Análise do perfil dos colaboradores de uma STARTUP/Analysis of the profile of the employees of a STARTUP

Maria Luiza Souza Caetano, Tábata Fernandes Pereira

Abstract


Muito se fala que o ativo mais precioso das corporações são as pessoas que compõem o quadro de funcionários, que utilizar a cultura organizacional de forma estratégica é um dos passos para se alcançar o sucesso. Sendo assim, faz-se importante conhecer e acompanhar o perfil dos colaboradores e verificar se tal perfil vem de encontro com os objetivos da organização, em empresas de menor porte, como startups, tal fator é ainda mais crítico, pois cada membro contribui com partes sensíveis à organização. Outra questão é que empresas desse segmento possuem a característica de crescimento grande e rápido, e o quadro de funcionários precisa acompanhar, tornando crucial conhecer os colaboradores, a fim de ter assertividade nas contratações. Desta forma o presente artigo realizou a análise dos colaboradores de uma startup e identificou que em sua maioria os colaboradores são jovens que almejam por desafios e crescimento profissional, que não estão procurando por estabilidade e sim por aprendizado, sinalizando assim para empresa possíveis formas de engajar tal grupo e reduzir o turnover.


Keywords


Cultura organizacional, Análise de perfil, Startup.

References


ALONSO-ALMEIDA, M.; LLACH, J. Socially responsible companies: Are they the best workplace for millennials? A cross‐national analysis. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, v. 26, p. 238-247, 2019.

ALVES, P. D. E., & CEOLIN, A. C. (2019). Estratégias de diferenciação por meio de inovação: um estudo de caso em uma pequena empresa/Differentiation strategies through innovation: a case study in a small company. Brazilian Journal of Development, 5(1), 167-180.

BECTON, J.; et al. Social media snooping on job applicants - The effects of unprofessional social media information on recruiter perceptions. Personal Review, v. 48, n. 5, p. 1261-1280, 2019.

DA SILVA, F. R., DE SOUZA SILVA, R., DA SILVA AZÊVEDO, H. S. F., DE AZEVEDO, J. M. A. (2020). Gestão da cultura organizacional no Instituto Federal: limites, desafios e rotatividade docente na Amazônia Sul Ocidental. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 6, p. 39536-39458.

MARTINS, M. Clima organizacional. Em SIQUEIRA, M.(Org.), Medidas do Comportamento Organizacional: Ferramentas de diagnóstico e de gestão (p. 31-42). Porto Alegre: Artmed, 2008.

MARTINS, R. Abordagens quantitativa e qualitativa. Em MIGUEL, P. (Org.), Metodologia de pesquisa para engenharia de produção e gestão de operações (p. 47-63). Rio de Janeiro: Elsevier: ABEPRO, 2014.

MCDONALD, P.; THOMPSON, P.; O'CONNOR, P. Profiling employees online: shifting public–private boundaries in organisational life. Human Resource Management Journal, v. 26, n. 4, p. 541-556, 2016.

OLIVEIRA, A. Identificação organizacional. Em SIQUEIRA, M.(Org.), Medidas do Comportamento Organizacional: Ferramentas de diagnóstico e de gestão (p. 181-190). Porto Alegre: Artmed, 2008.

PAZ, M.; NEIVA, E. O Poder Discriminante da Escala de Configuração do Poder Organizacional na Perspectiva Macro Organizacional e sua Utilização como Instrumento de Caracterização do Perfil Cultural das Organizações. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, v. 14, n. 2, abr-jun, p. 153-168, 2014.

PEREIRA, T. L., RESENDE, L. M., PONTES, J. (2019). Modelo teórico da relação da cultura organizacional na efetividade dos elementos da gestão da qualidade/Theoretical model of the relation of the organizational culture in the effectiveness of the elements of the quality management. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 11, P. 24866-24881.

PRODANOV, C.; FREITAS, E. Metodologia do trabalho científico: Métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo: Freevale, 2013. 277 f.

RAMOS, G. R., DE ASSIS SILVA, W., SELEME, R., MARQUES, M. A. M., & GRESSLER, F. (2020). Comparação entre metodologias de gerenciamento de projetos ágil e tradicional: Um estudo de caso em uma Startup de pequena escala/Comparison between agile and traditional project management methodologies: Case study on a small-scale Startup. Brazilian Journal of Development, 6(3), 15025-15047.

RICH, L.; RICH, J.; HAIR, J. The influence of organizational culture on how we define and pursue goals. Journal of Organizational Effectiveness: People and Performance, v. 5, n. 3, p. 259-277, 2018.

ROBBINS, S. Comportamento organizacional. 11 ed. São Paulo: Pearson Pretice Hall, 2005.

ROMANI, M. Estimação de prêmio de risco de Startup. 2014. 51 f. Dissertação (Mestrado em Finanças e Economia Empresarial) – Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2014.

RUSSO, G. Diagnóstico da cultura organizacionais: o impacto dos valores organizacionais no desempenho das terceirizações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

SANTOS, L. C. M., PRADO, E. P. V., & CHAIM, M. L. (2020). Técnicas e ferramentas para detecção de vulnerabilidades em ambientes de desenvolvimento ágil de software/Techniques and tools for detection of vulnerabilities in software agile development environments. Brazilian Journal of Development, 6(6), 33921-33941.

SCHEIN, E. Guia de sobrevivência da cultura corporativa. Rio de Janeiro: José Olympio, 2001.

SILVA, A. et al. Gestão de pessoas como alicerce nas organizações: Aspectos relevantes na condução do capital humano. Revista Conbrad, v. 1, n. 1, p. 137-156, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-272

Refbacks

  • There are currently no refbacks.