Rio Crixás, ação antrópica e os impactos ambientais no Rio Crixás, no município de Santa Terezinha de Goiás – 2000/2017/ Crixás River, anthropic action and the environmental impacts on the Crixás River, in the municipality of Santa Terezinha de Goiás - 2000/2017

Antônio Pasqualetto, Gean Pablo Ázara Souza, Ubirajara de Lima Ferreira, Fudio Matsuura

Abstract


Os recursos hídricos sofrem impactos significativos da ação antrópica, posto que podem vir a se esgotar, caso seu uso seja indiscriminado. O objetivo deste artigo foi analisar as condições ambientais decorrentes da ação antrópica e os impactos ambientais, que levaram à redução gradativa do volume de água, ocasionados no período compreendido entre os anos 2000 e 2017 no Rio Crixás, tendo em vista as exigências da sustentabilidade ambiental e os ODS – Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, Agenda ONU 2030. Utilizou-se o Sistema de Coordenadas Geográficas (SIG) pelo Sistema Estadual de Geoinformação de Goiás (SIEG), imagem satélite usando a ferramenta Google Earth, coordenadas latitude S 14º 25´ 11,884´´e longitude 49º43´50,295´´W. Escolheu-se dados de medição a cada cinco anos, em 2000, 2005 e 2010, bem como um comparativo nos últimos três anos de 2015, 2016 e 2017, realizando as médias das variações do volume de água constatado na Estação Fluviométrica Uirapuru. Observou-se oscilações de volume de água, em escala decrescente até os dias atuais.


Keywords


Ação Antrópica, Impactos Ambientais, Rio Crixás.

References


BRASIL. Lei Federal nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997, Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 17 jul de 2001.

BRASIL. Lei n º 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção de vegetação nativa. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF,28.05.2012.

BRASIL. Lei n º. lei nº 6.938 de 31.08.1981. Dispõe sobre a proteção de vegetação nativa. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 31.08.1981.

CONAMA, Conselho Nacional do Meio Ambienta. Resolução nº 1, de 23 de janeiro de 1986. "Dispõe sobre critérios básicos e diretrizes gerais para avaliação de impacto ambiental". Publicada no Diário Oficial da União em 17/02/1986, Brasília, DF,1986.

ESTEVES, F. A. Fundamentos de limnologia. 3. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2011.

FREITAS, E.P.; MORAES, J.F.L.; FILHO AFONSO, P.; STORINO, M. Indicadores ambientais para áreas de preservação permanente. Revista Brasileira Engenharia Agrícola e Ambiental, v.17, n.4, p.443–449, 2013.

GUERRA, A. J. T., SILVA, A. S., BOTELHO, R. G. M. (Ed.). 2007. Erosão e Conservação dos Solos: Conceitos, Temas e Aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

GOIS, L. Elaboração de Mapas e Sensoriamento Remoto, LAPIG/SIEG. Utilizou-se softwares Arcgis 10.5, Qgis e Envi 4.7 utilizou-se as coordenadas latitude S 14º 25´ 11,884´´e longitude 49º43´50,295´´W (2018).

GOIÁS. IMB - Instituto Mauro Borges. População Censitária dos Municípios Goianos. Disponível em http://www.imb.go.gov.br/index.php?option=com_content&view= Acesso em 02/10/2018.

MARENGO, NOBRE, C.A.; SELUCHI, ME.; CUARTAS, A.; ALVES, L.M.; MEDIONDO, E.M.; OBREGÓN,G.; SAMPAIO, G. A Seca e a Crise Hídrica de 2014-2015 em São Paulo. Revista Universidade de São Paulo (USP), N. 106, P.31-44,2015. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i106p31-44.

MENDONÇA, D.S.; MAGALHÃES, S.C.M.; TRINDADE, W.M. Água e saúde: uma análise do córrego entre rios em Pirapora-Mg. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, Hygeia, v.11, n.20, p. 189 - 200, jun, 2015.

MORAES, M.E.B.; LORANDI, R. Métodos e técnicas de pesquisa em bacias hidrográficas. Ilhéus, BA: Editus, 2016, 283p.

ONUBR. Nações Unidas no Brasil. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, Agenda 2030. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/ Acesso em 03/10/2018.

REBOUÇAS, A. C. (Ed.). 2006. Águas Doces no Brasil: Capital Ecológico, Uso e Conservação. São Paulo: Escrituras Editora.

SOUZA, G.L.R. História do Agronegócio no Brasil. Folha Acadêmica do CESG, nº 13, p.13-15, São Gotardo, MG, 2017.

SUHUGUSOFF, V.G., PILIACKAS, J.M. Breve histórico da ação antrópica sobre os ecossistemas costeiros do Brasil, com ênfase nos manguezais do estado de São Paulo. Integração, Butantã, n. 51. p. 343-351, out. 2007.

VIEIRA, R. R.M.A. A utilidade das matas ciliares como área de preservação permanente. Jus Navigandi, Teresina, ano 18, n. 3725, set., 2013. Disponível em: . Acesso em 02/10/2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-243

Refbacks

  • There are currently no refbacks.