Tuberculose pulmonar e os desafios do tratamento em paciente em situação de rua: relato de caso / Pulmonary tuberculosis and the challenges of treating a homeless patient: a case report

Amanda Cunha Gomes de Freitas, Ana Clara Fachinello Laudelino, Samanta Hosokawa Dias de Nóvoa Rocha, Marcella Resende Monteiro do Prado, Roberta Vian Pellizer Serea

Abstract


A tuberculose é uma doença infecto-contagiosa de importante destaque na saúde pública mundial, fatores como exclusão social e marginalização da população contribuem para sua relevância epidemiológica. No presente artigo, foi relatado o caso de um paciente morador de rua, tabagista, alcoolista em abstenção, diagnosticado com tuberculose pela equipe do Consultório na Rua, encaminhado para a atenção terciária para tratamento e acompanhado pela atenção primária, demonstrando o desafio que envolve a propedêutica desse tipo de paciente e a aplicação prática do Tratamento Diretamente Observado (TDO

Keywords


tuberculose, tuberculose resistente à drogas, população de rua, tabagismo, etilismo, Tratamento Diretamente Observado.

References


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 8ª ed. P. 412, Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

Rocha AL, Branco MJP, Procópio MJ, Hijjar MA, Porto OM. Determinantes Sociais da Tuberculose. In: Procópio, M. J. (Org.) Controle da Tuberculose: Uma proposta de integração ensino-serviço. 7ª Ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2014: 73-85.Boletim Epidemiológico Tuberculose. Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde. Número Especial. Mar. 2020

Feske ML, Teeter LD, Musser JM, Graviss EA. Counting the Homeless: A Previously Incalculable Tuberculosis Risk and Its Social Determinants. Am J Public Health. [Internet]. 2013 May [cited 2017 Jan, 21]; 103(5): 839-48. Available from:https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3698826/pdf/AJPH.2012.300973.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico. Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde. 2014: 44 (02): 1- 94.

Risk and Its Social Determinants. Am J Public Health. [Internet]. 2013 May [cited 2017 Jan, 21]; 103(5): 839-48. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3698826/pdf/AJPH.2012.300973.pdf

Parry CDH et al. Alcohol and infectious diseases:are there causal linkages? Rev. Addiction. add 104 (1): 331- 332. 2009

Síntese de evidências para políticas de saúde. Adesão ao tratamento de tuberculose pela população em situação de rua. Ministério da Saúde. Brasília-DF 2016.

FARGA, V.; CAMINERO, J. Tuberculosis. Santiago y Buenos Aires: Editorial Mediterráneo: [s.n.]. 2011.

BRASIL. Manual sobre o cuidado à saúde junto à população em situação de rua. Ministério da Saúde. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília – DF 2012

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Centro de Referência Prof. Hélio Fraga. Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. Controle da tuberculose: uma proposta de integração ensino-serviço. Rio de Janeiro (RJ): FUNASA/CRPHF/SBPT; 2002.

WHO, WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global tuberculosis report 2016. [s.l.] Geneva: WHO, 2016b.

CASELA M. et al. Teste rápido molecular para tuberculose: avaliação do impacto de seu uso na rotina em um hospital de referência. Jornal Brasileiro de Pneumologia. Volume 44 - Number 2, 2018.

BRASIL. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. 2ª edição atualizada. Ministério da Saúde. Brasília, 2019.

WHO, WORLD HEALTH ORGANIZATION. Collaborative framework for care and control of tuberculosis and diabetes. [s.l.] Geneva: World Health Organization, 2011.

BRASIL. Tratamento diretamente observado (TDO) da tuberculose na Atenção Básica. Protocolo de enfermagem. Ministério da Saúde. Brasília, 2011.

WHO, WORLD HEALTH ORGANIZATION. Frequently asked questions about the implementation of the new WHO recommendation on the use of the shorter MDRTB regimen under programmatic conditions. World Health Organization, Geneva, Switzerland, v. Version: 11, 2016c

LIMA, T. et al. Teste Rápido Molecular GeneXpert para diagnóstico da tuberculose. Revista Pan-Amaz Saúde, v. 8, n. 2, p. 67–78, 2017.

LOPES, A. C. Tratado de clínica médica. In: Tratado de clínica médica. 2. ed. [s.l.] Ed. São Paulo: Roca, 2006.

CAMINERO, J. A. Actualización en el diagnóstico y tratamiento de la tuberculosis pulmonar. Revista Clínica Española, v. 216, n. 2, p. 76–84, 2016

WHO, WORLD HEALTH ORGANIZATION. The use of molecular line probe assay for the detection of resistance to isoniazid and rifampicin: policy update. 2016a.

WHO, WORLD HEALTH ORGANIZATION. The use of molecular line probe assays for the detection of resistance to second-line anti-tuberculosis drugs. Policy guidance. 2016b.

Rocha AL, Branco MJP, Procópio MJ, Hijjar MA, Porto OM. Determinantes Sociais da Tuberculose. In: Procópio, M. J. (Org.) Controle da Tuberculose: Uma proposta de integração ensino-serviço. 7ª Ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2014: 73-85.

WHO, WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global tuberculosis report 2016. [s.l.] Geneva: WHO, 2016.

ZENNER, D., et al. Active case finding for tuberculosis among high-risk groups in lowincidence countries [State of the art series. Case finding/screening. Number 3 in the series]. The International Journal of Tuberculosis and Lung Disease,v.17,n.5,p. 573- 582,2013.

SILVA C. B. et al. O consumo de álcool durante o tratamento da tuberculose: percepção dos pacientes. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. (Ed. port.) vol.7 no.1 Ribeirão Preto abr. 2011.

COSTA M. C. P. O tabagismo e o consumo abusivo de bebidas alcoólicas em paciente com tuberculose pulmonar e a atuação dos profissionais de saúde. Unicamp. Campinas, 2017. Acesso no link: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/321606

Levy DT, Cummings M, Hyland A. A Simulation of the Effects of Youth Initiation Policies on Overall Cigarette Use. Americ Jour of Pub Health. 2000; 90 (8):1311-1314.

BOMBARDA, S. et al. Recomendações para o diagnóstico e tratamento das micobacterioses não tuberculosas no Estado de São Paulo. Divisão de Tuberculose, Centro de Vigilância Epidemiológica Alexandre Vranjak, Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, Brasil. Disponível em: http://www. cve.saude.sp.gov.br/htm/TB/mat_tec/ TB11_3MNTSB. pdf.

Maine L. D. Bardou et al. Recidiva de tuberculose na cidade de Jundiaí no período de 2006 a 2011: perfil clínico e epidemiológico. Medicina (Ribeirão Preto. Online); 49(3): 258-264. 2016.

Albuquerque MFM, Leitão CCS, Campelo ARL, Souza WV, Salustiano A. Fatores prognósticos para o desfecho da tuberculose pulmonar em Recife, Pernambuco, Brasil. Rev Panam Salud Publica 2001 junho; 9(6):368-74.

HINO P. et al. O controle da tuberculose na ótica de profissionais do Consultório na Rua. Rev. Latino-Am. Enfermagem vol.26 Ribeirão Preto 2018 Epub Nov 29, 2018.

Brasil. Portaria nº 122 de 25 de janeiro de 2011. Define as diretrizes de organização e funcionamento das equipes de Consultório na Rua. Diário Oficial da União; 2012.

Clementino FS, Marcolino EC, Gomes LB, Guerreiro JV, Miranda FAN. Ações de controle da tuberculose: análise a partir do programa de melhoria do acesso e da qualidade da atenção básica. Texto Contexto Enferm. 2016; 25(4):e4660015.

ANDRADE R. L. P. et al. A influência do alcoolismo no prognóstico e tratamento da tuberculose. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. (Ed. port.) v.1 n.1 Ribeirão Preto fev. 2005




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-062

Refbacks

  • There are currently no refbacks.