Síntese de Proteína Microbiana em Caprinos criados a Pasto no Semiárido / Synthesis of Microbial Protein in Goats Raised on Pasture in the Semiarid Region

Kedes Paulo Pereira, Antonia Sherlânea Chaves Véras, Dulciene Karla de Andrade Silva, Jucelane Salvino de Lima, Gladston Rafael de Arruda Santos, Fernando Lucas Torres de Mesquita, Maria Josilaine Matos dos Santos Silva, Marcia Mourão Ramos Azevedo

Abstract


 Este trabalho teve como objetivo estimar a síntese de proteína microbiana através dos derivados de purina em caprinos criados a pasto com ou sem suplementação, de acordo com a época do ano: Experimento 1 - época de transição chuva-seca de junho a setembro de 2008; e Experimento 2 – época de transição seca-chuva de setembro a dezembro do mesmo ano. No primeiro experimento foram utilizados 16 caprinos sem padrão de raça definida, castrados, com peso vivo médio inicial de 16 kg ± 0,23 kg e aproximadamente 90 dias de idade, submetidos a período de adaptação ao ambiente e ao manejo durante 15 dias e alocados em dois tratamentos: pastejo à vontade e pastejo restrito. No segundo experimento foram utilizados 18 caprinos sem padrão de raça definida, castrados, com peso vivo médio inicial de 15,5 kg ± 0,22 kg e aproximadamente 90 dias de idade, submetidos a um período de adaptação ao ambiente e ao manejo durante 15 dias e distribuídos em três tratamentos: pastejo à vontade sem suplementação; pastejo à vontade mais suplementação com palma forrageira e farelo de soja; e pastejo restrito. O volume urinário e excreções de creatinina diferiram significativamente entre tratamentos nos dois experimentos. No entanto, para creatinina plasmática, creatinina urinária e clearence creatinina não foi observada diferença entre tratamentos nos dois experimentos. O pastejo à vontade diferiu do pastejo restrito para xantina e hipoxantina em mg/dL, não apresentando paras as demais unidades e para o ácido úrico e alantoína no primeiro experimento. Contudo, foi constatada diferença entre os tratamentos no segundo experimento para xantina e hipoxantina em mg/PC, mmol/dia e alantoína em mmol/dia não diferindo para demais variáveis e o ácido úrico. Não houve diferença entre os tratamentos para os derivados de purinas, purinas absorvidas, nitrogênio microbiano e proteína bruta microbiana no experimento 1, diferindo em toas as variáveis no experimento 2. Caprinos criados em condições de pastejo em área de caatinga com ou sem restrição alimentar não apresentam diferença na concentração dos derivados de purinas nem na síntese de proteína microbiana na época de transição chuva-seca. Contudo, na época de transição seca-chuva , quando são suplementados ou mantidos a pasto sem restrição, apresentam maior produção de proteína microbiana quando comparado com caprinos em condição de restrição alimentar. Caprinos em pastejo restrito apresentam produção satisfatória de derivados de purina e proteína microbiana nos períodos de transição chuva-seca e seca-chuva na caatinga.


Keywords


caatinga, xantina, proteína, microrganismos, rúmen

References


ANDRADE-MONTEMAYOR, H.; GASCA, T.G.; KAWAS, J. Ruminal fermentation modification of protein and carbohydrate by means of roasted and estimation of microbial protein synthesis. Revista Brasileira Zootecnia, v.38, p.277-291, 2009.

BELENGUER, A.; D. YANEZ, J.; BALCELLS, N. H. et al. Urinary excretion of purine derivatives and prediction of rumen microbial out flow in goats. Livestock Production Science, n.77, p.127–135, 2002.

CANNAS, A. Tannins: fascinating but sometimes dangerous molecules. Itaka, 1999. Disponível em http://www.aNSci.cornell.edu/plants/toxicagents/tannin . Acessado 10/12/2013.

CHAMPE, P.C.; HARVEY, R.A. 1996. Bioquímica ilustrada. 2. ed. Porto Alegra: Artes Médicas, 427p.

CHEN, X.B.; GOMES, M.J. 1992. Estimation of microbial protein supply to sheep and cattle based on urinary excretion of purine derivatives – an overview of technical deteils. (O ccasional publication) INTERNATIONAL FEED RESEARCH UNIT. Buchsburnd. Aberdeen: Rowett Research Institute. 21p.

FERREIRA, M.A.; SILVA F.M.; BISPO, S.V. Estratégias na suplementação de vacas leiteiras no semi-árido do Brasil. Revista Brasileira Zootecnia, v.38, supl. Especial, p.322-329, 2009.

FONSECA, C.E.M. et al. Estimativa da produção microbiana em cabras lactantes alimentadas com diferentes teores de proteína na dieta. Revista Brasileira Zootecnia, v.36, n.3, p.1158-1177, 2006.

GIESECKE, D.; EHRENTREICH, L.; STANGASSINGER, M. Mammary and renal excretion of purine metabolites in relation to energy intake and milk yield in dairy cows. Journal. Dairy Science, v.77, n.8, p. 2376-2381, 1994.

HALL, M.B. Recentes avanços em carboidratos não fibrosos na nutrição de vacas leiteiras. In: Simpósio Internacional de Bovinocultura de Leite: Novos conceitos em nutrição. Lavras. Anais... Lavras: Universidade Federal de Lavras, p.149-159. 2001.

HARUN, N.L.A. et al. Effects of feeding goats with Leucaena leucocephala and Manihot esculenta leaves supplemented diets on rumen fermentation profiles, urinary purine derivatives and rumen microbial population. Journal of Applied Animal Research, v.45, n.1, p. 409-416, 2017.

IAEA-TECDOC-945. Estimation of rumen microbial protein production from purine derivatives in urine, IAEA/FAO, Publication, Vienna, n.49, 1997.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. 2017. Censo agropecuário: resultados preliminares. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/3093/agro_2017_resultados_preliminares.pdf . Acessado em 22/09/2020.

KOZLOSKI, G.V.; FIORENTINI, G.; HARTER, C.J.; SANCHEZ, L.M.B. Uso da creatinina como indicado da excreção urinária em ovinos. Ciência Rural, v.35, n.1, p.98-102, 2005.

LEHNINGER, A.L. 1995. Biosíntese e atualização da energia das ligações de fosfato. v.2, Ed. Edgard Blucher LTDA.

MACÊDO, A.J.S. et al. A cultura da palma, origem, introdução, expansão, utilidades e perspectivas futuras: Revisão de Literatura. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 8, p. 2967-62987, 2020.

MOORBY, J.M. et al. Effects of dairy cow diet forage proportion on duodenal nutrient supply and urinary purine derivative excretion. Journal of Dairy Science, v.89, n.9, p.3552-3562. 2006.

NASCIMENTO, A.C.O. 2005. Estimativa da produção de urina e dos derivados de purina em caprinos alimentados com rações à base de palma forrageira. 2005. 36p. Dissertação (mestrado em Zootecnia) Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

NATIONAL RESEARCH COUNCIL - NRC. 2001. Nutrient requirements of beef cattle. 7.ed. Washington, D.C.: National Academy. 242p.

PEREZ, J.F. et al. Determination of rumen microbial nitrogen production in sheep: a comparison of urinary purine excretion with methods using 15N and purine bases as markers of microbial-nitrogen entering the duodenal. British Journal of Nutrition, v.75, p.699-709, 1996.

REECE, W.O. Equilíbrio hídrico e excreção. In: DUKES, H. H. 1996. Fisiologia dos animais domésticos. 11. ed. Rio de Janeiro, Editora Guanabara Koogan, 856p.

SANTOS, K.L. 2008. Balanço De Minerais e Função Renal em Caprinos Recebendo Dietas a Base de Palma Forrageira e Diferentes Níveis de Casca de Soja. 2008. 41f. Dissertação (mestrado em Zootecnia) Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

SCHUTTE, J.E. et al. Total plasma creatinine: an accurate measure of total striated muscle mass. Journal of Applied Physiology, v.51, p.762-766, 1981.

SILVA, D.J.; QUEIROZ, A.C. 2002. Análise de alimentos (métodos químicos e biológicos). Viçosa, MG: UFV. 165p.

SILVA, F.F. et al. Aspectos do metabolismo de nitrogênio. In: ÍTAVO, L.C.V. e ÍTAVO, C.C.B.F. (eds.). Nutrição de Ruminantes: aspectos relacionados à digestibilidade e ao aproveitamento de nutrientes. Campo Grande: UCDB, cap.9, p.171-184, 2005.

SNIFFEN, C.J.; O’CONNOR, J.D.; VAN SOEST, P.J. et al. A net carbohydrate and protein system for evaluating cattle diets: II. Carbohydrate and protein availability. Journal of Animal Science, v.70, p.3562-3577, 1992.

SNIFFEN, C.J.; ROBINSON, P.H. Microbial growth and flow as influenced by dietary manipulations. Journal. Dairy Science, n.70, v.1, p.425-441, 1987.

SOUZA, E.J.O. et al. Comportamento ingestivo e ingestão de água em caprinos e ovinos alimentados com feno e silagem de Maniçoba. Revista Brasileira de Saúde Produção, v.11, p.1056-1067, 2010.

STATISTICAL ANALYSIS SYSTEM - SAS. User´s guide: statistics. Version 8.0. Cary: 1999.

VALADARES FILHO, S.C. 1997. Digestão pós-ruminal de proteínas e exigências de aminoácidos para ruminantes. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE DIGESTIBILIDADE EM RUMINANTES, 1997, Lavras. Anais... Lavras: UFLA/FAEPE, p.87-113.

VALADARES, R.F.D. et al. Effect of replacing alfafa silage with high moisture corn on ruminal protein synthesis estimated from excretion of total purine derivates. Journal of Dairy Science, v.82, n.12, p.2686-2696, 1999.

VAN SOEST, P.J. 1994. Nutritional ecology of the ruminants. 2.ed., Ithaca: Cornell University. 476p.

VAN SOEST, P.J.; ROBERTSON, J.B.; LEWIS, B.A. Methods for extraction fiber, neutral detergent fiber and mostarch polysaccarydes in relation to animal nutrition cows. Journal Dairy Science, v.83, n.10, p.3583-3597, 1991.

YU, P.; EGAN, A.R.; BOON-EK, L. et al. Purine derivative excretion and ruminal microbial yield in growing lambs fed raw and dry roasted legume seeds as protein supplements. Animal Feed Science and Technology, v.95, p.33-48, 2002.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-247

Refbacks

  • There are currently no refbacks.