Fisioterapia na Atenção Primária: Experiência de estágio curricular em Barbacena/Minas Gerais / Physiotherapy in Primary Care: Curricular internship experience in Barbacena / Minas Gerais

Priscylla Lilliam Knopp Riani, Elaine Macedo Periard Tutrut

Abstract


Conforme estabelecido pelas diretrizes curriculares no Brasil, os estágios para a graduação em Fisioterapia devem contemplar não só práticas curativas, como também preventivas em todos os cenários de assistência do sistema de saúde, inclusive na Atenção Primária à Saúde (APS). Como a Fisioterapia tem forte característica reabilitacional, a experiência em APS se torna desafiadora para a docência e para os graduandos. Portanto, em 2015, o Centro Universitário Presidente Antônio Carlos, situado em Barbacena, desenvolveu o estágio na Unidade de Atenção Primária em Saúde “Guido Roman” para oferecer uma vivência aos alunos nesse contexto. O presente texto traz o relato de tais atividades com o objetivo de difundir e potencializar o diálogo sobre práticas de ensino nessas unidades. Dentre as ações desenvolvidas no projeto, estão atividades para a Saúde do Idoso, do Adulto e da Criança, as quais envolvem abordagens individuais, em grupo, socioeducativas, preventivas e de promoção à saúde. Diversas limitações foram descritas após a implementação do cenário de ensino, no que diz respeito à conformidade com o proposto pelo Ministério da Saúde. Cabe mencionar as limitações de cobertura territorial, de continuidade das ações, de conhecimento dos próprios graduandos quanto ao seu papel de promotor e educador em saúde, além da dificuldade em aplicar a busca ativa de pacientes. Apesar da crescente produção acadêmica sobre o assunto, ainda existe um extenso caminho a ser percorrido na prestação de serviços em Unidades de Atenção Primária a Saúde pelos futuros fisioterapeutas.


Keywords


Fisioterapia, Atenção Primária à Saúde, Promoção da Saúde, Educação em Saúde.

References


Ministério da Educação (Brasil). Parecer CNE/CES 1.210/2001 de 07 de dezembro de 2001. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 dezembro 2001. Sec.1, p.22. http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pces1210_01.pdf

Ministério da Educação (Brasil). Resolução CNE/CES 4, de 19 de fevereiro de 2002. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 04 março 2002. Sec. 1, p. 11.

http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES042002.pdf

Ministério da Saúde (Brasil). Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_basica.pdf

Lima EF, Deus AKG, Chagas VO, Dourado EP, Souza ALR, Sousa Filha JDB. Contribuições do estágio não obrigatório para a vivência prática em fisioterapia; perspectivas e desafios: um relato de experiência. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 5, n. 12, p.30376-30382 dec 2019

https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/5355/4908

Ribeiro CD, Flores-Soares MC.Freitas MS. A Atenção Básica como campo de atuação da Fisioterapia no Brasil: as Diretrizes Curriculares resignificando a prática profissional [tese]. Rio de Janeiro: Instituto de medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2006.

http://www.crefito10.org.br/cmslite/userfiles/file/teses/Tese_Marcos_Freitas.pdf

Miranda GBN, Teixeira RC. Atuação do fisioterapeuta na atenção primária: conhecimentos dos acadêmicos do último semestre. Cad Edu Saude e Fis. 2014; 1(2):13-25.

http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.php/cadernos-educacao-saude-fisioter/article/view/339

Portes LH, Caldas MAJ, Paula LT, Freitas MS. Atuação do fisioterapeuta na atenção básica à saúde: uma revisão da literatura brasileira. Rev. APS. 2011 jan/mar; 14(1):111-119.

https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/14645

Ministério da Saúde (Brasil). Fundamentos Técnico-Científicos e Orientações Práticas para o Acompanhamento do Crescimento e Desenvolvimento: Parte 2 - Desenvolvimento; 2001. p. 36-41.

Teixeira ER, Veloso RC. O grupo em sala de espera: território de práticas e representações em saúde. Texto contexto enferm. 2006 jun;15(2):320-5.

https://www.scielo.br/pdf/tce/v15n2/a16v15n2.pdf




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-100

Refbacks

  • There are currently no refbacks.