Longevidade: Tempo de escolhas / Longevity: Time of choice

Adriana Aparecida Honório dos Santos, Adriana Leonidas de Oliveira, Quésia Postigo Kamimura, Edson Aparecida de Araujo Querido Oliveira

Abstract


Este artigo trata da discussão teórica entre o envelhecimento expressivo da população idosa e consequências das escolhas humanas no mundo global. Os dados estatísticos a cada ano, revelam que populações vivem mais. Mas, de que maneira se vive num mundo globalizado? Quais as escolhas em época de inseguranças? Como construir trajetórias genuínas? A globalização impõe expressivos desafios para todas as estruturas em diferentes escalas, acentuando inúmeras desigualdades. Como metodologia, utiliza-se a abordagem qualitativa e descritiva através da revisão de literatura e a pesquisa documental. Os resultados atribuem ao processo educativo e a contribuição pessoal e coletiva, um caminho privilegiado de transformações e mudanças.


Keywords


Longevidade, Globalização, Escolhas Humanas.

References


ARAÚJO. C. A. D. Ser idoso, sexualidade e cuidados preventivos no atual cenário da longevidade e envelhecimento populacional: estudo de caso no município de Natal/Rio Grande do Norte. [Tese de Doutorado]. UFMG. Belo Horizonte, 2018, 185 p.

ARRUDA et al. Associação entre o tempo de internação e indicadores de massa muscular em idosos hospitalizados. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 4, p. 21832-21847, apr. 2020. ISSN 2525-8761.

BAUMAN, Z. Globalização: as consequências humanas. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1999.

____________. A arte da vida. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2009.

BOSSI, E. Memória e Sociedade: Lembranças dos velhos. São Paulo, T.A. Queiroz, Editor. LTDA, 1979.

CAVACO, C. Aprender fora da escola: percursos de formação experiencial. Lisboa: Educa, 2002.

CORTELLETTI, I. A. Universidade: uma função social na promoção da velhice. CASARA, M. B; CORTELLETTI, I. A; BOTH, A. (Orgs.). Educação e envelhecimento humano. Caxias do Sul: Educs, 2006.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório da UNESCO da Comissão Internacional sobre educação para o século XXI. São Paulo: Cortez, 1998.

DONATO, A. C. Análise da história de vida e a relação do nível de stress em idosos institucionalizados. [Dissertação Mestrado em Psicologia]. Universidade de São Paulo, 2016, p. 270.

ERIKSON E. H; ERIKSON, J. O ciclo da vida completo. Porto Alegre: Artes Médicos, 1998.

HEINECK, W. M. Felicidade individual e coletiva: reflexões sobre a busca do bem-viver do ser humano na civilização. [Dissertação de Mestrado]. UNIJUI, 2018, p. 157.

INOUYE, K; ORLANDI, F. S; PAVARINI, C. L; PEDRAZZANI, E. S. Efeito da Universidade aberta à Terceira Idade sobre a qualidade de vida do idoso. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 44, e142931, 2018. 1- Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1678-4634201708142931.

IPEA, Infraestrutura social e urbana no Brasil: subsídios para uma agenda de pesquisa e formulação de políticas públicas. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. – Brasília: Ipea, 2010.

LIPOVETSKY, G. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade do hiperconsumismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

MARTINS, C. E. Globalização, dependência e neoliberalismo na América Latina. São Paulo: Boitempo, 2011.

MEIRELLES, M. [et al.] Sociologia: trabalho, ciência, cultura, diversidade. Porto Alegre: Cirkula, 2013.

MINARELLI, J. A. Empregabilidade: o caminho das pedras. São Paulo: Editora Gente, 1995.

NUNES, M. Desafios e perspectivas na velhice: a interpretação da Terceira Idade. Revista Portal de Divulgação, n. 22, ano II, p. 6-17, jun., 2012. ISSN 2178-3454. Disponível em:

. Acesso em: 21 fev.2020.

PAIVA, P.T.A; WAJNMAN, S. Das causas às consequências econômicas da transição demográfica no Brasil. Revista bras. Est. Pop., São Paulo, v. 22, n. 2, p. 303-322, jul./dez. 2005.

PARADELLA, R. Estatísticas Sociais. Disponível em: Acesso em 19 fev. 2020.

PERISSÉ, C; MARLI, M. Caminhos para uma melhor idade. Rev. Retratos IBGE, fev. 2019.

PINI, F. R. Educação popular em direitos no processo de alfabetização de jovens, adultos e idosos: uma experiência do projeto MOVA-BRASIL. Educação em Revista. v. 35. 2019.

SALLES, R. J. Longevidade e Temporalidade: um estudo psicodinâmico com idosos longevos. Universidade de São Paulo. [Tese de Doutorado]. 2018. 257p.

SANTOS, M. Por uma outra globalização - do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record, 2000.

___________. O país distorcido: o Brasil, a globalização e a cidadania. São Paulo: Publifolha, 2002.

SANTOS, R. S. O capitalismo dependente brasileiro e a globalização neoliberal: três momentos de uma inserção subalterna (1980-2016). [Tese de Doutorado]. UERJ, 2019.

SANTOS, S. T.; SOUZA, L. V. Envelhecimento positivo como construção social: práticas discursivas de homens com mais de sessenta anos. Revista da SPAGESP. v. 16, n. 2, p. 46-58, 2015.

SILVA, E.T. Estrutura urbana e mobilidade espacial nas metrópoles. Rio de Janeiro: Letra capital, 2012.

SIMÕES, C. C. S. Relações entre as alterações históricas na dinâmica demográfica brasileira e os impactos decorrentes do processo de envelhecimento da população. Rio de Janeiro: IBGE-Coordenação de População e Indicadores Sociais, 2016.119p. Estudos e análises. Informação demográfica e socioeconômica, ISSN 2236-5265.

TURRA, C. M. Os ajustes inevitáveis da transição demográfica no Brasil. Belo Horizonte: Cedeplar, 2018.

VILIONE, G. C. C. Análise crítica sobre o envelhecimento na perspectiva de totalidade: o cotidiano pós-moderno. Serviço Social & Realidade, Franca, v. 25, n. 2, 2016.

ZACHARIAS, S. T. Refletindo sobre a terceira idade. In: DHNET. Natal: Rede Brasileira de Educação em Direitos Humanos - DHnet, [2016]. Disponível em: . Acesso em 15 mar. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-083

Refbacks

  • There are currently no refbacks.