Effects of State Action on Health: a regionalized analysis of Brazil / Efeitos da ação do Estado na saúde: uma análise regionalizada do Brasil

Marina do Amaral Schenkel, Soraya Maria Vargas Cortes

Abstract


This study investigates the effects of State action on health in Brazil, considering social determinants of health. As a benchmark for population health outcomes, we adopted the Infant Mortality Rate (IMR). The research method is quantitative, with a quasi-experimental design. It is an ecological study using the 438 Brazilian health regions as unit of analysis. The data were collected from official government sources. The main statistical technique adopted was multiple logistic regression analysis. An outstanding aspect drawn from the results is that all the dimensions that measure state action used in this study presented statistically significant effects in decreasing the chances of a region being in a high IMR group, depending on the control variables included in the model. The only variable that presented a significant effect, considering all other factors of control, was the prenatal coverage indicator. Another important result was that the socioeconomic situation of the region had a substantial and significant effect on all models tested when the highest income level was compared to the lowest. Thus, for a possible reduction of health inequalities, the very determinants of social inequalities should be taken into account in addition to determinant or associated health factors. However, it should be noted that state action alone in the health area has the potential to act in determining the health conditions of the circumscribed population in each health region, even when considering the unequal distribution of socioeconomic factors in these territories.


Keywords


Public Policy, Health Policy, Public Expenditures, Healthcare Disparities, Population Health

Full Text:

PDF

References


Abrucio, L.2006. Para além da descentralização: os desafios da coordenação federativa no Brasil. In: Fleury, Sonia (org). Democracia, descentralização e desenvolvimento: Brasil e Espanha. Rio de Janeiro: FGV.

Agranonik, Marilyn. Técnicas de Diagnóstico Aplicadas ao Modelo de Regressão Logística. [s. l.]. Trabalho de conclusão de graduação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Matemática. Curso de Estatística: Bacharelado. 2006. Disponível em: . Acesso em ‎16‎ de ‎jan.‎ de ‎2018.

Albuquerque, M, Viana, A. 2015. Perspectivas de região e redes na política de saúde brasileira. Saúde debate, Rio de Janeiro, v.39, n. spe, p. 28-38. http://dx.doi.org/10.5935/0103-1104.2015S005390.

Barata, R. 2009. Como e por que as desigualdades sociais fazem mal à saúde [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ. Temas em Saúde collection. 120 p. ISBN 978-85-7541-391-3. AvailablefromSciELO Books

Brasil, Decreto 7508 de 28 de junho de 2011. 2011. Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Diário Oficial da União.

Carvalho, R et al. 2015.Desigualdades em saúde: condições de vida e mortalidade infantil em região do nordeste do Brasil. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 49, 5

Coburn, D, Coburn, E. 2014. Saúde e Desigualdades em Saúde em um Mundo Globalizado Neoliberal. In: Aspetos Econômicos da Equidade em Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Dachs, J. 2002. Determinantes das desigualdades na auto-avaliação do estado de saúde no Brasil: análise dos dados da PNAD/1998. Ciência&SaúdeColetiva, 7(4): 641-657

Dallolio, S. et al. Socio-economic factors associated with infant mortality in Italy: an ecological study. 11, [s. l.], v. 45, p. 1–5, 2012.

Fischer et al. 2007. A mortalidade infantil no Brasil: série histórica entre 1994-2004 e associação com indicadores socioeconômicos em municípios de médio e grande porte. Medicina (Ribeirão Preto).40:559

Giovanella, L. 2016. Regionalização deve diminuir desigualdades. http://www.resbr.net.br/regionalizacao-deve-diminuir-desigualdades.WK70j9LyjIU. Acessado em 23 Fev. 2017

Gacitúa-Marió, Woolcock, M. 2005. Uma avaliação da exclusão social e da mobilidade no Brasil. In: ______, organizadores. Exclusão social e mobilidade no Brasil. Brasília, DF: IPEA, Banco Mundial; p. 15- 43

Giroalmo, C.; Martino, A. 2015. Desigualdades em Saúde: ideias para uma reflexão teórica. In: Merhy, E.; Stefanini, A.; Martino, A. Problematizando Epistemologias na Saúde Coletiva: Saberes da Cooperação Brasil e Itália. Porto Alegre : Rede UNIDA; Bolonha: CSI-Unibo. 17-37.

Gujarati, D. N.; Porter, D. C. 2011. Econometria Básica. 5nd. ed. [s.l.]: AMGH Editora Ltda.

Guimarães, Z et al. 2001. Declínio e desigualdades sociais na mortalidade infantil por diarréia. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba, v.34, n. 5, p. 473-478.

Long, J, Freese, J. 2001. R EGRESSION M ODELS FOR C ATEGORICAL D EPENDENT V ARIABLES USING S TATA. [s.l.] : Stata Press.

Lima-Costa et al A. 2006. A. Evolução das desigualdades sociais em saúde entre idosos e adultos brasileiros: um estudo baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 1998, 2003). Ciência & Saúde Coletiva, 11(4): 941-950.

Medeiros, M. O que faz os ricos ricos: o outro lado da desigualdade brasileira. São Paulo: Editora Hucitec, 2005. 300 p.

Mesa-Lago, C. 1992. O sistema de saúde brasileiro: seu impacto na pobreza e na desigualdade. ABACO. Revista de Cultura y CienciasSociales, [s. l.], v. 41, n. 1992, p. 115–131.

Noronha, K, Andrade, M. 2002. ‘Desigualdades sociais em saúde: evidências empíricas sobre o caso brasileiro’, Revista Econômica do Nordeste 32(Especial), 877–897.

Olson et al. 2010. Impact of Income and Income Inequality on Infant Health Outcomes in the United States. Pediatrics, [s. l.], v. 126, n. 6, p. 1165–1173.

Castro, et al. 2015. Saúde, Desenvolvimento Econômico e Desigualdade nos Municípios do Rio Grande do Sul: um Estudo sobre Gasto Público e Idese. Análise Econômica,,ano 33, n. 64, p. 7-26.

Pelegrini, Castro. 2012. J. D. Expectativa de Vida e Gastos públicos em saúde. Revista Análise Econômica - E-ISSN: 2176-5456.

Paim, J.S.2009. O que é o SUS. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Ramos, M, Angel, J.. 2010. Os investimentos públicos em saúde e a mortalidade dos idosos no sul do Brasil: uma análise regionalizada. Redes, v. 15, n. 1, p. 89-103.

Santos, L, Campos, G. 2015. SUS Brasil: a região de saúde como caminho. Saúde Sociedade.v.24, n.2, p.438-446.

Shaw, M. et al. 2006. Poverty, social exclusion, and minorities. In: MARMOT, M.; WILKINSON, R., Ed(s).Social Determinants of Health. Oxford University Press.

Silva, L. M. et al. 1999. Desigualdades na mortalidade, espaço e estratos sociais. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 33, n. 2, p. 187-197.

Ugá, Maria Alícia, et al. 2003. Descentralização e alocação de recursos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Ciência&SaúdeColetiva. v. 8. n. 2. p. 417-437.

Viana; Silva, H., Saúde e Desenvolvimento no Brasil : Argumentos para promover a cidadania em tempos difíceis. planejamento e políticas públicas, [s. l.], v. n. 49.

Whitehead M. 1990.The concepts and principles of equity and health. Copenhagen.

Whitehead, M. 1990.The concepts and principles of equity and health. Copenhagen

WHO. 2008. Commission on Social Determinants of Health. Closing the gap in a generation, Geneva: World Health Organization.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-279

Refbacks

  • There are currently no refbacks.