Percepção de risco em segurança dos alimentos por manipuladores, uma revisão / Perception of risk in food safety by handlers, a review

Estefânia Prates Rodrigues, Paulo Túlio de Souza Silveira, Edvaldo Nascimento Costa, Mariana Teixeira Rodrigues Vila, Daniela Souza Ferreira

Abstract


A segurança dos alimentos é um fator importante a ser estudado, ela indica que o alimento não irá causar dano ao consumidor quando estiver sendo preparado e/ou consumido de acordo com o seu uso. Os manipuladores de alimentos são peças chaves para que os alimentos sejam preparados com segurança, por isso é importante que seja estudo a sua percepção de risco. Percepção de risco é entendida com o julgamento subjetivo das pessoas sobre a incerteza e os possíveis efeitos adversos relacionados à higiene. Diversos fatores interferem nessa percepção e quando estudados, tem como objetivo de resultado uma melhor qualidade dos alimentos. Por isso, é importante que sejam realizados estudos para melhorar a qualidade da percepção de risco dos manipuladores de alimentos.


Keywords


Controle de Qualidade, Percepção de Riscos, Segurança dos alimentos.

References


ABNT ISO/TS 22000:2019 – Sistemas de Gestão de Segurança dos Alimentos: Requisitos para qualquer organização na cadeia produtiva de alimentos. ABNT ISO 22000:2019, São Paulo, 2019.

AKUTSU, R. C.; BOTELHO, R. A.; CAMARGO, E. B.; SAVIO, K. E. O.; ARAUJO, W. C. Adequação das boas práticas de fabricação em serviços de alimentação. Revista Nutrição, Campinas, v. 18. n. 3, p. 419-427, 2005.

AMANCIO, R. D. Condições higiênico-sanitárias e percepção de risco dos agentes envolvidos no sistema produtivo, comercialização e consumo do Queijo Minas Frescal. Tese de Doutorado – Universidade de São Paulo – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, São Paulo. 176 p. 2019.

ANGULO, A. M., GIL, S. M. Risk perception and consumer willingness to pay for certified beef in Spain. Food Quality and Preference, 18 (8) (2007), pp. 1106-1117.

ANSARI-LARI, M; SOODBAKHSH, S; LAKZADEH, L. Knowledge, attitudes and practices of workers on food hygienic practices in meat processing plants in Fars, Iran. Food Control. n.21, p.260-263, 2010.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DA ALIMENTAÇÃO – ABIA. O mercado de food service no Brasil. São Paulo: ABIA, 2010. 131 p.

ATALLAH, N. A.; CASTRO, A. A. Revisões sistemáticas da literatura e metanálise: a

melhor forma de evidência para tomada de decisão em saúde e a maneira mais rápida de atualização terapêutica. Diagnóstico & Tratamento, v. 2, n. 2, p. 12-15, 1997.

BARBOSA, F. G. Alimentos seguros: percepção dos manipuladores. Dissertação de Mestrado – USP. 105 f. 2014.

BRASIL. Instrução normativa n° 60, de 23 de dezembro de 2019. Estabelece as listas de padrões microbiológicos para alimentos. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Publicado em: 26/12/2019 | Edição: 249 | Seção: 1 | Página: 133. Disponível em: Acesso em: 01 jan. 2020.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Doenças transmitidas por alimentos: causas, sintomas, tratamento e prevenção. 2019.Disponível em: . Acesso em 21 de janeiro de 2020.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Surtos de Doenças Transmitidas por Alimentos no Brasil. 2019.Disponível em: . Acesso em 23 de janeiro de 2020.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº. 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre regulamento técnico de Boas Práticas para serviços de alimentação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 15 set., 2004. Seção 1, p.101-162.

BOLTON, D. J.; MEALLY, A.; BLAIR, I. S.; MCDOWELL, D. A.; COWAN, C. Food safety knowledge of head chefs and catering managers in Ireland. Food Control, 19 (3) (2008), pp. 291-300

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION (CDC). Estimates of Foodborne Illness in the United States. USA. 2018.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION (CDC). Salmonella general information, technical information, prevention. USA. 2013.

CODEX ALIMENTARIUS COMMISSION. Codez Alimentarius. General Requirements. 2 ed. Rome: Food and Agriculture Organization of the United Nations, 1997.

COELHO, R. P.; TOLEDO, J. C. de. Safety programs for the feed industry: characterization and perceived benefits of the implementation. Gest. Prod., São Carlos, v. 24, n. 4, p. 704-718, 2017.

CORDEIRO, A. M.; OLIVEIRA, G. M.; RENTERÍA, J. M.; GUIMARÃES, A. G. Revisão Sistemática: Uma revisão narrativa. Rev. Col. Bras. Cir; v. 34, n. 6. 2007.

DA CUNHA, D. T.; STEDEFELDT, E.; DE ROSSO, V. V. Perceived risk of foodborne disease by school food handlers and principals: the influence of frequent training. Journal of Food Safety, London, v. 32, p. 219-225, 2012.

DA CUNHA, D. T.; DE OLIVEIRA, A. B. A; SACOOL, A. L. F.; TONDO, E. C.; SILVA JUNIOR, E. A.; GINANI, V. C. S. Food safety of food services within the destinations of the 2014 FIFA World Cup in Brazil: Development and reliability assessment of the official evaluation instrument. Food Research International, 57.2014, pp. 95 - 103

DA CUNHA, D. T., STEDEFELDT, E., DE ROSSO, V. V. He is worse than I am: The positive outlook of food handlers about foodborne disease. Food Quality and Preference, 35. 2014a, pp. 95 – 97

DA CUNHA, D. T., BRAGA, A. R. C., PASSOS, E. D. C., STEDEFELDT, E., ROSSO, V. V. DE. The existence of optimistic bias about foodborne disease by food handlers and its association with training participation and food safety performance. Food Research International, 75. 2015, pp. 27 – 33.

FALCÃO, R. K. Programa de treinamento para manipuladores de alimentos em unidade de alimentação e nutrição hospitalar. Brasília – DF, 2001. 24 f. Monografia (Especialização em Qualidade em Alimentos) – Centro de Excelência em Turismo, Universidade de Brasília – UNB.

FDA. Report on the Occurrence of Foodborne Illness Risk Factors in Selected Institutional Foodservice, Restaurant, and Retail Food Store Facility Types. 2009.

FERREIRA, J. S.; CERQUEIRA, E.S.; CARVALHO, J. S.; OLIVEIRA, L. C.; COSTA W. L. R.; CASTRO ALMEIDA, R. C.; Conhecimento, atitudes e práticas em segurança alimentar de manipuladores de alimentos em hospitais públicos de salvador, BAHIA. Revista baiana de saúde pública v.37, Suplemento 1, p.35-55 jan./mar. 2013.

FONSECA, M.T. Tecnologias gerenciais de restaurantes. 2. ed. São Paulo: SENAC, 1999. 158 p.

GALHARDI, M. G. Boas Práticas de Fabricação. Módulos do centro de excelência em turismo da Universidade de Brasília. Brasília: Universidade de Brasília; 2002.

GEORGE, R. V., HARSH, H. O., RAY, P., BABU, A. K. Food quality traceability prototype for restaurants using blockchain and food quality data index. Journal of Cleaner Production. Volume 240, 10 December 2019, 118021

GOMES, J.C. Legislação de alimentos e bebidas. Viçosa: UFV, 2007. 635p.

GONZALEZ, C. D.; PERRELLA, N. G.; RODRIGUES, R. L.; GOLLÜCKE, A. P. B.; SCHATTAN, R. B.; TOLEDO, L. P. Conhecimento e percepção de risco sobre higiene alimentar em manipuladores de alimentos de restaurantes comerciais. Nutrire, São Paulo, v. 34, n. 3, p. 45-56, dez. 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: primeiros dados. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. 69 p.

KINE, M. K., OLSEN, P., DONNELLY, K. A. Implementing traceability: Practical challenges at a mineral water bottling plant.British Food Journal, 112 (2) (2010), pp. 187-197.

LELES, P. A.; PINTO, P. S. A.; TÓRTORA, J. C. O. Talheres de restaurante self-service: contaminação microbiana. Higiene Alimentar, São Paulo, v. 19, n. 131, p. 72-76, 2005.

MACHADO, R. L. P. Boas práticas de armazenagem na indústria de alimentos. Rio de Janeiro: Embrapa Agroindústria de Alimentos, 2000. 28p. (Embrapa Agroindústria de Alimentos. Documentos, 42).

MARTINS, R. B.; HOGG, T.; OTERO, J. G. Food handlers' knowledge on food hygiene: The case of a catering company in Portugal. Food Control, 23 (1) (2012), pp. 184-190

MCCARTHY, M., BRENNAN, M., KELLY, A. L, RITSON, C., BOER M. DE, THOMPSON, N. Who is at risk and what do they know? Segmenting a population on their food safety knowledge. Food Quality and Preference, 18 (2) (2007), pp. 205-217.

OLIVEIRA, M. N.; BRASIL, A. L. D.; TADDEI, J. A. A. G. Avaliação das condições higiênico-sanitárias das cozinhas de creches públicas e filantrópicas. Ciências & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 1051-1060, 2008.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Estimates of the Global Burden of Foodborne Diseases: Foodborne Disease Burden Epidemiology Reference Group 2007-2015. 2015.

OVCA, A.; JEVSNIK, M.; KAVCIC, M.; RASPOR, P. Food safety knowledge and attitudes among future professional food handlers. Food Control.

Volume 84, February 2018, Pages 345-353

POPKIN BM, ADAIR LS, NG SW. Global nutrition transition and the pandemic of obesity in developing countries. Nutr Rev. 2012; 70(1):3-21. Disponível em: . Acesso em 15 de outubro de 2019.

POPKIN BM. The nutrition transition: an overview of world patterns of change. Nutr Rev. 2004; 62 (7 Pt 2):S140-3. Disponível em: . Acesso em 15 de outubro de 2019

PROENÇA, R. P. C. Inovação tecnológica na produção de alimentação coletiva. 2. ed. Florianópolis: INSULAR, 2000. 135 p.

PIRAGINE, K. O. Aspectos higiênicos e sanitários do preparo da merenda escolar na rede estadual de ensino de Curitiba. 2005. 122f. Dissertação – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005.

RODRIGUES, G. A. Programa de treinamento para manipuladores de alimentos. Brasília – DF, 2003. 49 f. Monografia (Especialização em Qualidade em Alimentos) – Centro de Excelência em Turismo, Universidade de Brasília – UNB.

ROSSI, M. S. C.; STEDEFELDT, E.; DA CUNHA, D. T.; ROSSO, V. V. Food safety knowledge, optimistic bias and risk perception among food handlers in institutional food services. Food Control, Guildford, article in press, p. 1-8, 2016.

ROWELL, A. E.; BINKLEY, M., ALVARADO, C., THOMPSON, L. BURRIS, S. Influence of food safety training on grocery store employees’ performance of food handling practices. Food Policy. Volume 41, Augus. 2013, Pages 177-183.

SEBRAE. Como montar uma rotisseria. Disponível em: Acessado, 31 de outubro de 2019.

SILVA, J. A. As novas perspectivas para o controle sanitário dos alimentos. Revista Higiene Alimentar 1999; 13(65): 19-25

SOTO, F. R. M., RISSETO, M. R., CAZZOLA, C. P. B., ALVES, L. C. R., BALIAN, S. C., MALDONADO, A. G. PINHEIRO, S. R., TALLES, E. O. Proposta e análise crítica de um protocolo de inspeção e de condições sanitárias em supermercados do município de Ibiúna- SP. Rev Bras Epidemiol. 2006; 9(2): 235-41.

SOUZA, L. H. L. A manipulação inadequada dos alimentos: Fator de contaminação. Revista Higiene Alimentar, Rio de Janeiro, v. 20, n. 146, p. 32 - 39. nov. 2006

VASCONCELOS, A. C. FILHO, C. D. C. Perfil epidemiológico das refeições servidas em restaurantes do município de Camaçari, Bahia. Revista Higiene Alimentar. Vol. 25, nº 192. 2010

XIONG, J.; LIU, Y.; XIE, X. Mental representation of food safety incidents: An exploration. Acta Scientiarum Naturalium Universitatis Pekinensis. Volume 47, Edição 1, Janeiro de 2011, Páginas 175-184.

ZANIN, L. M.; DA CUNHA, D. T.; STEDEFELDT, E.; CAPRILES, V. D. Seafood safety: Knowledge, attitudes, self-reported practices and risk perceptions of seafood workers. Food Research International. 67. 2015, pp. 19 – 24.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-248

Refbacks

  • There are currently no refbacks.