Ensino Híbrido e as potencialidades do modelo de Rotação por Estações para ensinar e aprender Ciências e Biologia na Educação Básica / Hybrid Education and the potentialities of the station rotation model to teach and learn Science and Biology in basic education

Elaine Fernanda dos Santos, Mariana Felix Santos, Antonio Gomes da Silva Neto, Sindiany Suelen Caduda dos Santos

Abstract


A educação é híbrida e as Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação estão imersas na escola. Nesse sentido, é possível ensinar e aprender ciências e biologia de modo que alunos sejam protagonistas do seu próprio aprendizado e professores sejam mediadores do processo. Este artigo propõe avaliar as potencialidades do modelo híbrido rotação por estações para aprendizagem de ensino de ciências e biologia. A pesquisa qualitativa foi realizada em duas escolas públicas de Sergipe, no 7º ano do ensino fundamental e 1ª ano do ensino médio; a coleta de dados foi obtida através das atividades relizadas e da observação sistemática de princípios da aprendizagem ativa; e a análise de dados foi feita a partir da análise do conteúdo. Os resultados apontam a importância do ensino híbrido evidenciando de que maneira as estações proporcionaram foco na aprendizagem e participação; engajamento; contextualização do conteúdo e leitura de mundo; interação e divisão de tarefas entre os estudantes. É de se esperar que a partir de trabalhos como este, novas práticas de ensino de ciências e biologia sejam estimuladas a partir da utilização de modelos híbridos e da aprendizagem personalizada e colaborativa.


Keywords


Ciências Biológicas, Aprendizagem personalizada, Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação.

References


Ausubel, D. P. (2003). Aquisição e retenção de conheciment

os: Uma perspectiva cognitiva, Lisboa: Editora Plátano.

Almeida, M. E. B. de; Valente, J. A. (2012). Integração currículo e tecnologias e a produção de narrativas digitais. Currículo sem fronteiras, 12(3), 57-82.

Aangeluci, A. C. B.; Cacavallo, M. (2017). Inovações no ensino híbrido: uma perspectiva a partir da teoria ator-rede. Comunicação & Educação, São Paulo, 22(1), 63-73

Bacich, L. (2015). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, 3(1), 100-103.

Bacich, L.; Tanzi-Neto, A.; Trevisani, F. de M. (2015). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. In:_______ (Org.). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. São Paulo, Penso editora LTDA, cap. 2.

Bachelard, G. (1996). O novo espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Tradução: Estrela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto.

Bardin, L. (2006). Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70 – Brasil.

Berbel, N. (2011). As metodologias ativas e a promoção da autonomia dos estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, 32(1), 25-40.

Brasil (2014). Ministério da Educação. Planejando a Próxima Década. Conhecendo as 20 Metas do Plano Nacional de Educação. Ministério da Educação/Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino (MEC/Sase): Brasília, DF.

Brasil (2017). Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica.

Brasil (2018). Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica.

César, M. R. de A. (2009) Lugar de Sexo é na Escola? Sexo, Sexualidade e Educação sexual. In: Sexualidade; Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. Departamento de Diversidades. Núcleo de Gênero e Diversidade Sexual. Curitiba: SEED – Pr. 49 – 58.

Christensen, C. M.; Horn, M. B.; Staker, H. (2013). Ensino híbrido: uma inovação disruptiva. Uma introdução à teoria dos híbridos. Instituto Península (Trad.). Fundação Lemann. Porto Alegre: Penso.

Dewey, J. (1978) Vida e educação. 10. ed. São Paulo: Melhoramentos.

Freire, P. (1980) Conscientização: teoria e prática da libertação – uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 4. ed. São Paulo: Moraes.

Freire, P. (2015). Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. ed. 56º. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gemignani, E. Y. M. Y. (2012). Formação de professores e metodologias ativas de ensino-aprendizagem: ensinar para a compreensão. Revista Fronteira das Educação (on-line), Recife, 1( 2).

Grando, R. C. (2001). O jogo na educação: aspectos didático-metodológicos do jogo na educação matemática. Campinas: Unicamp.

Horn, M. B.; Staker, H. (2015). Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Penso Editora, 2015.

Kenski, V. M. (2012). Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. ed. 8. Campinas: São Paulo: Papirus.

Krasilchik, M. (2016). Prática de Ensino de Biologia. ed. 4. rev. e ampl. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Laburú, C. E.; Arruda, S. de M.; Nardi, R. (2003). Pluralismo metodológico no ensino de ciências. Ciência & Educação, 9(2), 247-260.

Lima, L. H. F.; Mour, F. R. de. (2015). O professor no ensino híbrido. In: BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello (Org.). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. São Paulo, Penso editora LTDA, cap.4.

Louro, G. L. (2009). Pensar a sexualidade na contemporaneidade. In: Sexualidade; Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. Departamento de Diversidades. Núcleo de Gênero e Diversidade Sexual. Curitiba: SEED – Pr., 29 – 36.

Marandino, M.; Selles, S. E.; Ferreira, M. S. (2009) Ensino de Biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo: Cortez.

Marconi, M. de A; Lakatos, E. M. (2009); Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 7. ed. São Paulo: Atlas.

Mattos, A. H.; Ferreira, A.; Jabur, S. S. (2008) O papel do educador na construção de uma sexualidade emancipadora no Colégio Estadual Gabriel de Lara em Matinhos – PR. Matinhos – PR. Anais do VIII Congresso Nacional de Educação – EDUCERE, 2008. Texto disponível em: http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/388_912.pdf. Acessado em: 23 de julho de 2018.

Moran, J. (2014). Mudanças necessárias na educação, hoje. Ensino e Aprendizagem Inovadores com apoio de tecnologias. In: Moran, Jose. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. Campinas: Papirus, 21ª Ed. 21-29.

Morán, J. (2015a). Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens, 2(1), 15-33.

Morán, J. (2015b). Educação Híbrida: um conceito-chave para a educação, hoje. In:_______ (Org.). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. São Paulo, Penso editora LTDA, cap. 1.

Müller, M. G; Araujo, I, S. Veit, E. (2018). A. Inovação na Prática Docente: um estudo de caso sobre a adoção de métodos ativos no ensino de Física universitária. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. 17(1), 44-67.

Nervo, A. C. dos S.; Ferreira, F. L. (2015). A importância da pesquisa como princípio educativo para a formação cientifica de educandos do ensino superior. Educação em foco, ed. n. 07.

OECD (2015). Programme For International Student Assessment (PISA) Results From PISA. Disponível em: https://www.oecd.org/pisa/PISA-2015-Brazil-PRT.pdf>. Acesso em 02 jan 2019.

Oliveira, H. S. de; Lima, M. de F. W. P. (2017). Utilização da Plataforma Khan Academy na Resolução de Exercícios de Matemática. Scientia Cum Industria. 5(2), 66-72

Perrenoud, P. (2000) Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

PILLON, Ana Elisa; TECHIO, Leila Regina; BALDESSAR, Maria José. O ensino híbrido (blended learning) como metodologia na educação atual: o caso de uma instituição de ensino superior do norte do estado de Santa Catarina. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 6, p. 40731-40743, 2020.

Rodrigues, E. F. (2015). A avaliação e a tecnologia. In: Bacich, Lilian; Tanzi-Neto, Adolfo; Trevisani, Fernando de Mello (Org.). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. São Paulo, Penso editora LTDA, cap.6.

Schiehl, E. P.; Gasparini, I. (2017). Contribuições do Google Sala de Aula para o Ensino Híbrido. CINTED – Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação, 14(2).

Schneider, F. (2015). Otimização do espaço escolar pro meio do modelo de ensino híbrido. In: BACICH, Lilian; Tanzi-Neto, Adolfo; Trevisani, Fernando de Mello (Org.). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. São Paulo, Penso editora LTDA, cap.2.

Sunaga, A.; Carvalho, C. S. de. (2015). As tecnologias digitais no ensino híbrido. In: BACICH, Lilian; Tanzi-Neto, Adolfo; Trevisani, Fernando de Mello (Org.). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. São Paulo, Penso editora LTDA, cap.7.

Zanon, D. A. V., e Guerreiro, M. A. S., e Oliveira, R. C. (2008) Jogo didático Ludo Químico para o ensino de nomenclatura dos compostos orgânicos: projeto, produção, aplicação e avaliação.Ciências & Cognição. 13(1), 72-81.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-149

Refbacks

  • There are currently no refbacks.