Relação altura-diâmetro para um povoamento clonal jovem de Tectona grandis Linn F. na Amazônia oriental, Brasil / Hypsometric relation for a young clonal plantation of Tectona grandis Linn F. in eastern Amazon, Brazil

Mario Lima dos Santos, Richard Pinheiro Rodrigues, Cassio Rafael Costa dos Santos, Beatriz Cordeiro Costa, Elizane Alves Arraes Araújo, Arllen Élida Aguiar Paumgartten, Dione Dambrós Raddatz, Rossana Cortelini da Rosa, Michael Douglas Roque Lima, Walmer Bruno Rocha Martins, Rosangela de Jesus Sousa

Abstract


A mensuração da variável altura consiste em uma operação onerosa e propícia a erros que podem superestimar ou subestimar os demais parâmetros de uma floresta. Com isso, este trabalho teve por objetivo obter um modelo hipsométrico para um plantio clonal jovem de Tectona grandis na Amazônia Oriental. Foram estabelecidas cinco parcelas permanentes, medidas aos 18 meses de idade do plantio, utilizando-se método de área fixa, com parcelas de 60 x 60 m, sob processo de amostragem aleatória simples. Com dados de 120 árvores, foram ajustados 11 modelos hipsométricos, quatro lineares e sete não lineares. As equações foram validadas pelo teste do Qui-quadrado. Para seleção foram utilizados o criterios: significância da estatística F da análise de variância (ANOVA) da regressão; coeficiente de determinação ajustado (R²aj.%); erro padrão da estimativa em percentagem (Syx%) e recalculado (Syxr%); desvio médio percentual (DMP%); e gráfico de valores observados e preditos. Nos resultados observamos correlações variando de forte à muito forte entre diâmetro e altura. Na modelagem, a equação 5 (hiperbólica), não-linear, foi a selecionada, pois apresentou melhores critérios estatísticos, com R²aj.= 92,45%, Syx% = 5,32%, DMP% = 0,002% e distribuição residual não tendenciosa e validada. Portanto, ela pode ser indicada para estimar a variável altura total dos indivíduos de T. grandis.

Keywords


Mensuração, Regressão, Seleção dos modelos

References


Alvares, J. C. A. et al. Köppen's climate classification map for Brazil, Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2014.

BATISTA, J. L. F.; COUTO, H. T. Z.; SILVA FILHO, D. F. Quantificação de Recursos Florestais: árvores, arvoredos e florestas, 1ed. São Paulo, Oficina de Textos, 2014.

CERQUEIRA, C. L. et al. Modelagem da altura e volume de Tectona grandis L.F. na mesorregião Nordeste do Pará, Nativa, v. 5, p. 606–611, 2017.

Clima-date.org, “Clima Capitão Poço,” 2020. Disponível em: https://pt.climate-data.org/america-do-sul/brasil/para/capitao-poco-34412. Acesso em: 13 de janeiro de 2020.

CUNHA, T.; FINGER, C. A. G. Modelo de regresión para estimar el volumen total con corteza de árboles de Pinus taeda L. en el sur de Brasil, Revista Forestal Mesoamericana Kurú. v. 6, n. 16, p. 26–40, 2009.

DAU, J. H.; MATI, A.; DAWAKI, S. A. Role of Forest Inventory in Sustainable Forest Management : A Review, International Journal of Forestry and Horticulture, v. 1, n. 2, p. 33–40, 2015.

IBÁ (Indústria Brasileira de Árvores), Relatório Ibá 2019, 2019.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Manual técnico da vegetação brasileira, 2ed., Rio de Janeiro, 2012.

IMAÑA-ENCINAS, J. ANTUNES-SANTANA, O.; RIESCO-MUÑOZ, G. Selección de una ecuación volumétrica para Eucalyptus urophylla s.t. Blake en la región central del estado de Goiás, Brasil, Revista Forestal Mesoamericana Kurú, v. 16, n. 39, p. 02–09, 2019.

MEDEIROS, R. A. H. N. et al. Growth and yield of teak stands at different spacing, Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 53, n. 10, p. 1109–1118, 2018.

MIRANDA, M. C. Caracterização morfológica e avaliação do desenvolvimento inicial de clones de Teca (Tectona grandis L. f), Dissertação, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT, 2013.

MOREIRA, M. F. B. et al. Estimativa da relação hipsométrica com modelos não lineares ajustados por métodos bayesianos empíricos, Cerne, v. 21, n. 3, p. 405–441, 2015.

MOTTA, A. S. et al. Modelagem da altura de Tectona grandis L.f. clonal e seminal, Revista Brasileira Biometria, v. 34, n. 3, p. 395–406, 2016.

OLIVEIRA, G. S. et al. Análise de rentabilidade e risco de investimentos, com ênfase em reflorestamentos da região sul do Brasil: Uma revisão de literatura. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 1,p. 2776-2791, 2020.

PELISSARI, A. L. et al. Cultivo da teca: características da espécie para implantação e condução de povoamentos florestais. Agrarian Academy, v. 1, n. 1, p. 127-145, 2014.

PELISSARI, A. L. Geoestatística aplicada ao manejo de povoamentos de Tectona grandis L. f., Tese, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, 2015.

PEREIRA, K. D. et al. Ajuste de modelos hipsométricos para árvores de Tectona grandis L.f. no município de Mojú, Pará. Enciclopédia Biosfera, v. 10, n. 18, p. 181-189, 2014.

ROSSI, A. S. et al. Relação hipsométrica e crescimento de Tectona grandis L.f. no município de Monte Dourado, Pará, Scientia Forestalis, v. 39, n. 91, p. 301–307, 2011.

SANQUETTA, C. R. et al. Inventários florestais: planejamento e execução, 3ed., Curitiba, Multi Graphic, 2014.

SANQUETTA M. N. I. et al. Ajuste de equações hipsométricas para a estimação da altura total de indivíduos jovens de teca, Cienttífica, v. 43, n. 4, p. 400–406, 2015.

SANTOS, H. G. et al. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3ed., Brasília, Embrapa, 2013.

SCHNEIDER, P. R.; SCHNEIDER, P. S. P.; SOUZA, C. A. M. Análise de regressão aplicada à Engenharia Florestal. 2ed., Santa Maria, Facos, 2009.

SILVA, R. S. et al., Desempenho silvicultural de Tectona grandis L. f. em diferentes espaçamentos em Cáceres, MT. Floresta e Ambiente, v. 23, n. 3, p. 397-405, 2016.

SOARES, C. P. B.; NETO, F. P.; SOUZA, A. L. Dendrometria e Inventário Florestal. 2ed., Viçosa, Editora UFV, 2012.

SOUZA, A. S.; SANTOS, J. X.; SOUZA, D. V. Modelagem da relação hipsométrica para um povoamento híbrido de eucalipto na Amazônia brasileira”, BIOFIX Scientific Journal, v. 2, n. 1, p. 44–53, 2017.

WATT, M. S.; KIRSCHBAUM, M. U. F. Moving beyond simple linear allometric relationships between tree height and diameter. Ecological Modelling, v. 222, p. 3910-3916, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-066

Refbacks

  • There are currently no refbacks.