J. A.; JUNIOR, E. A.; MORON, A. F. Bases Moleculares do Sistema Rh e suas Aplicações em Obstetrícia e Medicina Transfusional. São Paulo, Rev. Assoc. Med. Bras., v.56, n.6, p.724-728, 2010.

NEVES, D. R.; CARVALHO, E. M.; SILVA, R. A.; MENDES, S. O.; ALVES, S. M.; MEDEIROS, M. O. Estudo Genético-Populacional dos Sistemas de Grupos Sanguíneos ABO e Rh dos Doadores de Sangue em Rondonópolis – MT. Biodiversidade, Mato Grosso, v.14, n.2, p.134-142, 2015.

ORELLANA, P.; CÓRDOVA, J.; UZEDA, B.; GUMIEL, L.; CORIA, R.; CAMPERO, P. Frecuencia de antígenos eritrocitarios del sistema abo y rh. Hospital de clínicas “santa bárbara”. Sucre. 2006-2007. Revista de Energía Química y Física, Bolivia, v.1, n.1, p.58-65, 2014.

PRADA, E. M. G.; GARCIA, R. C.; GUZMÁN, B. C.; LIZARAZU, E. F.; QUISPE, E. R.; AGUILAR, C. M. Estudio de grupos sanguíneos y factor RH en una población de La Paz, Bolivia. Rev. Soc. Bol. Ped.; v.39, n.1, p.19-20, 2000.

SANTOS, R. F.; BORDIN, R. O.; ALVES, S. M.; MEDEIROS, M. O. Frequência Fenotípica, Alélica e Genotípica dos Grupos Sanguíneos ABO e Rh Segundo os Doadores da Unidade de Coleta e Transfusão "Dr. Marcio Curvo De Lima" Polo de Rondonópolis, MT no Período de Janeiro a dezembro De 2015. Biodiversidade, Mato Grosso, v.17, n.2, p. 102, 2018.

SCHMOTZER, W. B.; RIEBOLD, T. W.; PORTER, S. L.; BLAUVELT, S. R. Time saving techniques for the collection, storage, and administration of equine blood and plasma. Vet. Med., v.80, n.2, p.89-94, 1985.

SILVA, R.A.; MENDES, S. O.; SOUZA, A. V. V.; LUZ, P. R. G.; MEDEIROS, M. O. Mapeamento dos sistemas de grupos sanguíneos ABO E RH DOS doadores de sangue em Primavera do Leste – MT. Biodiversidade, Rondonópolis, v. 9, n. 1, p. 46–55, 2010.

SILVA, J. M. Fenotipagem eritrocitária em doadores de sangue no HEMOPI (Teresina – Picos) – PI e no HEMOCENTRO Regional do Crato – CE. 2016. 71 f. Dissertação (Pós-Graduação em Farmacologia) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Ceará. 2016.

SILVA, J. R. O.; RAMOS, A. C. S.; REIS, A. C. S. Prevalência de grupos sanguíneos em um laboratório de Aracaju/SE. In: 18ª Semana de Pesquisa da Universidade Tiradentes “A prática interdisciplinar alimentada a Ciência”, 18º, 2016, Sergipe, (Anais 2016: 18ª Semana de Pesquisa da Universidade Tiradentes. “A prática interdisciplinar alimentada a Ciência”. 24 a 28 de outubro de 2016, ISSN: 1807-2518), Sergipe, editora Universidade Tiradentes, p.1-3, 2016.

SOUSA, C. K. L. Frequência da Classificação Sanguínea no Laboratório de Análises Clínicas (LAC) do Hospital Distrital de Itaporanga (HDI) – Paraíba. 6 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Farmácia) – Curso de Graduação em Farmácia da Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande-PB. 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-324

Refbacks

  • There are currently no refbacks.