Análise a partir das teorias do prospecto e da utilidade esperada com acadêmicos de duas instituições de ensino superior do Alto Vale do Itajaí-SC / Analysis based on prospect theories and expected utility with academics from two higher education institutions of the Alto Vale do Itajaí-SC

Bruna Heloísa da Cruz Faes, Lara Fabiana Dallabona, Marilei Kroetz, Rubens Staloch

Abstract


Ao falar em finanças comportamentais, o que de fato se faz é aproximar a Economia e a Psicologia, em que por meio dos aspectos psicológicos é possível analisar o comportamento dos agentes financeiros, neste caso, estudantes de duas Instituições de Ensino Superior. As Teorias da Utilidade Esperada (de caráter mais prescritivo) e do Prospecto (caráter mais descritivo) são asteorias que analisam tais comportamentos, chamados de vieses cognitivos, por meio dos efeitos: certeza, reflexo e isolamento, que por sua vez, influenciam nas decisões financeiras. Com isto, o estudo objetiva verificar o perfil do investidor e os efeitos das Teorias da Utilidade e do Prospecto a partir de um grupo de acadêmicos de duas Instituições de Ensino Superior do Alto Vale do Itajaí – SC. Para atender ao objetivo foi realizada uma pesquisa quantitativa, descritiva e de levantamento, utilizando questionário com 22 questões aplicadas em uma amostra de 276 acadêmicos, sendo 173 alunos da Instituição A e 103 da Instituição B. Os resultados mostram que jovens predominam entre os estudantes pesquisados em ambas instituições. Foi possível ainda, observar que a maior parte dos pesquisados se consideram com os perfis de investidor moderado a conservador. No entanto, em uma situação foi possível constatar uma tendência de uma parte considerável dos respondentes com um perfil de investidor agressivo. Quanto aos três efeitos da Teoria do Prospecto, de forma empírica foi possível constatar que, na Instituição A, se confirmou o efeito certeza e o efeito isolamento e na Instituição B, se confirmou o efeito reflexo.


Keywords


Finanças comportamentais; Teoria do Prospecto; Teoria da Utilidade Esperada; Acadêmicos

References


BERNOULLI, D.. Exposition of a new theory on the measurement of risk. Econometrica, v. 22, n. 1, p. 23-36, 1954.

CHEROBIM A. P. M. S; ESPEJO M.M.S.B. Finanças pessoais: conhecer para enriquecer! São Paulo: Atlas, 2010.

CUSINATO, R. T .Teoria da decisão sob incerteza e a hipótese da utilidade esperada: conceitos analíticos e paradoxos. 2003 174f. Dissertação mestrado curso de Pós-graduação em economia da UFRGS, Porto Alegre, 2003.

FRANKENBERG, L. Seu futuro financeiro. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

HAUBERT, F. L. C.; LIMA, C. R. M.; LIMA, M. V. A. Finanças Comportamentais: uma investigação com base na teoria do prospecto e no perfil do investidor de estudantes de cursos stricto sensu portugueses. Revista de Ciências da Administração, v. 16, n. 38, p. 183-195, 2014.

KAHNEMAN, D.; SMITH, V.. Fundamentos de Economia Comportamental e Experimental. AdvancedinformationonthePrize in EconomicSciences. 2002, 17. Dezembro, 2002

KAHNEMAN, D.; TVERSKY, Y. ProspectTheory: Na AnalysesofDecisionsunderRisk. Econometrica, v. 47, n. 2, p. 263-292, 1979.

KEYNES, John M. The General theoryofEmployment, Interestand Money. Cambridge: MacMillan Cambridge University Press, 1936.

LAVARDA, C. E. F; GUBIANI, C. A. Vieses cognitivos que influenciam a tomada de decisão orçamentária de alunos de programas de pós-graduação em ciências contábeis do Brasil. 2010 17f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis) - Instituição Regional de Blumenau, 2010

LIMA, V. L. Um estudo sobre finanças comportamentais. RAE-eletrônica, v. 2, n. 1, 2003.

MACEDO, J. S. Teoria do Prospecto: Uma Investigação Utilizando Simulação de Investimentos. 2003 203f. Tese de Doutorado apresentada no Programa de Engenharia de Produção e Sistemas da Instituição Federal de Santa Catarina, 2003.

MARSHALL, Alfred. Elementos de Economia Industrial. (1892). Coleção Os Clássicos.

MILANEZ, D. Y. Finanças comportamentais no Brasil. 2003. 53f. Dissertação (Mestrado em Economia das Instituições e do Desenvolvimento) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, São Paulo, 2003.

MINEIRO, A. A. C. Aplicação de programação não-linear como ferramenta de auxílio à tomada de decisão na gestão de um clube de investimento. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Instituição Federal de Itajubá, Itajubá, 2007.

MINETO, C. A. L. Percepção ao risco e efeito disposição: Uma análise experimental da teoria dos prospectos. 2005. 153 f. (Tese de Doutorado) - Instituição Federal de Santa Catarina (USFC), Florianópolis, 2005.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C.; “Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico”, 2. Edição, Novo Hamburgo, 2013. Acesso em: 15 de nov de 2016. Disponível em:

ROSSIMAR, L.O. Teoria do prospecto: como as finanças comportamentais podem explicar a tomada de decisão. Revista Pretexto, v. 16, n 3, p. 106-121, 2015.

SANTOS, B. Q. A. Finanças comportamentais: diversificação ingênua em planos de previdência de contribuição definida no Brasil. 2007. 69f. Dissertação (Mestrado em Administração) -Pontifícia Instituição Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

SCHMIDT, P.; OTT, E.; SANTOS, J.L.; FERNANDES A.C. Perfil dos alunos do curso de ciências contábeis de instituições de ensino do sul do Brasil. ConTexto,v. 12, n 21, p. 87-104, 2012

VARIAN, H. R. Microeconomia: uma abordagem moderna. 8ª Edição. Rio de Janeiro: Campus Elsevier, 2012.

VASCONCELLOS, M. A. S.; GARCIA, M.Fundamentos da Economia. 4. ed.São Paulo: Saraiva, 2012.

VIANNA, C.R.S. Avaliando questionários de risco e o comportamento do investidor sobre a ótica de behavioralfinance. 2005. 89f. Dissertação (Mestrado em Finanças e Economia Empresarial) - Fundação Getulio Vargas, 2005

YOSHINAGA, C. E.; RAMALHO, T. B. Finanças Comportamentais no Brasil: uma aplicação da teoria da perspectiva em potenciais investidores. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 16, n. 53, p. 594-615, 2014.

ZINDEL, M. T. L. Finanças comportamentais: o viés cognitivo excesso de confiança em investidores e sua relação com as bases biológicas. 2008 138f. Tese (Pós-Graduaçãoem Engenharia de Produção) - Instituição Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Florianópolis, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv4n4-180

Refbacks

  • There are currently no refbacks.