Evidenciação de riscos e a relação com a governança corporativa em concessionárias de rodovias Brasileiras / Evidence of risks and the relationship with corporate governance in Brazilian highway concessionaires

Márcia Zanievicz da Silva, Claudiane Michaltchuk Granemann, Dalana Fischer

Abstract


As privatizações de modo geral e aqui se destacam as privatizações de rodovias, tem papel importante no desenvolvimento do país, pois viabilizam a execução de serviços que prioritariamente seriam do estado, vislumbrando o aumento da qualidade de execução destes. Por outro lado, essas concessões potencializam a importância de aspectos relativos à mitigação de riscos. Neste contexto, o estudo analisa a relação entre a evidenciação de riscos contidos nos relatórios da administração e nas notas explicativas das concessionárias de rodovias em relação às características da Governança Corporativa. A pesquisa delineou-se através de um estudo descritivo, documental e com uma abordagem quantitativa, utilizando como parâmetro os sete componentes da gestão de riscos sugeridos através do modelo COSO (2004). A amostra compreendeu as dezenove empresas do segmento de Exploração de Rodovias, listadas na BM/BOVESPA, no ano de 2015. Os principais resultados apontaram uma relação inversa entre a variável de governança corporativa presença de comitê de auditoria e o grau de evidenciação de riscos.


Keywords


Gerenciamento de Riscos; COSO; Relatório da Administração; Notas Explicativas; Governança Corporativa

References


AMORELLI, Lara. Brazilian Federal Road Concessions: New challenges to the regulatory framework. Institute of Brazilian Business and Management Issues, Minerva Program, George Washington University, Washington, DC, USA, 2009.

APREDA, Rodolfo. Corporate governance in Argentina: The outcome of economic freedom (1991–2000). Corporate governance: an international review, v. 9, n. 4, p. 298-310, 2001.

ARAÚJO ALMEIDA, Moisés. Evolução das práticas de governança corporativa e desempenho das empresas brasileira de capital aberto não listadas em bolsa. 2008.

ASSAF NETO, Alexandre. Finanças corporativas e valor. São Paulo: Atlas, 2003.

BATHALA, Chenchuramaiah T.; RAO, Ramesh P. The determinants of board composition: An agency theory perspective. Managerial and decision economics, v. 16, n. 1, p. 59-69, 1995.

BHIMANI, Alnoor. Risk management, corporate governance and management accounting: Emerging interdependencies. Management Accounting Research, v. 20, n. 1, p. 2-5, 2009.

BOONE, A.L.; FIELD, L.C.; KARPOFF, J.M.; RAHEJA, C.G. The determinants of corporate board size and composition: an empirical analysis. Journal of Financial Economics, 85, p. 66-101, 2007.

BRANSON, B. Enterprise risk management: current initiatives and issues. Journal of Applied Finance, Apr. 2008.

BUSHMAN, Robert M.; SMITH, Abbie J. Transparency, financial accounting information, and corporate governance. Financial Accounting Information, and Corporate Governance. Economic Policy Review, v. 9, n. 1, 2003.

CERVO,A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 5ª. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

CHING, Hong Yuh; COLOMBO, Thalita Maricone. Gestão de risco nas empresas do segmento Novo Mercado: um estudo exploratório. Revista de Economia e Administração, v. 11, n. 2, 2012.

CHUNG, Yong-seung et al. On heavy dustfall observed with explosive sandstorms in Chongwon-Chongju, Korea in 2002. Atmospheric Environment, v. 37, n. 24, p. 3425-3433, 2003.

COMMITTEE OF SPONSORING ORGANIZATIONS OF THE TREADWAY COMMISSION. Enterprise risk management, integrated framework. Jersey City: AICPA, Sept. 2004. (Executive summary).

COSO and the rise of enterprise risk management. Accounting, Organizations and Society, 39(5), 309-330.

CROUHY, M; GALAI, D; MARK, D. Essentials of risk Management. McGraw-Hill Professional, 2005.

DAL MAGRO, Cristian Baú; FILIPIN, Roselaine; FERNANDES, Francisco Carlos. Gestão de riscos: análise da evidenciação de riscos nas concessionárias de rodovias listadas na Bovespa com base na metodologia COSO. ConTexto, v. 15, n. 30.

DEMSETZ, H.; VILLALONGA, B. Owner ship structure and corporate performance. Journal of Corporate Finance, v. 7, Issue 3, September 2001, p. 209–233. 2001.

FAMÁ, Rubens. Estrutura de Governança e Valor das Companhias Abertas Brasileiras. RAE – Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 3, jul./set. 2003.

FERNANDES, F. C.; SILVA, M.; DOS SANTOS, F. T. Informações sobre gestão de riscos nas IANs das empresas listadas no novo mercado da Bovespa. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 2, n. 3, p. 36-55, 2009.

FERNANDES, F. C.; SOUZA, J. A. L.; FARIA, A. C. Evidenciação de riscos e captação de recursos no mercado de capitais: um estudo do setor de energia elétrica. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, v. 13, n. 1, p. 59–73, 2010.

GONÇALVES, R. M. L.; BRAGA, M. J. Determinantes de risco de liquidez em cooperativas de crédito: uma abordagem a partir do modelo logit multinomial. Revista de Administração Contemporânea, v. 12, n. 4, p. 1019-1041, 2008.

GOULART, André Moura Cintra. Evidenciação contábil do risco de mercado por instituições financeiras no Brasil. 2003. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

GREGORY, Holly J. International comparison of selected corporate governance guidelines and codes of best practice. New York, Weil, Gotshal et Manges LLP, 2003.

GRIMSEY, Darrin; LEWIS, Mervyn K. Evaluating the risks of public private partnerships for infrastructure projects. International Journal of Project Management, v. 20, n. 2, p. 107-118, 2002.

GUEST, P.M. The determinants of board size and composition: evidence from the UK. Journal of Corporate Finance, v.14, p 51–72, 2008.

HAIR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. 5 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HENDRIKSEN E. S.; VAN BREDA, M. F. Teoria da contabilidade. 5ª. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HO, Simon SM; WONG, Kar Shun. A study of the relationship between corporate governance structures and the extent of voluntary disclosure. Journal of International Accounting, Auditing and Taxation, v. 10, n. 2, p. 139-156, 2001.

HOPE, Warren T. Introdução ao Gerenciamento de Riscos, Rio de Janeiro, FUNENSEG, 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa. 4. ed. São Paulo: IBGC, 2010.

JENSEN, Michael C. The modern industrial revolution, exit, and the failure of internal control systems. The Journal of Finance, v. 48, n. 3, p. 831-880, 1993.

JENSEN, Michael C.; MECKLING, William H. Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of financial economics, v. 3, n. 4, p. 305-360, 1976.

JOHN, Kose; SENBET, Lemma W. Corporate governance and board effectiveness. Journal of Banking & Finance, v. 22, n. 4, p. 371-403, 1998.

JORION, P. Value at risk: the new benchmark for managing financial risk. 3. ed. New York: McGraw- Hill Professional, 2006.

KALLAMU, BasiruSalisu; SAAT, NurAshikinMohd. Corporate Strategy, Corporate Governance And Performance Of Financial Institutions In Malaysia. Corporate Ownership & Control, p. 386. 2014.

KLOMAN, F. (1992). Rethinking risk management. The Geneva Papers on Risk and Insurance, 17(64), 299-313.

LA PORTA, R.; SHLEIFER, A.; LOPES-DE-SILANES, F., VISHNY, R.. Investor protection and corporate governance. Journal of Financial Economics, Rochester, v.58, p.3-27, out.2000.

LANZANA, Ana Paula. Relação entre disclosure e governança corporativa das empresas brasileiras. 2004. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

LAUDELINO, J. A. S. Evidenciação de riscos de empresas que captam recursos no mercado de capitais brasileiro: um estudo do setor de energia elétrica. 2008. 206 f. Dissertação (Mestrado Contabilidade) - Fundação Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2008.

LEE, S. C.; LIN, C. T. An accounting-based valuation approach to valuing corporate governance in Taiwan. Journal of Contemporary Accounting & Economics, v. 6, p. 47-60, 2010.

LEVRAU, Abigail et al. Corporate governance and Board Effectiveness: beyond formalism. ICFAI Journal of Corporate Governance, v. 6, n. 4, p. 58-85, 2007.

LIANG, Neng; LI, Joanne. Board structure and firm performance: New evidence from China’s private firms. In: Academyof Management AnnualConference. 1999. p. 7-10. Disponível em: Https://www.researchgate.net/publication/228381731_Board_Structure_and_Firm_Performance_New_Evidence_from_China

LINCK, James S.; NETTER, Jeffry M.; YANG, Tina. The determinants of board structure. Journal of Financial Economics, v. 87, n. 2, p. 308-328, 2008.

LINSLEY, P. M., SHRIVES & PHILIP J. (2005). Transparency and the disclosure of risk information in the banking sector. Journal of Financial Regulation and Compliance, 13(3), 2005-213.

LIPTON, Martin; LORSCH, Jay W. A modest proposal for improved corporate governance. The business lawyer, p. 59-77, 1992.

MAIA, M. S. et al. Contribuição do sistema de controle interno para a excelência corporativa. Revista Universo Contábil, Blumenau, v. 1, n. 1, p. 54-70, jan./abr. 2005.

MALETTA, Bruno Vasques; COELHO, Fábio Henrique de Sousa. Modelos baseados em Simulação de Monte Carlo: Soluções para o cálculo do Value-at-Risk. 2005. Tese de Doutorado. Dissertação (Mestrado em Administração).

MARSHALL, Christopher. Medindo e gerenciando riscos operacionais em instituições financeiras. Qualitymark Editora Ltda, 2002.

MARTIN, N. C.; SANTOS, L. R.; DIAS FILHO, J. M. Governança empresarial, riscos e controles internos: a emergência de um novo modelo de controladoria. Revista contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 15, n. 34, p. 7-16, jan./abr. 2004.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas, 2007.

MENDES-DA-SILVA, Wesley; GRZYBOVSKI, Denize. Efeitos da governança corporativa e da performance empresarial sobre o turnover de executivos no Brasil: comparando empresas familiares e não-familiares. Revista de Administração Mackenzie, v. 7, n. 1, 2008.

MINETO, Carlos Augusto Laffitte et al. Percepção ao risco e efeito disposição: uma análise experimental da teoria dos prospectos. 2005.

MORAES, J. C. F. "Análise da eficácia da disseminação de conhecimentos sobre controle internos após sua implementação no Banco do Brasil."2003.

OKIMURA, Rodrigo Takashi; SILVEIRA, Alexandre Di Miceli da; ROCHA, Keyler Carvalho. Estrutura de propriedade e desempenho corporativo no Brasil. RAC-Eletrônica, v. 1, n. 1, p. 119-135, 2007.

PENA, Fernando E. Das privatizações às parcerias público-privadas: o Brasil numa perspectiva comparada. Dissertação (mestrado em administração pública) — Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, Fundação João Pinheiro, Belo Horizonte, 2008.

PÉREZ, Jaime Díaz. Retos de la colaboración público-privada para el desarrollo de infraestructuras públicas (PPP). Boletín Económico do ICE, n. 3012, p. 15-21, 2011.

PORTELLA, LEMA. Risco de liquidez? uma aplicacao ao mercado financeiro brasileiro. 2007. 60 f. Diss. Dissertacao (Mestrado em Economia)-Faculdade de Economia e Financas, IBMEC, Sao Paulo, 2007.

REDDY, Krishna; LOCKE, Stuart; SCRIMGEOUR, Frank. The efficacy of principle-based corporate governance practices and firm financial performance: An empirical investigation. International Journal of Managerial Finance, v. 6, n. 3, p. 190-219, 2010.

ROBERTS, John; MCNULTY, Terry; STILES, Philip. Beyond agency conceptions of the work of the non‐executive director: Creating accountability in the boardroom. British Journal of Management, v. 16, n. s1, p. S5-S26, 2005.

SAMARTINI, A. L. S. Modelos com variáveis aplicadas à mensuração de importância de atributos. 2006. 154f. Tese (Doutorado em Administração) Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, 2006.

SHLEIFER, Andrei; VISHNY, Robert W. A survey of corporate governance. The journal of finance, v. 52, n. 2, p. 737-783, 1997.

SILVEIRA, Alexandre Di Miceli da. Governança corporativa, desempenho e valor da empresa no Brasil. 2002. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

SILVEIRA, Alexandre Di Miceli da; BARROS, Lucas Ayres Barreira de Campos;

STUCHI, Luciano Gabas. Quantificação de risco de crédito: uma aplicação do modelo Creditrisk+ para financiamento de atividades rurais e agroindustriais. 2003. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

STULZ, René M. Rethinking risk management. Journal of applied corporate finance, v. 9, n. 3, p. 8-25, 1996.

THOMSON, Campbell. Public-private partnerships: prerequisites for prime performance. EIB Papers, v. 10, n. 2, p. 113-129, 2005.

TORRIJÓS, Jesús G. La financiación de la colaboración público-privada: El Project Finance. Presupuesto y Gasto Público, n. 45, p. 175-185, 2006.

TRAPP, A. C. G.; CORRAR, L. J. Avaliação e gerenciamento do risco operacional no Brasil: análise de caso de uma instituição financeira de grande porte. Revista Contabilidade & Finanças, v. 16, n. 37, p. 24-36, 2005.

v9, n3, p8-24, 1996.

VAFEAS, Nikos. Board structure and the informativeness of earnings. Journal of Accounting and Public policy, v. 19, n. 2, p. 139-160, 2000.

VAN DEN BERGHE, Lutgart AA; LEVRAU, Abigail. Evaluating Boards of Directors: what constitutes a good corporate board?. Corporate Governance: an international review, v. 12, n. 4, p. 461-478, 2004.

ZONATTO, V. C. S.; BEUREN, I. M. Categorias de riscos evidenciadas nos relatórios da administração das empresas brasileiras com ADRs. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 12, n. 35, p. 141-155, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv4n4-182

Refbacks

  • There are currently no refbacks.