A Dinâmica da Fecundidade no Semiárido Brasileiro / Fecundity Dynamics in the Brazilian Semiarid

Neir Antunes Paes, Arthur Antônio Farias de Barros e Silva

Abstract


Foi observado que no Semiárido Brasileiro a fecundidade vem se reduzindo continuamente nas últimas décadas, refletindo uma tendência nacional. Com uma população de cerca de 22 milhões de habitantes em 2010, trata-se de uma região com características geográficas adversas com baixos níveis educacionais e econômicos, comparado com o Brasil como um todo. Estudos sobre a fecundidade para o semiárido são praticamente ausentes e não são claras as influências que programas sociais e de amparo do governo exercem sobre seu comportamento. Com esta motivação teve-se como objetivo estudar o relacionamento entre os níveis de fecundidade com níveis socioeconômicos, situação de domicílio e programas de proteção social do Semiárido Brasileiro. O estudo é focado nas 137 microrregiões da região levando em conta o porte populacional dos 1133 municípios, acompanhamento da saúde e educação dos membros de famílias beneficiárias do Projeto Bolsa Família, cobertura da Estratégia Saúde da Família e Índice de Desenvolvimento Humano dos Municípios. Para analisar as relações entre a fecundidade e estes fatores foi utilizada análise de regressão linear para 1991, 2000 e 2010. Observou-se para 2010 uma relação linear inversa com a qualidade de vida nos municípios medida pelo IDHM. A relação das TFT dos municípios em 2010 com os IDHM separados por seus portes populacionais revelou uma relação linearmente inversa, com exceção dos municípios com menos de 5.000 habitantes e de 100.001 a 500.000 habitantes. O relacionamento das TFT dos municípios com a cobertura do PBF e ESF mostrou-se com uma baixa correlação, embora tenha sido significativa. Ademais, foi desenvolvido um modelo de regressão logística para verificar as chances de um município no Semiárido estar abaixo ou acima no nível de reposição. Verificou-se que as maiores influencias estão relacionadas a renda e vulnerabilidade das mulheres menores de idade. Concluiu-se que a queda da fecundidade no Semiárido Brasileiro está diretamente relacionada com o tamanho populacional dos municípios e com a melhora na qualidade de vida. Os níveis da fecundidade apontaram para uma tendência decrescente e de homogeneização dos níveis entre os municípios do Semiárido brasileiro.


Keywords


Fecundidade, Semiárido Brasileiro, Regressão logística, Estratégia Saúde da Família, Vulnerabilidade, Programa Bolsa Família.

References


ALVES, J. E. D. A transição da fecundidade no Brasil entre 1960 e 2010. Aparte - Inclusão Social. Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

ALVES, J. E. D; CAVENAGHI, S. Transições urbanas e da fecundidade e mudanças dos arranjos familiares no Brasil. Cadernos de Estudos Sociais, 2012, v.27, n. 2, p. 91-114.

ARAUJO JUNIOR, A. F.; SALVATO, M.; QUEIROZ, B. L.. Desenvolvimento e Fecundidade no Brasil: Reversão da Fecundidade para Municípios mais Desenvolvidos?. Planejamento e Políticas Públicas, n. 41, 2013.

BERQUÓ, E., CAVENAGHI, S. Brazilian fertility regimes: profiles of women below and above replacement levels. Presented at the International Population Conference of the International Union for the Scientific Study of Population (IUSSP). Tours, France, July, 2005.

CAETANO, A. J. O declínio da fecundidade e suas implicações: uma introdução. In: Caetano, André Junqueira, Alves, José Eustáquio Diniz e Corrêa, Suzana (Orgs.), Dez anos do Cairo: tendências da fecundidade e direitos reprodutivos no Brasil. Campinas: ABEP e UNFPA, p. 11-19, 2004.

CARVALHO, M.A.J; BRITO, F.R. A demografia brasileira e o declínio da fecundidade no Brasil: contribuições, equívocos e silêncios. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 22, n. 2, p. 351-369, 2005.

HAIR JR et al. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2009.

INSA. Instituto Nacional do Semiárido. IDHM Síntese. Disponível em: . Acesso em: set. 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Áreas especiais. Semiárido brasileiro. 2010. Disponível em: . Acesso em: set. 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Indicadores Sociais Municipais 2010 – Rio de Janeiro, RJ: Diretoria de Pesquisas/Coordenação de População e Indicadores Sociais. 2011.

PAES, N. A. Demografia Estatística dos Eventos Vitais. Ed. CCTA, João Pessoa, PB, 2018.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO – PNUD, INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA, & FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO - FJP. (2012). Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Brasília, DF, 2003 3 2013. Disponível em: . Acesso em: set. 2016.

RIOS-NETO, E., LUIZ, G. Questões emergentes na análise demográfica: o caso brasileiro, em REBEP, São Paulo, Vol. 22, Nº 2, julho/dezembro, p. 371-408, 2005.

TAVARES, P. A., PAZELLO, E. T., FERNANDES, R., & CAMELO, R. D. S. Uma avaliação do Programa Bolsa Família: focalização e impacto na distribuição de renda e pobreza, 2009.

SOARES, S., & SÁTYRO, N. O Programa Bolsa Família: desenho institucional, impactos e possibilidades futuras (No. 1424). Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 2009.

SIMÕES, P., & SOARES, R. B. Efeitos do Programa Bolsa Família na fecundidade das beneficiárias. Revista Brasileira de Economia, v. 66, n. 4, p. 445-468, 201TAVARES, P. A., PAZELLO, E. T., FERNANDES, R., & CAMELO, R. D. S. Uma avaliação do Programa Bolsa Família: focalização e impacto na distribuição de renda e pobreza, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-169

Refbacks

  • There are currently no refbacks.