Pré-eclâmpsia: importante causa de óbitos maternos no Brasil entre os anos de 2010-2017 / Pre-eclampsia: important cause of maternal deaths in Brazil between the years 2010-2017

Tayná Bernardino Gomes, Larissa Isabelle de Lima Pessoa Silva, Natália Pessoa Mangueira, Carolynne Saturnino da Silva, Mirtes Teresa Gomes Paiva, Vitória Maria de Lima Pessoa Lira, Cristina Katya Torres Teixeira Mendes, Thais Josy Castro Freire de Assis

Abstract


Objetivo: Investigar as particularidades sociodemográficas e suas as associações dos óbitos maternos de mulheres com pré-eclâmpsia, durante o período de 2010 a 2017 no Brasil. Métodos: Estudo epidemiológico de caráter quantitativo com abordagem descritiva, que consistiu na análise de óbitos maternos por Pré-eclâmpsia ocorridos entre os anos de 2010-2017 no Brasil segundo o banco de dados do departamento de informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). As variáveis avaliadas foram: óbitos maternos, período dos óbitos, ano do óbito, e faixa etária, cor/raça, estado civil e escolaridade das gestantes nas regiões brasileiras, o local de ocorrência e o CID-10. Resultados: Entre os anos de 2010 a 2017 houveram 8992 mortes por causas obstétricas diretas advindas de 65 categorias de patologias da CID-10. A pré-eclâmpsia ocupou a segunda posição com 942 óbitos (10,48%) com uma média de 117,75 mortes ao ano, com prevalência nas regiões Sudeste e Nordeste, concentrando-se principalmente na faixa etária entre 20 a 39 anos, com maior incidência em mulheres de cor parda (51,38%) e nas solteiras (43,31%). O hospital foi o local com maiores ocorrências das mortes por pré-eclâmpsia com 96,71% dos óbitos. Conclusão: A pré-eclâmpsia contribui de forma significativa com a mortalidade materna, apresentando-se como a segunda maior causa de óbitos no Brasil.


Keywords


Mortalidade materna, Pré-eclâmpsia, Gestação de alto risco, Saúde da mulher.

References


Ministério da Saúde. Gestação de Alto Risco: Manual Técnico 2012. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Oliveira GS, Paixão GPN, Fraga CDS, Santos MKR, Santos MA. Assistência de enfermeiros na Síndrome Hipertensiva Gestacional em hospital de baixo risco obstétrico. Rev Cuidarte 2017; 8: 2.

Sass N, Oliveira LG. Obstetrícia. 1ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan; 2017.

Dourado VG, Pelloso SM. Gravidez de alto risco: o desejo e a programação de uma gestação. Rev Acta Paulista de Enfermagem 2007; 20: 1. http://dx.doi.org/10.1590/S0103- 21002007000100012.

Brasil. Descritores em Ciências da Saúde: DeCS [Internet]. 2017 [acessado em 7 out. 2019]. Disponível em: http://decs.bvsalud.org.

Ministério da Saúde. Manual dos comitês de mortalidade materna. 3ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Ministério da Saúde. Guia de vigilância epidemiológica do óbito materno. 1ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Kale PL, Jorge MHPM, Fonseca SC, Cascão AM, Silva KS, Reis AC et al. Mortes de mulheres internadas para parto e por aborto e de seus conceptos em maternidades públicas. Rev Ciência & Saúde Coletiva 2016; 23: 5. http://dx.doi.org/10.1590/1413- 81232018235.18162016.

Figueira LV, Novo JLVG. Mortalidade materna no Conjunto Hospitalar de Sorocaba resultados gerais. Rev Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba 2010; 2; 1.

Silva BGC, Lima NP, Silva SG, Antúnez SF, Seerig LM, Restrepo-Méndez MC, et al. Mortalidade materna no Brasil no período de 2001 a 2012: tendência temporal e diferenças regionais. Rev Bras Epidemiol 2016; 19: 03. https://doi.org/10.1590/1980- 5497201600030002

Pereira GT, Santos AAP, Silva JMO, Nagliate PC. Perfil epidemiológico da mortalidade materna por hipertensão: análise situacional de um estado nordestino entre 2004-2013. Rev Fund Care Online 2017; 09: 03. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i3.653-658

Álvarez-Fernández I, Prieto B, Álvarez FV. Preeclampsia. Rev del Laboratorio Clinico 2016; 09: 02. https://doi.org/10.1016/j.labcli.2016.04.002

Cunningham FG, Leveno KJ, Bloom SL, Spong CY, Dashe JS, Hoffman BL, et al. Obstetrícia de Williams. 24ª ed. McGraw-Hill; 2016.

Mol BWJ, Roberts CT, Thangaratinam S, Magee LA, Groot CJM, Hofmeyr GJ. Pre- eclampsia. The Lancet 2016; 387: 10022. http://doi.org/10.1016/S0140-6736(15)00070-7

Oliveira LG, Karumanchi A, Sass N. Pré-eclâmpsia: estresse oxidativo, inflamação e disfunção endotelial. Rev Bras Ginecol Obstet 2010; 32: 12. http://dx.doi.org/10.1590/S0100- 72032010001200008

Steegers EA, von Dadelszen P, Duvekot JJ, Pijnenborg R. Pre-eclampsia. The Lancet 2010; 376: 9741. http://doi.org/10.1016/S0140-6736(10)60278-6

Freire CMV, Tedoldi CL. Hipertensão arterial na gestação. Arq Bras Cardiol 2009; 93: 6. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2009001300017

Souza FLP, Gomes GO, Vidal LB, Boarini MR, Horita RB, Mendonça RS, et al. Resultados maternos e perinatais de partos normais de gestantes com Pré-eclâmpsia. UNILUS Ensino e Pesquisa 2014; 11: 23.

Souza ASRD, Noronha NC, Coutinho IC, Diniz CP, Lima MMDS. Pré-eclâmpsia. Fêmina 2006; 34: 7.

Ramos JGL, Sass N, Costa SHM. Preeclampsia. Rev Bras Ginecol Obstet 2017; 39: 9. http://dx.doi.org/10.1055/s-0037-1604471

Laurenti R, Jorge MHPM, Gotlieb SLD. Mortes maternas e mortes por causas maternas. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2008; 17: 4. https://dx.doi.org/10.5123/S1679- 49742008000400005 .

Pereira GT, dos Santos AAP, de Oliveira e Silva JM, Nagliate, PC. Perfil epidemiológico da mortalidade materna por hipertensão: análise situacional de um estado nordestino entre 2004- 2013. Rev de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online 2017; 9: 3, http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i3.653-658.

Picoli RP, Cazola LHO, Lemos EF. Mortalidade materna segundo raça/cor, em Mato Grosso do Sul, Brasil, de 2010 a 2015. Rev Bras Saúde Mater Infant 2017; 17:4. http://dx.doi.org/10.1590/1806-93042017000400007

IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira, 2016. [acessado em 16 mar. 2019] Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98965.pdf

IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. 2013.[acessado em 24 mar. 2019] Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv66777.pdf

Andrade MV, Noronha KV, Menezes RM, Souza MN, Reis CB, Martins D R. Equidade na utilização dos serviços de saúde no Brasil: um estudo comparativo entre as regiões brasileiras no período 1998-2008. CEDEPLAR/UFMG 2011.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 2017: uma análise da situação de saúde e os desafios para o alcance dos objetivos de desenvolvimento sustentável. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2018. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2017_analise_situacao_saude_desa fios_objetivos_desenvolvimento_sustetantavel.pdf

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 2011: uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2011.pdf

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM). Relatório Nacional de Acompanhamento/Coordenação: Instituto de Pesquisa Econômica e Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos. 2014. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/140523_relatorioodm.pdf

Aldrighi JD, Wall ML, Souza SRRK. Vivência de mulheres na gestação em idade tardia. Rev. Gaúcha Enferm. 2018; 39: e2017-0112. http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2018.2017- 0112.

Lopes MN, Dellazzana-zanon LL, Boeckel MG. A multiplicidade de papéis da mulher contemporânea e a maternidade tardia. Temas em psicologia 2014; 22: 4. http://dx.doi.org/10.9788/TP2014.4-18.

IBGE. Estatísticas de Gênero: Indicadores sociais das mulheres no Brasil. Brasil: Ibge, 2018. [acessado em 07 mar. 2019] Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdf

Theophilo RL, Rattner D, Pereira EL. Vulnerabilidade de mulheres negras na atenção ao pré- natal e ao parto no SUS: análise da pesquisa da Ouvidoria Ativa. Ciênc. saúde coletiva 2018; 23:11. http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320182311.31552016.

Fernandes, BB, Prudêncio, PS, de Farias Nunes, FBB, & Mamede, FV. Pesquisa epidemiológica dos óbitos maternos e o cumprimento do quinto objetivo de desenvolvimento do milênio. Revista Gaúcha de Enfermagem 2015; 36: spe, p. 192-199. http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.56792.

Lansky S, Friche A A DL, Silva A AMD, Campos D, Bittencourt SDDA., Carvalho MLD, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cadernos de Saúde Pública 2014; 30, supl. 1, p. S192-S207. https://doi.org/10.1590/0102-311X00133213

SAKAE, Thiago Mamôru; FREITAS, Paulo Fontoura; D'ORSI, Eleonora. Fatores associados a taxas de cesárea em hospital universitário. Revista de Saúde Pública, v. 43, p. 472-480, 2009.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Manual de vigilância do óbito infantil e fetal e do Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Fetal. 2. ed. – Brasília. Editora do Ministério da Saúde, 2009.

Vega CEP, Soares VMN, Nasr LF, Maria A. Mortalidade materna tardia: comparação de dois comitês de mortalidade materna no Brasil. Cadernos de Saúde Pública 2017; 33:3. e00197315. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00197315.

Soares VMN, Azevedo EMM, Watanabe TL. Subnotificação da mortalidade materna no Estado do Paraná, Brasil: 1991-2005. Cadernos de Saúde Pública 2008; 24:10. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001000022




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-107

Refbacks

  • There are currently no refbacks.