A posse e o uso das Tecnologias da Informação e Comunicação a partir da perspectiva de gênero e de geração / The possession and use of Information and Communication Technologies from the gender and generation perspective

Neide Maria de Almeida Pinto, Joyce Keli do Nascimento Silva, Ana Louise de Carvalho Fiúza

Abstract


O acesso e o uso das TICs está relacionado a um processo contínuo e crescente de tecnologização dos agregados das sociedades contemporâneas. No âmbito da Sociologia da Técnica de orientação socioconstrutivista uma das discussões que se estabelece diz respeito às diferentes clivagens relativas ao acesso e uso das TICs, particularmente aquelas relacionadas às desigualdades de gênero e de geração. Este estudo buscou explorar essas perspectivas na análise da posse e do uso das tecnologias tradicionais (televisão, telefone fixo, computador de mesa) e das novas tecnologias digitais (celular, notebook, tablete, internet) entre os integrantes de uma comunidade acadêmica, ativos e aposentados, vinculados à Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais/Brasil. Os resultados apontam que a posse de celular, notebook, TV e o acesso à internet equivalem entre os sexos, mas revela diferenças entre homens e mulheres quanto às formas de uso e apropriação das TICs para o trabalho, lazer e relações sociais. Esses usos não estão descolados das discussões que incidem sobre o modo como, na nossa sociedade, se constroem os modos de “ser homem” e de “ser mulher” e que perpassam os papéis e as identidades geradas e mantidas no espaço doméstico e familiar. Os dados apontam também que é preciso atenção na análise da chamada “divisão digital geracional”, pois esta vai além de diferenças socioeconômicas que incidem na posse das TICs perpassando diferenças culturais, especialmente associadas às ocupações e às atividades profissionais, as quais impactam na forma como ocorre a apropriação cotidiana dessas tecnologias entre os mais velhos.


Keywords


TICs, Divisão Digital, Gênero, Geração.

References


ANDERSON, M.; PERRIN, A. (2017). “Technology use among seniors”. Pew Research Center. MAY 17, 2017.

ANNABI, H; LEBOVITZ, S. (2018). “Improving the retention of women in the IT workforce: An investigation of gender diversity interventions in the USA”. Info Systems J.; 28, pp. 1049–1081.

ARAÚJO, C. L. (2017). Idosos e cidadania: um olhar sobre uma construção mediada pelas novas tecnologias de informação e comunicação. Dissertação de Mestrado em Comunicação, Universidade Federal de Goiás, 127 f.

BOLFARINE, H.; BUSSAB, W. O. (2005). Elementos de Amostragem. São Paulo: Edgar Blücher.

BRUSCHINI, C.(2006).“Trabalho doméstico: inatividade econômica ou trabalho não-remunerado?”.Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo,v. 23,n. 2, pp. 331-353.

CASAMAYOU, A.; GONZÁLEZ, M. J. M. (2017). “Personas mayores y tecnologías digitales: desafíos de un binomio”. Psicología, Conocimiento y Sociedad, 7(2), pp. 199-226.

CASTELLS, M. (2004). A Galáxia Internet: reflexões sobre Internet, negócios e sociedade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

CASTELLS, M. (2005). A Sociedade em Rede. 8. ed., v. 1. São Paulo: Paz e Terra.

CENSUS. (2014). Retrato social de Viçosa V. CRUZ, T. A. (Coord.). Viçosa, MG: 91p.

CORREA, L. S. (2018). “Ele é meu amigo”: comunicação, consumo de smartphones e o envelhecimento conectado. Dissertação de Mestrado em Comunicação e Práticas de Consumo, Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, 111 f.

COSTA, D. (2018). “Com mais celulares e TVs conectados, acesso à internet já chega a 70% dos lares brasileiros”. O Globo – Economia. Publicado em 26 de abril de 2018.

COUTINHO, S. M. S.; MENANDRO, P. R. M. (2015) “Representações sociais do ser mulher no contexto familiar: um estudo intergeracional”. Psicologia e Saber Social, 4(1), pp. 52-71.

DIAS, I. (2012). “O uso das tecnologias digitais entre os seniores: motivações e interesses”. Sociologia, Problemas e Práticas. 2012, n. 68, pp. 51-77.

ESCOSTEGUY, A. C. D.; SIFUENTES, L.; BIANCHINI, A. (2017). “Mulheres rurais e seus usos mediados das TICs: tensionamentos e permanências nas relações de gênero”. Intercom – RBCC, v. 40, n. 1, pp. 195-211.

EUROPEAN PARLIAMENT. (2015). “Bridging the digital divide in the EU”. Briefing, December 2015.

FERNÁNDEZ-ARDÈVOL, M. (2019). “Práticas digitais móveis das pessoas idosas no Brasil: dados e reflexões”. Panorama setorial da Internet, Número 1, Março, 2019, Ano 11.

FRIEMEL, T. N. (2016). “The digital divide has grown old: Determinants of a digital divide among seniors”. New Media & Society, Vol. 18(2), pp. 313–331.

GERSHUNY, J; GODWIN, M.; JONES, S. (1994). “The domestic labour revolution: a process of lagged adaptation?”, In M. Anderson, F. Bechhofer & J. Gershuny (Eds.), The Social and Political Economy of the Household, Oxford, Oxford University Press, pp. 151-197.

HOOTSUITE. (2019). “Digital 2019 – Brazil”. Hootsuite e We are Social.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. (2018a). Estatísticas de Gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. Estudos e Pesquisas, Informação Demográfica e Socioeconômica, n.38. Informações atualizadas em 08.06.2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. (2018b). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – PNAD Contínua.Tecnologia da Comunicação e Informação(TIC) 2017.

INTERNATIONAL TELECOMMUNICATION UNION. (2018). Measuring the Information Society Report, Volume 1.

KRASNOVA, A.; et al. (2017). “Why men and women continue to use social networking sites: The role of gender differences”. The Journal of Strategic Information System, Volume 26, Issue 4, pp. 261-284.

KRUG, R. R.; XAVIER, A. J.; D'ORSIL, E. (2018). “Fatores associados à manutenção do uso da internet, estudo longitudinal EpiFloripa Idoso”. Rev. Saúde Pública. 2018.

MORA, G. G.; SILVA, N. O. T. As novas gerações e a literacia midiática: possibilidades de educar para a cidadania. Brazilian Journal of Development. Curitiba, v. 5, n. 6, p. 7053 – 7071. jun. 2019.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. (2018). Bridiging the digital gender divide: include, upskill, innovate.

PEW RESEARCH CENTER. (2019). Social Media Fact Sheet. June 12, 2019.

PINTO, N. M. A.; FIÚZA, A. L. C. (2017). “As barreiras de acesso às tecnologias da informação e comunicação no contexto de uma cidade de porte médio: o caso de Viçosa, MG”. Oikos: Família e Sociedade em Debate, v. 28, n.2, pp. 386-406.

RIAL, C.; SILVA, S. R., SOUZA, A. M. (Org) (2012). Consumo e cultura material: perspectivas etnográficas. Florianópolis: Ed. da UFSC.

ROSALES, A.; FERNÁNDEZ-ARDEVÓL, M. (2016). “Beyond WhatsApp: older people and smartphones”. Romanian Journal of Communications and Public Relations. Vol. 18,1(37), abr/2016, pp. 27-47.

SANTOS, F. C.; CYPRIANO, C. P. (2014). “Redes sociais, redes de sociabilidade”. RBCS. São Paulo, vol. 29, n. 85, p. 63-78, junho/2014.

SCHOUTEN, M. J., et al. (2012) Tempo e Tecnologia. Uma abordagem de gênero para o contexto português. Relatório Técnico, Covilhã.

SILVA, A. G.; OLINTO, Gilda. (2015). “Diferenças de gênero no uso das tecnologias da informação e da comunicação: um estudo na biblioteca Parque de Manguinhos”. XVI Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (XVI ENANCIB), João Pessoa, Pernambuco.

SILVA, S. R. (2007). “‘Eu não vivo sem celular’: Sociabilidade, Consumo, Corporalidade e Novas Práticas nas Culturas Urbanas”. Intertexto, Porto Alegre: UFRGS, v.2, n.17.

SILVEIRA, B. O.; PARRIÃO, G. B. L.; FRAGELLI, R. R. (2017). “Melhor idade conectada: um panorama da interação entre idosos e tecnologias móveis”. Revista Tecnologias em Projeção, v 8, n°2, ano 2017, pp. 42-53.

SIMÕES, M. J. (2005). Política e Tecnologia. Tecnologias da Informação e da Comunicação e participação política em Portugal, Oeiras, Celta.

SOUZA, J. J.; SALES, M. B. (2016). “Tecnologias da Informação e Comunicação, smartphones e usuários idosos: uma revisão integrativa à luz das Teorias Sociológicas do Envelhecimento”. Revista Kairós Gerontologia, 19(4), pp. 131-154.

TONDO, R.; SILVA, S. R. (2016). “Smartphones e pobreza digital: o consumo de telefones celulares e internet entre jovens de uma comunidade popular”. Universitas: Arquitetura e Comunicação Social, v. 13, n. 1, pp. 49-62.

UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOPMENT. (2017). Information Economy Report 2017: Digitalization, Trade and Development. Sales No. E.17.II.D.8, 23 October 2017.

VAN DIJK, J. (2012). “The Evolution of the Digital Divide. The Digital Divide turns to Inequality of Skills and Usage”. In J. Bus et al. (Eds.)Digital Enlightenment Yearbook. IOSPress,pp. 57-75.

WAJCMAN, J. (2009). “Reflections on gender and technology studies: In what state is the art?”. Social Studies of Science, 30 (3), pp. 447-64.

WAJCMAN, J.; BITTMAN, M.; BROWN, J. (2008). “Families without borders: Mobile phones, connectedness and work-home divisions”, Sociology, 42 (4), pp. 635-652.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-127

Refbacks

  • There are currently no refbacks.