Vivência do familiar na qualidade de cuidador responsável pela diálise peritoneal domiciliar: baseado na teoria do autocuidado / Experience of the family member as the caregiver responsible for peritoneal dialysis at home: based on the theory of self-care

Tamires de Nazaré Soares, Kamille Giovanna Gomes Henriques, Milene Gouvêa Tyll, Amanda Christina Monteiro Souza, Eliette Assunção e Silva, Joyane Mesquita Gois Andrade, Claudia Rodrigues Costa, Lucas Geovane dos Santos Rodrigues, Paula Sousa Costa, Laís Silveira do Amaral Ferreira, Jonatas Monteiro Nobre, Suellen Reis Nogueira, Samily Guimarães Rocha, Francimeiry Antunes Santos, Priscila Lima Amaral, Laydiane Martins Pinto, Gabriel Vinícius Reis de Queiroz, Eduardo Silvano Costa dos Santos

Abstract


A Doença Renal Crônica (DRC) é uma das patologias que mais compromete o estilo de vida tanto físico, social, econômico, emocional de seus portadores, devido ao esgotamento gradual dos rins que, se não tratado, levará o paciente á óbito, as principais causas de perda da função renal no nosso meio são as doenças crônicas como hipertensão arterial (35% das causas), diabetes mellitus (28,5%) seguidas das glomerulonefrites (11,5%), objetivando conhecer o impacto da doença renal crônica na vida do familiar/ cuidador, do paciente em diálise peritoneal, a metodologia utilizada tratou-se de um estudo de abordagem exploratória, descritiva de cunho qualitativo, a pesquisa foi realizada após a aprovação do comitê de ética em pesquisa, no setor de hemodiálise do hospital de clínicas Gaspar Viana, durante o intervalo das consultas de seus entes cuidados, concluiu-se que o diagnóstico da doença renal crônica no âmbito familiar exigi um cuidador que faça a terapia dialítica e se responsabilize pelos cuidados no domicílio, de forma rigorosa. A maioria dos pacientes nessa atividade é realizada por apenas um familiar que geralmente é selecionado por afinidade ou por ser a única opção, sendo chamado de cuidador principal.


Keywords


Doença Renal; Diálise Peritoneal; Autocuidado.

References


ANDREOLI, M. C. C. Aspectos técnicos do pet e ktv Slanh, Rev. Med. 2014

ARAÚJO, F. E. et al. As práticas assistências de enfermagem na diálise peritoneal: Uma revisão Portugueses, Rev. Enfer. ,2015

BISCA, M. M.; MARQUES, ROSA, I. Perfil de diagnósticos de enfermagem antes de iniciar o tratamento hemodialitco. Universidade de santo amaro. Curso de enfermagem. Rev. Bras. Enferm. Brasília, São Paulo - SP 2010.

CARDOSO, S. et al. Diálise peritoneal: atuação do enfermeiro aos pacientes em tratamento dialítico domiciliar. Revista UNIANDRADE DOI

CARDOSO, L. B. et al, O enfermeiro frente ao processo de resiliência do paciente em tratamento hemodialítico. Revista Eletrônica da Faculdade, 2012.

CAVALCANTE R.B.O.A, et al. Experiências de Sistematização da assistência de Enfermagem no Brasil: um estudo bibliográfico. Rev. Enferm. UFSM. 2011.

CESAR, E. D.et al. A diálise peritoneal na vivência de familiares cuidadores. Rev. Rene. 2013.

FERNANDES, M. A. et al. Adaptação biopsicossocial de pacientes que vivenciam a hemodiálise. Rev. Pre. Infec e Saúde. 2015.

FERREIRA, J. J., Manifestação clínica de peritonite em pacientes que vivem com insuficiência renal crônica. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde, 2011.

FREITAS, T. F. et al. Enfermagem e ações educativas em portadores de insuficiência renal crônica. R. pesq.: Cuid. Fundam. 2010.

FUJII, C. D. C. et al. Fatores que dificultam a integralidade no cuidado em hemodiálise. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 2011;

MASCARENHAS, C. H. M. et al, Insuficiência renal crônica: Caracterização sócio demográfica e de saúde de pacientes em tratamento hemodialítico no município de Jequié/Ba. Revista Espaço para a Saúde, Londrina - PR, 2010.

MENEZES, L. C. G. et al, Prática de autocuidado de estomizados: contribuições da teoria de orem*, Rev Rene. 2013.

MOURA, J. A. N. et al. Modalidade de terapia renal substitutiva como preditora de sintomas depressivos. Rev. bras. psiquiatr. . 2013.

NANDA International. Diagnósticos de Enfermagem da Nanda. Definições e Classificações, 2012-2014.

NETO, O. M. V., ABENSUR, H. Diálise peritoneal: Manual prático: Uso diário ambulatorial e hospitalar. 1 ª edição, Livraria Balaiera, São Paulo - SP, 2013.

PEREIRA, E. R. et al Análise das principais complicações durante a terapia hemodialítica em pacientes com insuficiência renal crônica. Rev. Enferm. Cent. Omin, 2014.

RAMOS, B. L. Participação da família junto ao paciente em tratamento dialítico. Recife , 2012.

RIELLA, M. C. Princípios de nefrologia e distúrbios hidroeletrolíticos. Rio de Janeiro. 5 ed. Editora Guanabara Koogan, 2010.

RODRIGUES, I. G. et al. Estudos de enfermagem sobre a doença renal crônica. Rev. Enferm. UNISA. 2012.

SANTANA, Júlio César Batista et al. Assistência de enfermagem em um serviço de terapia renal substitutiva: Implicações no processo do cuidar. Revista de Enfermagem, Belo Horizonte – MG, 2012

SANTOS, F. K.; VALADARES, G. V. Conhecendo as estratégias de ação e interação utilizadas pelos clientes para o enfrentamento da diálise peritoneal. Esc. Anna Nery [online], 2013.

SILVA, J. S. A Teoria de Orem e sua aplicabilidade na assistência ao paciente renal crônico. Rev. Enferm UFPI. 2014.

SILVA, L. M. C.et al. Aposentados com diabetes tipo 2 na saúde da família em Ribeirão Preto, São Paulo - SP. Rev. Esc. Enferm. USP, 2010.

SILVA, V. M. et al. Aplicabilidade da Teoria do Autocuidado: evidências na bibliografia nacional, Rev. Enferm UNISA. 2012.

SMELTZER, S. C. et al. Brunner & Suddarth tratado de enfermagem médico- cirúrgica. Rio de Janeiro. 2°ed. Volume 2. Editora Guanabara Koogan, 2011.

SOARES, K. T. A. et al. Eficácia de um protocolo de exercícios físicos em pacientes com insuficiência renal crônica, durante o tratamento de hemodiálise, Fisioter. Mov., Curitiba – PR, 2011.

Sociedade brasileira de nefrologia. Dia mundial do rim. Disponível em http//arquivos.sbn.org.br/pdf/release.pdf. Acessado 12 de fevereiro de 2016.

TEIXEIRA, Juçara Moreira. Manual para a elaboração do trabalho de conclusão de curso (tcc). FAMA- Faculdade de Administração de Mariana 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-200

Refbacks

  • There are currently no refbacks.