Relação entre saúde emocional e qualidade de vida no trabalho de professores universitários: revisão da literatura / Relationship between emotional health and quality of life at work of professors: literature review

Catarina Maria Gomes Duarte da Silva, Evelyn Schulz Pignatti

Abstract


A docência é uma profissão que apresenta o enfrentamento diário de desafios inerentes à prática da procura pela excelência no ato de vivenciar, transmitir e buscar o conhecimento, além da confrontação com os desafios pertinentes aos diversos relacionamentos interpessoais que a profissão exige. Portanto, essa profissão apresenta uma condição de maior vulnerabilidade para o desencadeamento de transtornos mentais, com eventuais consequências em todas as esferas, inclusive nas relações com discentes e com a própria organização. Assim, foi desenvolvida uma revisão bibliográfica sobre a temática saúde mental dos professores universitários, destacando os transtornos de ansiedade, depressão e estresse, e suas relações com a Qualidade de Vida no Trabalho destes profissionais. Procura-se compreender o problema e delinear perspectivas de intervenção que possam atenuar as consequências desta dificuldade no contexto da gestão das universidades brasileiras.

 

 


Keywords


Ergonomia, Ansiedade, Depressão, Estresse, Qualidade de Vida no Trabalho e Professor Universitário.

References


Abreu, M.A.G.M., Coelho, M.T.A.D., Ribeiro, J.L.L.S. (2016). Percepção de professores universitários sobre as repercussões do seu trabalho na própria saúde. RBPG, 13(31), 465-486.

American Psychiatric Association. (2013). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Irish Journal of Psychological Medicine. https://doi.org/10.1017/s0790966700000562

Apóstolo, J. L. A., Figueiredo, M. H., Mendes, A. C., & Rodrigues, M. A. (2011). Depressão, ansiedade e estresse em usuários de cuidados primários de saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(2), 348–353. https://doi.org/10.1590/S0104-11692011000200017

Apóstolo, J. L. A., Mendes, A. C., & Azeredo, Z. A. (2006). Adaptação Para a Língua Portuguesa Da Depression , Anxiety And Stress Scale (DASS). Revista Latino Americana de Enfermagem, 14(6). Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/rlae/v14n6/pt_v14n6a06.pdf

Araújo, A.L., Fé, E.M., Araújo, D.A.M., Oliveira, E.S., Moura, I.H., Silva, A.R.V. (2019). Avaliação da qualidade de vida no trabalho de docentes universitários. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 9 e3195.

Araújo, T.M., & Carvalho, F.M. (2009). Condições de trabalho docente e saúde na Bahia: Estudos epidemiológicos. Educação e Sociedade, 30(107), 427-449.

Associação Internacional de Gerenciamento de Estresse - Isma Brasil (2020). Disponível em: https://www.ismabrasil.com.br

Borsoi, I.C.F.& Pereira, F.S. (2013). Professores do ensino público superior: produtividade, produtivismo e adoecimento. Universitas Psychologica, 12(4), 1211-1233).

Bosi, A. de P. (2007). A precarização do trabalho docente nas instituições de ensino superior do Brasil nesses últimos 25 anos. Educacao e Sociedade, 28(101), 1503–1523. https://doi.org/10.1590/s0101-73302007000400012

Both, J., Nascimento, J. V. do, Sonoo, C. N., Lemos, C. A. F., & Borgatto, A. F. (2010). Condições de vida do trabalhador docente: Associação entre estilo de vida e qualidade de vida no trabalho de professores de Educação Física. Motricidade, 6(3). https://doi.org/10.6063/motricidade.6(3).144

Brognoli, E., Pagnan, J.M., Longen, W.C. (2020). Saúde mental dos trabalhadores da educação. Brazilian Journal of Health Review, 3(5), 11521-11530. https://doi.org/10.341/bjhrv3n5-013

Caran, V.C.S., Freitas, F.C.T., Alves, L.A., Pedrão, L.J., Robazzi, M.L.C.C. (2011). Riscos Ocupacionais psicossociais e sua repercussão na saúde de docentes universitários. Revista de enfermagem UERJ, 19(2), 255-261.

Carlotto, M. S., & Câmara, S. G. (2007). [ARTIGO PARCIALMENTE RETRATADO]: Propriedades psicométricas do Maslach Burnout Inventory em uma amostra multifuncional. Estudos de Psicologia (Campinas), 24(3), 325–332. https://doi.org/10.1590/s0103-166x2007000300004

Carlotto, M. S., Braun, A. C., Rodriguez, S. Y. S., & Diehl, L. (2014). Burnout em professores: diferença e análise de gênero. Contextos Clínicos, 7(1). https://doi.org/10.4013/ctc.2014.71.08

Coutinho, M.C., Magro, M.L.P.D., Budde, C. (2011). Entre o prazer e o sofrimento: um estudo sobre os sentidos do trabalho para professores universitários. Psicologia: Teoria e Prática, 13(2), 154-167.

Cunha, M. A. B., Neves, A. A. de F., Moreira, M. E., Hehn, F. J., Lopes, T. P., Ribeiro, C. C. F., & Watanabe, Á. de P. F. (2009). Transtornos psiquiátricos menores e procura por cuidados em estudantes de Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 33(3), 321–328. https://doi.org/10.1590/s0100-55022009000300002

Dalagasperina, P., & Kieling Monteiro, J. (2016). Estresse e Docência: Um Estudo no Ensino Superior Privado. Revista Subjetividades, 16(1), 37–51. https://doi.org/10.5020/23590777.16.1.37-51

De Andrade, P. S., & Cardoso, T. A. de O. (2012). Prazer e dor na docência: Revisão bibliográfica sobre a Síndrome de Burnout. Saude e Sociedade, 21(1), 129–140. https://doi.org/10.1590/S0104-12902012000100013

De Costa, M. A., & Manfro, G. G. (2019). Generalized anxiety disorder: Advances in neuroimaging studies. Brazilian Journal of Psychiatry, 41(4), 279. https://doi.org/10.1590/1516-4446-2019-4106

Del Porto, J. A. (1999). Conceito e diagnóstico. Revista Brasileira de Psiquiatria, 21(suppl 1), 06–11. https://doi.org/10.1590/s1516-44461999000500003

De Meis, L., Velloso, A., Lannes, D., Carmo, M. S., & de Meis, C. (2003). The growing competition in Brazilian science: Rites of passage, stress and burnout. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, 36(9), 1135–1141. https://doi.org/10.1590/S0100-879X2003000900001

Dias, A. C. B., Chaveiro, N., & Porto, C. C. (2018). Quality of life of the work of physical therapy course teachers in goiânia in the state of Goiás, Brazil. Ciencia e Saude Coletiva, 23(9), 3021–3030. https://doi.org/10.1590/1413-81232018239.15672016

Fernandes, M. H., & Da Rocha, V. M. (2009). Impacto dos aspectos psicossociais do trabalho na qualidade de vida dos professores. Revista Brasileira de Psiquiatria, 31(1), 15–20. https://doi.org/10.1590/S1516-44462009000100005

Ferreira, M.C. (2015). Qualidade de vida no trabalho (QVT): Do assistencialismo à promoção efetiva. Arqueologia do Conhecimento, XI (2), 28-35.

Ferreira, M.C. (2015a). Ergonomia da Atividade aplicada à qualidade de vida no trabalho: lugar, importância e contribuição da Análise Ergonômica do trabalho (AET). Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 40 (131), 18-29.

Ferreira, M.C. (2008). A Ergonomia da Atividade se interessa pela qualidade de vida no trabalho? Reflexões empíricas e teóricas. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 11 (1), 83-99.

Ferreira, M.C. (2012). Qualidade de vida no trabalho: uma abordagem centrada no olhar dos trabalhadores. 2. ed. Rev. Ampl. Brasília, DF: Paralelo 15.

Ferreira, M.C., Silveira, A.P., Sá, M.A.B., Feres, S.B.L., Souza, J.G.S., Martins, A.M.E.B.L. (2015). Transtorno mental e estresse no trabalho entre professores universitários da área da saúde. Trabalho, Educação e Saúde, 13 (1), 135-155.

Ferro, F. F. (2012). Instrumentos para medir a qualidade de vida no trabalho e a ESF: uma revisão da literatura. Universidade Federal de Minas Gerais.

Freitas, G. R. (2015). Estresse, ansiedade e qualidade de vida em professores: efeitos do relaxamento progressivo. Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho.

Gonçalves, F. N., Miranda, A. S., Neves, A., Santos, L. D. C. dos, Conceição, M. G. da, Barreira, M. C., … Mattos, R. G. C. (2015). A importancia da qualidade de vida no trabalho e sua influência nas relações humanas. Anuário de Produções Acadêmico-Científicas Dos Discentes Da Facudade Araguaia, 2, 61–77.

Jager, M. E., Rohde, C. L. C., & Garcia Dias, A. C. (2013). Qualidade de vida no trabalho em docentes da área de ciências humanas: um estudo descritivo. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, 5(3). https://doi.org/10.3895/s2175-08582013000300004

Junior, O.G. (2010). Sofrimento psíquico e trabalho intelectual. Cadernos de Psicologia do Trabalho, 13 (1) , 133-148.

Klein, L.L., Pereira, B.A.D., Lemos, R.B. (2019). Qualidade de vida no trabalho: Parâmetros e Avaliação no Serviço Público. Gestão Humana e Social, 20 (3).

Lemos, J.C. (2005). Cargas psíquicas no trabalho e processos de saúde em professores universitários. Tese de doutorado, Florianópolis, Universidade Estadual de Santa Catarina.

Lima, M.F.E.M., Lima-Filho, D.O.L. (2009). Condições de trabalho e saúde do/a professor/a universitário/a. Ciências & Cognição, 14(3), 62-82.

Lipp, M. E. N. (2001). Pesquisas sobre stress no Brasil: Saúde, ocupações e grupos de risco (2nd ed.). Campinas: Papirus.

Mancebo, D., Maués, O., & Chaves, V. L. J. (2006). Crise e reforma do Estado e da Universidade Brasileira: implicações para o trabalho docente. Educar Em Revista, (28), 37–53. https://doi.org/10.1590/s0104-40602006000200004

Marqueze, E. C., & Castro Moreno, C. R. de C. (2009). Satisfação no trabalho e capacidade para o trabalho entre docentes universitários. Psicologia Em Estudo, 14(1), 75–82. https://doi.org/10.1590/S1413-73722009000100010

Martins, B. G., Silva, W. R. da, Maroco, J., & Campos, J. A. D. B. (2019). Escala de Depressão, Ansiedade e Estresse: propriedades psicométricas e prevalência das afetividades. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 68(1), 32–41. https://doi.org/10.1590/0047-2085000000222

Mendes, S. S., Salvi, C. P. P., Moraes, B. F. M., & De Martino, M. M. F. (2019). Instrumentos para a avaliação de estresse em estudantes de enfermagem. Revista de Enfermagem UFPE On Line, 13(3), 829–838.

Oliveira, E. (2006). Delimitando o conceito de stress. Ensaios e Ciência.

Organização Mundial de Saúde (2020). Disponível em: https://www.who.int/eportuguese/countries/bra/pt/

Pais Ribeiro, J., & Marques, T. (2009). A avaliação do stresse: a propósito de um estudo de adaptação da escala de percepção de stresse. Psicologia Saúde & Doenças, 10(2), 237–248.

Paschoal, T., & Tamayo, Á. (2004). Validação da escala de estresse no trabalho. Estudos de Psicologia (Natal), 9(1), 45–52. https://doi.org/10.1590/s1413-294x2004000100006

Prado, R. L., Bastianini, M. E., Cavalleri, M. Z., Ribeiro, S. F. R., Pizi, E. C. G., & Marsicano, J. A. (2017). Avaliação da síndrome de Burnout em professores universitários. Revista Da ABENO, 17(3), 21–29.

Ramos, E.L., Souza, N.V.D.O., Gonçalves, F.G.A, Pires, A.S., Santos, D.M. (2014). Qualidade de vida no trabalho: repercussões para a saúde do trabalhador de enfermagem de terapia intensiva. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, 6(2), 571-583.

Razzouk, D. (2016). Por que o Brasil deveria priorizar o tratamento da depressão na alocação de recursos da Sáude? Revista Espidemiologia Serviço Saúde. 25 (4), 845-848.

Reinhold, H. H. (2009). Auto-estima e estresse do docente. In Docência e Formação de Professores na Educação Superior (p. 231). Curitiba: Editora CRV.

Reis, A. L. P. P. dos, Fernandes, S. R. P., & Gomes, A. F. (2010). Estresse e fatores psicossociais. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(4), 712–725. https://doi.org/10.1590/s1414-98932010000400004

Romero-Caraballo, M.P. (2019). Condições de trabalho e significado da profissão acadêmica em professores universitários colombianos. Acta Colombiana de Psicologia, 22(2)280-291.

Sadir, M. A., Bignotto, M. M., & Lipp, M. E. N. (2010). Stress e qualidade de vida: influência de algumas variáveis pessoais. Paidéia (Ribeirão Preto), 20(45), 73–81. https://doi.org/10.1590/s0103-863x2010000100010

Sampaio, J.R. (2012). Qualidade de vida no trabalho: Perspectivas e desafios atuais. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 12(1), 121-136.

Sanchez, H. M. (2015). Qualidade De Vida E a Qualidade De Vida No Trabalho. Universidade Federal de Goiás.

Sanchez, H. M., Sanchez, E. G. de M., Barbosa, M. A., Guimarães, E. C., & Porto, C. C. (2019). Impacto da saúde na qualidade de vida e trabalho de docentes universitários de diferentes áreas de conhecimento. Ciência & Saúde Coletiva, 24(11), 4111–4123. https://doi.org/10.1590/1413-812320182411.28712017

Sant’anna, A. S., & Kiliminik, Z. M. (2011). Qualidade de vida no trabalho: abordagens e fundamentos. Rio de Janeiro: Elsevier.

Santana, J. da S., Silva, J. L. L. da, Mello, G. de M., Bortolazzo, P. A. A. B., Bento, L. C. dos S., & Souza, A. B. de. (2017). Instrumento de avaliação do estresse na equipe de enfermagem. Revista Brasileira Ciências Da Saúde - USCS, 15(52), 61–65. https://doi.org/10.13037/ras.vol15n52.4424

Silva, E. P. (2015). Adoecimento e sofrimento de professores universitários: dimensões afetivas e ético-políticas. Revista Psicologia: Teoria e Prática, 17(1), 61-71.

Silvério, M. R., Patrício, Z. M., Brodbeck, I. M., & Grosseman, S. (2010). O ensino na área da saúde e sua repercussão na qualidade de vida docente. Revista Brasileira de Educação Médica, 34(1), 65–73. https://doi.org/10.1590/s0100-55022010000100008

Vignola, R. C. B., & Tucci, A. M. (2014). Adaptation and validation of the depression, anxiety and stress scale (DASS) to Brazilian Portuguese. Journal of Affective Disorders, 155(1), 104–109. https://doi.org/10.1016/j.jad.2013.10.031

Vilas Boas, A. A., & Morin, E. M. (2017). Qualidade de Vida no Trabalho: Um Modelo Sistêmico de Análise. Revista Administração Em Diálogo - RAD, 19(2), 62. https://doi.org/10.20946/rad.v19i2.31720




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-071

Refbacks

  • There are currently no refbacks.