A contribuição da sintomatologia músculo-esquelética na alteração da qualidade de vida no trabalho de docentes universitários: uma revisão da literatura / The contribution of musculoskeletal symptomatology in changing to the quality of live at work of professors: a literature review

Vanessa Renata Molinero de Paula, Teresa Patrone Cotrim

Abstract


Ceballos e Santos (2015), relatam em seus estudos que mais de 90% da população docente é acometida por sintomas músculo-esqueléticos (SME). Tais sintomatologias influenciam a Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) e consequentemente a produtividade de uma instituição/empresa. O objetivo deste estudo foi, com base em revisão da literatura, verificar as características da SME e os principais fatores de risco, bem como a sua influência na QVT em professores universitários, para servir como fonte bibliográfica para orientar futuros estudos, especialmente relacionados às propostas preventivas e terapêuticas para essa população.

 


Keywords


Ergonomia, Sintomas Músculo-esqueléticos, Qualidade de Vida no Trabalho, Docente Universitário.

References


Araújo, T. M.; Carvalho, F. M. (2009). Condições de trabalho docente e saúde na Bahia: estudos epidemiológicos. Educ. Soc., Campinas, vol 30, n. 107, p. 427-449.

Bachiega, J. C. (2009). Sintomas de distúrbios osteomusculares relacionados à atividade de cirurgiões-dentistas brasileiros (Dissertação Mestrado Ciências da Reabilitação). Universidade Nove de Julho, São Paulo, Brasil.

Barros, E. N. C., Alexandre, N. M. C. (2003). Cross-cultural adaptation of the Nordic musculoskeletal questionnaire. Int Nurs Ver, 50 (2), 101-08.

Boas, A. A. V., de Sousa Pires, A. A., Faria, D. A., & Morin, E. M. (2018). Indicadores de qualidade de vida no trabalho de docentes de instituições federais de ensino superior das regiões sudeste, centro-oeste e Distrito Federal/Quality of life indicators in the work of teachers from federal higher education institutions in the southeast, midwest and Federal District. Brazilian Applied Science Review, 2(1), 19-51.

Bogaert, I. De Martelaer, K., Deforche, B., Clarys, P., & Zinzen, E. (2014). Associations between different types of physical activity and teacher’s perceived mental, physical, and work-related health. BMC Public Health, 14(534), 1-9.

CARDOSO, J. P. et al (2009). Prevalência de dor musculoesquelética em professores. Rev. bras. epidemiol., São Paulo, v. 12, n. 4, p. 604-614.

Ceballos, A. G. C., Santos, G. B. (2015). Factors associated with musculoskeletal pain among teachers: sociodemographics aspects, general health and well-being at work. Revista Brasileira de Epidemiologia, 18(3), 702-715. https://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201500030015.

Cheniaux E. (2015). Manual de Psicopatologia. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Cheremeta, M.; Pedroso, B.; Pilatti, L. A.; Kovaleski, J. L. (2011). Construção da versão abreviada do QWLQ-78: um instrumento de avaliação da qualidade de vida no trabalho. Revista Brasileira de Qualidade de Vida. v. 3, n. 1, p. 1-15.

Crawford, J. O.(2007). The Nordic Muscoloskeletal Questionnaire. Occup Med, 57(4), 300-1.

Dutra D., Stecca E.J., Pereira P.F.R., Siqueira C.P.C.M. (2005). Prevalência de algias nos ombros em professores da rede municipal de ensino fundamental de Umuarama (PR) no ano de 2004. Arq Ciênc Saúde Unipar.; 9(2):79-84.

Eatough, E. M; Way, J. D.; Chang, C. H. (2012). Understanding the link between psychosocial work stressors and work-related musculoskeletal complaints. Applied Ergonomics 43; 554 e 563.

Fernandes M.H., Da Rocha V.M., Costa-Oliveira AR (2009). Fatores associados à prevalência de sintomas osteomusculares em professores. Rev. Salud. Pública; 11(2):256-67.

Fontana, R. T., Pinheiro, D. A. (2010). Condições de saúde auto referidas de professores de uma universidade regional. Revista Gaúcha de Enfermagem, 31(2), 270-6.

Fleck, M. P. A., Louzada, S., Xavier, M., Chachamovich, E., Vieira, G., & Pinzon, V. (200). Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “whoqol – bref”. Revista de Saúde Pública, 34(2), 178-183.

Gaspar R.F., Fernandes T.C. (2015). Oligopolização e precarização do trabalho docente no ensino superior privado brasileiro: causas, conexões e consequências. Rev. Espaço Acadêmico; 168:77-92.

Hilleshein E.F., Lautert L. (2012). Work capacity, sociodemographic and work haracteristics of nurses at a university hospital. Rev Latinoam Enferm, 20(3):520- 527.

Koetz, L., Rempel, C., Périco, E. (2013). Quality of life of professors of higher education community institutions in the state of Rio Grande do Sul, Brazil. Ciência & Saúde Coletiva, 18(4), 1019-1028.

Lin, Cheng, Ho (2020).

Maakip, I.; Keegel, T.; Oakman, J. (2017). Predictors of musculoskeletal discomfort: A cross-cultural comparison between Malaysian and Australian office workers. Applied Ergonomics 60; 52e57.

MARCACINE, P. R. et al (2019). Qualidade de vida, fatores sociodemográficos e ocupacionais de mulheres trabalhadoras. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 749-760.

Moreira-Silva, I.; Azevedo, J.; Rodrigues, S.; Ventura, N.; Seixas, A.; Mota, J. (2019). Prevalence of musculoskeletal symptoms in blue-collar workers: association with individual and lifestyle related factors. International Journal of Occupational and Environmental Safety, 3:3; 1-10.

Neves, A. I. A.; Vieira, E. M. A.; Cardia, M. C. G.; Lucena, N. M. G.; Silva, L. B. (2018). Fatores sociodemográficos e organizacionais para o surgimento de sintomas musculoesqueléticos em intensivistas / Sociodemographic and organizational factors associated with musculoskeletal symptoms among intensive care unit professionals. Rev. bras. med. trab ; 16(3): 263-269..

Oliveira B.G.R.B., Porto I.S., Ferreira M.A., Castro J.B.A. (2007). Profile of students registered in nursing auxiliary and technician courses of the Nursing Worker Professionalization Project (PROFAE). Rev Lat Am Enfermagem; 15(1):127-133.

Pilatti, L. A., Bejarano, V. C. (2005). Qualidade de vida no trabalho: leituras e possibilidades no entorno. In A. G. Gonçalves, G. L. Gutierrez & R. Vilarta (Orgs.). Gestão da qualidade de vida na empresa (pp. 85-104). Campinas: IPES Editorial.

Pinheiro F.A., Tróccoli B.T., Carvalho C.V. (2002). Validação do questionário nórdico de sintomas osteomusculares como medida de morbidade. Rev. Saúde Pública; 36(3):307-12.

Porto L.A., Reis I.C., Andrade J.M., Nascimento C.R., Carvalho F.M. (2004). Doenças ocupacionais em professores atendidos pelo Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador (CESAT). Rev. Baiana Saúde Pública; 28(1): 33-49.

Punnett, L., Wegman, D. H. (2004). Work-related musculoskeletal disorders: the epidemiologic evidence and the debate. J Electromyogr Kinesiol, 14(1),13-23

REIS JÚNIOR, D. R. (2008). Qualidade de vida no trabalho: construção e validação do questionário QWLQ-78. 114 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa.

Ribeiro, I. Q., Araújo, T. M., Carvalho, F. M., Porto, L. A, Reis, E. J. (2011). Fatores ocupacionais associados à dor musculoesquelética em professores. Revista Baiana de Saúde Pública, 35(1), 42-64.

Rodrigues M.V.C. (1995). Qualidade de vida no trabalho. 2a ed. Petrópolis: Vozes.

Sanchez H.M., et al. (2013). Incidência de dor musculoesquelética em docentes do ensino superior. Rev. Bras. Med. Trab.; 11(2):66-75.

SANCHEZ, Hugo Machado et al (2019). Impacto da saúde na qualidade de vida e trabalho de docentes universitários de diferentes áreas de conhecimento. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 24, n. 11, p. 4111-4123.

SILVA, K. N.; DUTRA, F. C. M. S. (2016). Fatores psicossociais do trabalho e dor crônica: análise em duas escolas da rede municipal de educação em Serrana/SP. Rev. Dor, São Paulo, v. 17, n. 3, p. 164-170.

Stephan Y., Sutin A.R., Luchetti M., Terracciano A. (2017). Feeling older and the development of cognitive impairment and dementia. J Gerontol B Psychol Sci Soc Sci;72:966–973.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-064

Refbacks

  • There are currently no refbacks.