A origem da reforma psiquiátrica e uma amostra de cinema no caps de Itumbiara – GO / The origin of the psychiatric reform and a cinema sample at caps de Itumbiara - GO

Sabrina Andrade Rocha, Emilly Samara Muniz Bezerra, Geovana de Oliveira Irineu, Izabela Marcolino Momenté, Mariana Alves dos Santos, Patrícia Marques Vieira, Wellington Luís Cardoso Bessa

Abstract


A loucura ao longo do tempo foi encarada como algo que deveria ser isolado da sociedade que possuía os padrões comportamentais esperados e normais, por isso durante um bom tempo esteve segregada em instituições psiquiátricas. Nessas instituições os indivíduos com algum transtorno mental sofriam todo tipo de tortura/tratamento experimental imaginável, tratamentos esses que quase nunca visavam uma recuperação do sujeito e sim uma amenização dos sintomas que causavam desconforto nos demais. Atualmente após as indagações que surgiram com a reforma psiquiátrica, buscamos um olhar mais humano para com o sujeito com transtornos mentais, procurando ainda devolver-lhe esse status de indivíduo que durante muito tempo lhe foi retirado. Neste estudo, utilizou-se o cinema como método didático e de inclusão para os pacientes do CAPS em Itumbiara-GO. Foram realizados oito encontros com exibição de filmes que poderiam trabalhar fatores como autoconceito, emoções, resiliência, entre outros com os pacientes, além de rodas de conversas após cada sessão. É importante que se busque desenvolver projetos e oficinas nesse sentido, pois os usuários do CAPS demonstraram grande interesse por artes de forma geral. E por que não utilizar o cinema como uma maneira de reintegração desse indivíduo à sociedade o que afinal pode ser um passo na direção do que tanto buscamos com a reforma psiquiátrica.


Keywords


Reforma Psiquiátrica, Caps, Cinema.

References


DIMENSTEIN, Magda. La reforma psiquiátrica y el modelo de atención psicosocial en Brasil: en busca de cuidados continuados e integrados en salud mental. Revista CS, [S.l.], p. 43-72, jun. 2013. ISSN 2011-0324. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2020.

ENGEL, Magali Gouveia. Os delírios da razão: médicos, loucos e hospícios (Rio de Janeiro, 1830-1930). Rio de Janeiro, Editora Fiocruz. 2001.

FARINHA, Marciana Gonçalves; BRAGA, Tatiana Benevides Magalhães. Sistema único de saúde e a reforma psiquiátrica: desafios e perspectivas. Rev. abordagem gestalt., Goiânia , v. 24, n. 3, p. 366-378, dez. 2018. Disponível em . acessos em 25 set. 2020.

FONTE, Eliana Maria Monteiro. DA INSTITUCIONALIZAÇÃO DA LOUCURA À REFORMA PSIQUIÁTRICA: as sete vidas da agenda pública em saúde mental no Brasil. Estudos de Sociologia, 1, mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 24 Set. 2020.

GONCALVES, Alda Martins; SENA, Roseni Rosângela de. A reforma psiquiátrica no Brasil: contextualização e reflexos sobre o cuidado com o doente mental na família. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto , v. 9,n. 2, p. 48-55, abr. 2001. Disponível em: Acesso em: 24 set. 2020.

HIRDES, Alice. A reforma psiquiátrica no Brasil: uma (re) visão. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 14, n. 1, p. 297-305, Fev. 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 Set. 2020.

PERRUSI, Arthur. A lógica asilar acabou? Um estudo sobre as transformações na Psiquiatria Brasileira. In: FONTES, B. A. S. M.; FONTE, E. M. M. (Orgs.). Desinstitucionalização, Redes Sociais e Saúde Mental: Análise de Experiências da Reforma Psiquiátrica em Angola, Brasil e Portugal. Recife: Editora Universitária - UFPE, pp. 71-112. 2010.

ROTELLI, Franco. et al. Reformas Psiquiátricas na Itália e no Brasil: Aspectos Históricos e Metodológicos, Psiquiatria Sem Hospícios - Contribuições ao Estudo da Reforma Psiquiátrica. p. 41-55. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1992.

VENANCIO, Ana Teresa A.. Sobre a desinstitucionalização psiquiátrica: história e perspectivas. Hist. cienc. saude-Manguinhos, Rio de Janeiro , v. 14, n. 4, p. 1415-1420, Dez. 2007. Disponível em: . Acesso em 24 Set. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-213

Refbacks

  • There are currently no refbacks.