Movimentos sociais do campo como construtores de espaços educacionais e a relação com a Universidade / Social movements in the field as constructors of educational spaces and the relationship with the University

Yolanda Zancanella

Abstract


A pesquisa apresenta resultados das discussões e análises, sobre a relação da universidade e os movimentos sociais. O objeto de estudo é a formação superior universitária dos militantes do MST1, acadêmicos da Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste. Discute-se o direito da população do campo, ao acesso ao ensino superior universitário, a responsabilidade da universidade com a sociedade civil, e o papel do Estado.


Keywords


Ensino superior universitário, MST, universidade.

References


CHAUÍ, M. Escritos sobre a universidade. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

DIAS SOBRINHO, J. Educação superior, globalização e democratização: qual universidade? Revista Brasileira de Educação, n.28, p.164-73, 2005.

GOHN, M. G. O protagonismo da sociedade civil: movimentos sociais, ONGs e redes solidárias. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008a.

_____. Teoria dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. 10 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

_____. Movimentos sociais e educação. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

GIMONET, Jean-Claude. Praticar e compreender a Pedagogia da Alternância dos CEFFAs. Petrópolis: Vozes, Paris: AIMFR – Associação Internacional dos Movimentos Familiares e Formação Rural, 2007.

JESUS, S. M. A. Questões paradigmáticas da construção de um projeto político de educação do campo. In: MOLINA, M. C.; JESUS, S. M. S. A.

(Orgs.). Contribuições para a construção de um projeto de educação do campo. Brasília: Articulação Nacional Por uma Educação do Campo, 2004

MST. Lutas e conquistas, reforma agrária: por justiça social e soberania popular. São Paulo: Secretaria Nacional do MST, 2010.

MUNARIM, A. Trajetória do movimento nacional de educação do campo no Brasil. Educação, UFSM, v.33, n.1, 2008.

SADER, E. Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo (1970- 80). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

SANTOS, B. S. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

STÉDILE, J. P.; FERNANDES, B. M. Brava gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. 3. ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2005.

SILVA, R. C. C. Os sem-terra e o desejo de aprender. 2000. 181f. Dissertação (Mestrado em Educação). João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2000.

VALENÇA, M. M. O movimento dos trabalhadores rurais sem terra (MST)m e a universidade pública brasileira: um caso de tradução. Revista de Ciência, Tecnologia e Humanidades do IFPE, Ano 1, n.1, p.78-90, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-152

Refbacks

  • There are currently no refbacks.