A Comunicação e a Cultura do Papel na Conciliação Juslaboral / Communication and the Culture of Role in Juslaboral Conciliation

Lauro Stankiewicz

Abstract


Considerando a repercussão dos conflitos entre empregado e empregador e a indicação do legislador no sentido de que a conciliação é a melhor forma de solução dos litígios, analisa-se a comunicação como possibilidade de obtenção do propósito legalmente almejado, verificando o paradigma comunicacional que propicia a exteriorização da vontade, para o atingimento do diálogo não tendencioso. Valendo-se dos avanços tecnológicos, mas preservando a cultura da escrita e da assinatura dos litigantes, busca- se identificar o simbolismo do papel, em função de que o descarte temporário do procedimento redundou em reiterados questionamentos, afetando, também, a satisfação dos contendores que passaram a sensação no sentido de que a cidadania foi minimizada, pois a acessibilidade ao judiciário e a celebração do acordo perderam a formalidade e a relevância que devem ter dentro do contexto social.


Keywords


conciliação, comunicação, cultura do papel.

References


ARISTÓTELES, Política. Tradução de Therezinha Monteiro Deutsch e Baby Abrão. São Paulo: Nova Cultural, 2000, (Os Pensadores).

BARBOSA, Marialva. Escravos e o mundo da comunicação: oralidade, leitura e escrita no século XIX, 1a edição. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016.

BATALHA, Wilson de Souza Campos. Tratado de direito judiciário do trabalho. 3a edição. São Paulo: Ltr, 1995.

BRAGA, José Luiz, Constituição do campo da comunicação. Revista Verso e Reverso, XXV, 2011, p. 62-77.

CAPPELLETTI, Mauro. Acesso à Justiça. Porto Alegre: Fabris, 1998.

CHARBONNEAU, Paul-Eugéne. Curso de Filosofia. Lógica e Metodologia. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária Ltda – EPTU. 1986.

CINTRA, Antonio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Cândico R.

Teoria Geral do Processo; São Paulo: Revista dos Tribunais, 1981.

FRANÇA, Vera. Paradigmas da comunicação: conhecer o quê? Revista Ciberlegenda, número 5, 2001, Disponível em http://www.uff.br/ciberlegenda/ojs/index.php/revista/article/view/314/195

JACQUARD, Albert. Filosofia para não-filósofos. Tradução de Guilherme João de Freitas Teixeira. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

LIMA, Miguel Luiz Santos de. Conciliação prévia trabalhista: obrigação da tentativa. 1a. Edição. Curitiba: Juruá 2009.

LOCKE, John. Segundo Tratado sobre o Governo. Tradução: Alex Martins. São Paulo: Martin Claret, 2002.

MAINGUENEAU.D A propósito do ethos. In: MOTTA, Ana Raquel; SALGADO, Luciana. (orgs.). Ethos discursivo. São Paulo: Contexto, 2008. p. 11-29.

MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. Manual esquemático de filosofia. São Paulo: Ltr, 2003.

MARTINS, Sérgio Pinto. Comissões de conciliação prévia e procedimento sumaríssimo. São Paulo: Atlas, 2000.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Tradução de Reginaldo Sant'Anna. 32A Edição – Civilização Brasileira, 2017.

SANTOS, Altamiro J. dos. Comissão de Conciliação Prévia: conviviologia jurídica e harmonia social. São Paulo: Ltr, 2001.

SILVA, Plácido de. Vocabulário Jurídico. 14a edição. Rio de Janeiro: Forense, 1998.

WILLIAMS, Raymond. A cultura é de todos. 1958. Tradução Maria Elisa Cevasco. Departamento de Letras. USP




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-217

Refbacks

  • There are currently no refbacks.