Perfil epidemiológico das internações por linfoma não-hodgkin durante a última década no Brasil / Epidemiological profile of hospitalization for non-hodgkin lymphoma during the last decade in Brazil

José João Felipe Costa de Oliveira, Vitoria Cruz Torres, Ana Cláudia da Silva Fernandes Duarte, Renata Lins Wanderley, Gabriel José Torres da Silva, Zion Carvalho da Silva, Amanda Araújo Souza, Emannuela Bernardo da Silva, Thiago José Matos-Rocha

Abstract


Os linfomas não-Hodgkin (LNH) constituem um grupo diverso de cânceres que se desenvolvem em células B ou T, classificados de acordo com diversos fatores e sendo mais comum que o linfoma de Hodgkin. Nesse contexto, o trabalho tem como finalidade a caracterização de um perfil epidemiológico das internações dos casos de LNH evidenciados no Brasil nos últimos dez anos. Para tal, foi realizado um estudo exploratório com dados secundários, sobre a epidemiologia das internações por LNH em estabelecimentos públicos e privados durante o período de 2010 a 2019, obtidos pelo Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH) do DataSUS e utilizando as varáveis: internação, caráter de atendimento, regiões do país, sexo, raça/etnia, faixa etária e número de óbitos. Por meio da análise dos dados, observou-se que o ano de maior registros foi o de 2019 com 17.351 internações, a região sudeste se sobressai como a mais acometida ocupando 49,8% das internações e os idosos se destacam como a população de evolução fatal (50,6%). Assim, sendo necessária uma atenção especial as diversas apresentações clínicas, para assim, estabelecer o melhor tratamento possível, principalmente na população senil, que independente do ano, região e raça é a faixa etária mais atingida por esse mal.

 


Keywords


Linfoma não-Hodgkin; internações; Brasil; perfil epidemiológico.

References


Monteiro, Talita Antonia Furtado et al . Linfoma de Hodgkin: aspectos epidemiológicos e subtipos diagnosticados em um hospital de referência no Estado do Pará, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude, Ananindeua , v. 7, n. 1, p. 27-31, mar. 2016 . Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S217662232016000100003&lng=pt&nrm=iso. Acessado em 01 jul. 2020.

Swedlow SH, Campo E, Harris NL, et al., eds. WHO Classification of Tumours of Haematopoietic and Lymphoid Tissues. Lyon, France: International Agency for Research on Cancer; 2008.

INSTITUTO NACIONAL DO CANCER (INCA) PRÓ-ONCO. Linfoma Não-Hodgkin, Disponível:. Acessado em 01 jul. 2020.

Shaffer AL3rd, Young RM, Staudt LM. Pathogenesis of human B cell lymphomas. Annu Rev Immunol 2012;30:565-610. 10.1146/annurev-immunol-020711-075027 22224767.

Parkin DM. 11. Cancers attributable to infection in the UK in 2010. Br J Cancer 2011;105(Suppl 2):S49-56. 10.1038/bjc.2011.484 22158321.

Morton LM, Slager SL, Cerhan JR, etal . Etiologic heterogeneity among non-Hodgkin lymphoma subtypes: the InterLymph Non-Hodgkin Lymphoma Subtypes Project. J Natl Cancer Inst Monogr 2014;2014:130-44. 10.1093/jncimonographs/lgu013 25174034.

Bowzyk Al-Naeeb A, Ajithkumar T, Behan S, Hodson DJ. Non-Hodgkin lymphoma. BMJ. 2018;362:k3204. Published 2018 Aug 22. doi:10.1136/bmj.k3204.

Chaganti S, Illidge T, Barrington S, etal. British Committee for Standards in Haematology. Guidelines for the management of diffuse large B-cell lymphoma. Br J Haematol 2016;174:43-56. 10.1111/bjh.14136 27196701.

Ardeshna KM, Smith P, Norton A, etal. British National Lymphoma Investigation. Long-term effect of a watch and wait policy versus immediate systemic treatment for asymptomatic advanced-stage non-Hodgkin lymphoma: a randomised controlled trial. Lancet 2003;362:516-22. 10.1016/S0140-6736(03)14110-4 12932382.

Ardeshna KM, Qian W, Smith P, etal . Rituximab versus a watch-and-wait approach in patients with advanced-stage, asymptomatic, non-bulky follicular lymphoma: an open-label randomised phase 3 trial. Lancet Oncol 2014;15:424-35. 10.1016/S1470-2045(14)70027-0 24602760.

Blum KA. B-cell receptor pathway modulators in NHL. Hematology Am Soc Hematol Educ Program 2015;2015:82-91. 10.1182/asheducation-2015.1.82 26637705.

Ministério da Saúde, Instituto Nacional do Câncer.ABC do Câncer: Abordagens Básicas para o Controle do Câncer. INCA. Rio de Janeiro, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-239

Refbacks

  • There are currently no refbacks.