Estudo observacional entre fatores de risco à saúde em adolescentes do curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano/IF BAIANO/Campus Senhor do Bonfim/BA / Observational study among health risk factors in adolescents of the Technical Course in Agriculture Integrated to High School of the Federal Institute of Education, Science and Technology of Bahia/IF BAIANO/Campus Senhor do Bonfim/BA

Gabriel de Oliveira Lima, Jaciara Gomes da Silva Lima, José Aurimar dos Santos Angelim, João Luís Almeida Feitosa, Juracir Silva Santos, Jadson de Oliveira Lima

Abstract


Este estudo foi realizado entre os anos de 2012 - 2013 e teve como objetivo caracterizar os resultados entre os fatores de risco relacionados à saúde na adoção de comportamentos em adolescentes do curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio do IFBAIANO/Campus Senhor do Bonfim/BA, obedecendo os mesmos protocolos de mensurações, com os mesmos estudantes e com coletas de dados durante o primeiro bimestre de cada ano. A composição da amostra do primeiro levantamento foi de 337 adolescentes de ambos os sexos com idades entre 13 a 18 anos, destes 187 do sexo feminino e 150 do sexo masculino e com médias de idades 13,46 ± 1,43 e 14,07 ± 1,58 respectivamente. No segundo levantamento, um ano depois, o estudo contou com 230 estudantes de ambos os sexos, 127 do sexo feminino e 103 do sexo masculino, com média de idades 14,24 ± 0,73 e 14,13 ± 0,81 respectivamente. Para a realização do estudo foram aplicados questionários autoadministrados sobre nível socioeconômico, hábitos alimentares e uso de drogas. Para análise estatística foi utilizado o software SPSS for Windows, utilizando a estatística descritiva e teste “t” Student. Os resultados mostraram que apesar da maioria dos participantes serem classificados com elevada prevalências de fatores de risco à saúde, houve redução proporcional de 4,0%, dos jovens classificados socioeconomicamente da “classe C” de 65,0% para 61,0%. Para os hábitos alimentares, os resultados mostraram que quando comparado a classificação “hábitos saudáveis e relativamente saudáveis” entre os dois levantamentos, também houve redução para aqueles estudantes que foram classificados como “alimentam-se adequadamente” de 76,2% para 69,5%. Quanto ao o uso de drogas, o resultado foi o mesmo de 1,0%, daqueles que afirmaram que “fumam ocasionalmente”. Em relação ao consumo de bebidas alcoólicas, apesar dos valores elevados, houve reduções para aqueles que afirmaram “já ter experimentado”, em 2012, 60,2%, e em 2013, 55,3%, contudo aumento para aqueles que responderam que bebem “uma vez por semana” de 8,0% para 14,6%, respectivamente. Portanto, o estudo demonstrou, que embora houve reduções para fatores de risco à saúde, os resultados se mantiveram elevados e que podem levar a comportamentos que causam doenças.


Keywords


comportamentos, drogas, adolescentes, saúde.

References


ABEP. Critérios de classificação econômica Brasil. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. 2003. Acesso em: 25 out 2006.

BAR-OR, O. A epidemia de obesidade juvenil: A atividade física é relevante?. Sports Science Exchange. (38) jul/ago/set. 2003.

BAR-OR, O. Obesity. Champaing: Human Kinects Publishers. In Barry Goldberg. Sports and exercise for children with chronic health conditions. P.335-353, 1995.

BRANEN, L. e FLETCHER, J. Comparison of college student`s current eating habits and recollection of their food practices. Journal of Nutrition Education. 31(6): 304-310. 1999.

BRITO, A. L. D. S.; HARDMAN, C. M.; BARROS, M. V. G. DE. Prevalência e fatores associados à simultaneidade de comportamentos de risco à saúde em adolescentes. Revista Paulista de Pediatria, v. 33(4), p. 423–430, 2015.

CAVANDINI, C. et al. Adolescents food intake trends from. Disease in Childhood, 83(1); 18-24, 2000.

CRUZ LZ, ANDRADE MS, PAIXÃO GPN, Silva RS, Maciel KMN, Fraga CDS. Conhecimento dos adolescentes sobre contracepção e infecções sexualmente transmissíveis. Adolesc Saude.15(2):7-18 2018.

FARIAS JÚNIOR, J.C.; PIRES, M.C.; LOPES, A.S. Medidas de reprodutibilidade de um questionário para o levantamento de informações sobre comportamentos relacionados à saúde em adolescentes. Rev. Bras Ciênc Mov, 10(3): 43-48, 2002.

FEIJÓ, Ricardo Becker. OLIVEIRA, Ércio Amaro. Comportamento de risco na adolescência. Jornal de Pedriatria, vol. 77, Sup. 2, 2001.

GABRIEL, I.R.; MORAIS, G.L.; PEREIRA, E.V.; CAETANO, E.S.; VOLPATO, A.M.J.; FARIAS, J.M. Atividade física e aptidão física de escolares do Município de Criciúma. Braz. J. of Deveop., v. 6, n. 6, p. 34911-34920, 2020.

GLANZ, K. Teoria num relance. Um guia para a prática da promoção da saúde. In: Promoção da saúde, modelos e práticas de intervenção nos âmbitos da actividade física, nutrição e tabagismo. Faculdade de Motricidade Humana. Fmh edições. Lisboa, 1999.

GUEDES, D. P. et al. Níveis de prática de atividade física habitual em adolescentes. Rev Bras Med Esporte, 7(6): 187-199, 2001.

GUEDES, E. R. P. & GUEDES, D. P. Características dos programas de educação física escolar. Rev Paulis de Educação Física, 11 (1); 49-62, jan/jun. SP, 1997.

IBGE, Pesquisa de Padrão de Vida. Ver home page do IBGE, 1998. Disponível em: Acesso em 21 jul 2008.

IBGE, . INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAIFA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE). Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

LIMA, Jadson de Oliveira. Comportamentos de risco à saúde: estudo em adolescentes do ensino médio do município da Barra dos Coqueiros, Sergipe, Brasil. (Dissertação de Mestrado). Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju – SE, 2008.

MALTA, D. C. et al. Fatores associados aos ferimentos em adolescentes, a partir da Pesquisa Nacional de Saúde dos Escolares (PeNSE 2012). Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 17 Suppl 1, n. PeNSE 2012, p. 183–202, 2014.

MARGARIDA, G. M., SUSANA, F. C., JOSÉ, A. D. Factores de associados à prática de atividade física nos adolescentes portugueses., 1 (XX): 57-66. 2002

MAZZARDO, O.; WATANABE, P. I. Comportamentos de risco à saúde entre adolescentes de acordo com gênero , idade e nível socioeconômico. n. December, 2015.

OMS - Programación para la salud y el desarrollo de los adolescentes. Organización Mundial de La Salud, Genebra, 1999.

NATIONAL INSTITUTE ON DRUG ABUSE. National Institutes of Health, High school and youth trends. . Acesso em: 17 Mar 2001.

PAYNE, W. A.; HAHAN, D. B. Understanding your health. 7 th Edition, New York: McGraw-Hill. (2002).

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K. Métodos de pesquisa em atividade física. 3ed. Porto Alegre: Artemed.2002.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-257

Refbacks

  • There are currently no refbacks.