Panorama epidemiológico da Malária em um estado da Amazônia Brasileira / Epidemiological overview of Malaria in a Brazilian Amazon state

Antônio Alexandre Valente Meireles, Fernanda Géssica da Silva Duarte, Rosilene Ferreira Cardoso

Abstract


O presente estudo objetivou avaliar o panorama epidemiológico da malária no estado do Amapá, delimitando o perfil de acometimento da doença e sua distribuição geográfica no estado, no período de janeiro de 2015 a dezembro de 2019. Trata-se de um estudo de caráter descritivo, e retrospectivo, a partir da coleta de dados no Sistema de Vigilância Epidemiológica (SIVEP-Malária), com posterior análise estatística descritiva, associativa e comparativa. Os resultados demonstram diminuição percentual e do Índice Parasitário Anual (IPA), das lâminas positivas para malária no estado, com os municípios de Serra do Navio, Calçoene, Mazagão e Pedra Branca do Amapari registrando os maiores valores médios de IPA.  Evidenciou-se maior prevalência na faixa etária de 10 a 19 anos (24,8%), seguida pela faixa de 20 a 29 anos (21,5%); no sexo masculino (62,1%), em relação ao feminino (37,9%); nos indivíduos com menores níveis de escolaridade; e naqueles que desenvolvem atividades relacionadas à agricultura (46,44%) e à garimpagem (19,5%), quando desconsiderada a categoria “outras”. A diminuição bruta e ajustada dos casos sugere possibilidade de controle da doença pela implementação de políticas de educação em saúde, conscientização para medidas preventivas, mecanismos para controle de vetores e estratégias de diagnóstico e tratamento precoces.

 


Keywords


Malária, Epidemiologia, Amazônia.

References


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume único [recurso eletrônico]. 3ª. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2019. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_3ed.pdf

Elizabeth AA, Aung PP, Charles JW. Malaria. Lancet 2018; 391:1608–21.

Veronesi R, Focaccia R. Tratado de Infectologia. 5ª ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2015.

Siqueira A, Marchesini P, Torres RM, Rodovalho S, Chaves T. Malária na Atenção Básica. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, 2018. Disponível em:

World Health Organization. World malaria report 2019. Geneva: World Health Organization; 2019. Disponível em:

Lapouble OMM, Santelli ACFS, Muniz-Junqueira MI. Situação epidemiológica da malária na região amazônica brasileira, 2003 a 2012. Rev Panam Salud Publica 2015; 38 (4):300–6.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigilância Epidemiológica da Malária no Brasil, 2017 a 2019. Bol Epidemiol [Internet]. 2019 nov; 50 (35): 24-28. Disponível em:

Braz RM, Guimarães RF, Carvalho JOA, Tauil PL. Dependência espacial das epidemias de malária em municípios da Amazônia brasileira. Rev Bras Epidemiol. Set 2014; 17 (3): 615-628.

Braz RM, Barcellos C. Análise do processo de eliminação da transmissão da malária na Amazônia brasileira com abordagem espacial da variação da incidência da doença em 2016. Epidemiol Serv Saúde. 2018; 27(3): e2017253.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Dia Mundial da Malária: 25 de abril. Bol Epidemiol [Internet]. 2020 abr; 51 (17): 19-30. Disponível em:

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Situação epidemiológica da malária no Brasil, 2012 e 2013. Bol Epidemiol [Internet]. 2015; 46 (43). Disponível em:

Phillips MA, Burrows JN, Manyando C, Huijsduijnen RH, Voorhis WCV, Wells TNC. Malaria. Nat Rev Dis Primers 2017; 3 (17050).

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis. Guia de tratamento da malária no Brasil [recurso eletrônico].1. ed. rev. Brasília: Ministério da Saúde, 2020. Disponível em:

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de diagnóstico laboratorial da malária. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. Disponível em:

Canelas T, Castillo-Salgado C, Baquero OS, Ribeiro. Environmental and socioeconomic analysis of malaria transmission in the Brazilian Amazon, 2010–2015. Rev. Saúde Pública 2019; 53: 49.

Lima ISF, Lapouble, OMM, Duarte EC. Time trends and changes in the distribution of malaria cases in the Brazilian Amazon Region, 2004-2013. Mem. Inst. Oswaldo Cruz 2017; 112 (1): 8-18.

Ferreira MU, Castro MC. Challenges for malaria elimination in Brazil. Malar J. 2016; 15 (1): 284.

Lopes TMR, Ventura AMRS, Guimarães RJPS e, Guimarães LHR. Situação epidemiológica da malária em uma região de Garimpo, na região da Amazônia brasileira, no período de 2011 a 2015. Revista Eletrônica Acervo Saúde 2019; (25): e759.

Maciel GBML, Oliveira EC. Perfil entomológico e epidemiológico da malária em região garimpeira no norte do Mato Grosso, 2011. Epidemiol Serv Saúde 2014; 23 (2): 355-360.

Sousa JR, Santos ACF, Almeida WS, Albarado KVP, Magno LD, Rocha JAM, Pimentel ZNS. Situação da malária na Região do Baixo Amazonas, Estado do Pará, Brasil, de 2009 a 2013: um enfoque epidemiológico. Rev Pan-Amaz Saude 2015; 6 (4): 39-47.

Parise EV, Araújo GC, Castro JGD. Aspectos epidemiológicos da malária no estado do Tocantins, Brasil e a origem dos casos – período 2003 a 2008. Rev Patol Trop 2012; 41 (4): 442-456.

Faria G, Luz GS, Betin TA. Aspecto epidemiológico das notificações de malária entre 2012 a 2017 no município Rondolândia-MT. Rev. Aten. Saúde 2019; 17 (60): 83-90.

Monteiro MRCC, Ribeiro MC, Fernandes SC. Aspectos clínicos e epidemiológicos da malária em um hospital universitário de Belém, Estado do Pará, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude 2013; 4 (2): 33-43.

Baroni LR, Paixão B, Chrispino A, Guedes G, Barcellos C, Pedroso M, Ogasawara E. Análise Exploratória da Malária na Amazônia Brasileira por Meio da Plataforma de Ciência de Dados aplicada à Saúde. In: Anais do XIII Brazilian e-Science Workshop; 2019; Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação.

Mendes AM, Lima MS, Maciel AGP, Menezes RAO, Eugênio NCC. Malária entre povos indígenas na fronteira Brasil-Guiana Francesa, entre 2007 e 2016: um estudo descritivo. Epidemiol. Serv. Saúde 2020; 29 (2): e2019056.

Gomes AP, Vitorino RR, Mendes TA, Pereira SO, Miguel PSB, Braga LM, Moreira TR, Santana LA. A infecção pelo gênero Plasmodium: epidemiologia, profilaxia e controle no Brasil. VITTALLE - Revista de Ciências da Saúde 2018; 30 (2): 47-58.

Mourão FR, Cunha AC, Silva RA, Souza EB. A Vigilância da Malária na Amazônia Brasileira. Biota Amazônia 2014, 4 (2);161–168.

Silva AR, Cavaleiro NNM, Guimarães MC, Gonçalves EGR. Evolução da malária no estado do Maranhão: série histórica de 2009 a 2013. Rev Patol Trop 2016; 45 (1): 33-41.

Silva RSU, Carvalho FT, Santos AB, Ribeiro ES, Cordeiro KM, Neiva GIBMPS, Viana GMR, Chamma NN, Póvoa MM. Malária no Município de Cruzeiro do Sul, Estado do Acre, Brasil: aspectos epidemiológicos, clínicos e laboratoriais. Rev Pan-Amaz Saude 2012; 3 (1): 45-54.

Mioto LD, Galhardi LCF, Amarante MK. Aspectos parasitológicos e imunológicos da malária. Biosaúde, 2012; 14 (1).

Nascimento TL, Vasconcelos SP, Peres Y, Oliveira MJS, Taminato M, Souza KMJ. Prevalence of malaria relapse: systematic review with meta-analysis. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2019; 27: e3111.

Martins, ND. Estudo epidemiológico de casos de malária em gestantes no Estado do Amapá entre 2003 e 2012. Biota Amazônia 2014, 4 (1): 22-29.

Chagas ECS, Nascimento CT, Santana Filho FS, Bôtto-Menezes CH, Martinez-Espinosa FE. Malária durante a gravidez: efeito sobre o curso da gestação na região amazônica. Rev Panam Salud Publica 2009; 26 (3):203–08.

Canelas T, Castillo-Salgado C, Ribeiro H. Analyzing the Local Epidemiological Profile of Malaria Transmission in the Brazilian Amazon Between 2010 and 2015. PLoS Curr. 2018 Mar 27;10:ecurrents.outbreaks.8f23fe5f0c2052bfaaa648e6931e4e1a.

Kamimura A, Burani G, Sauer I. Environment as a Complex System: the Malaria Decrease in the Legal Amazonia (LA) Case. Interações (Campo Grande) 2018; 19 (3); 569-584.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-126

Refbacks

  • There are currently no refbacks.