A dor lombar como indicador de alteração na qualidade de vida no trabalho de docentes universitários: uma revisão da literatura / The low back pain as an indicator of change in the quality of life at work of professor: a literature review

Gustavo Melo de Paula, Teresa Patrone Cotrim

Abstract


A dor lombar é considerada um problema de saúde pública em vários países do mundo, afetando cerca de 65% das pessoas anualmente, principalmente as mulheres. Em docentes universitários a dor lombar é uma condição muito frequente, podendo acometer cerca de 60 a 80% desta população, com consequências físicas, psicossociais, econômicas, no convívio familiar dos indivíduos e, consequentemente, na qualidade de vida no trabalho. Sendo assim, o objetivo deste estudo foi, com base em revisão da literatura, verificar as características da dor lombar e sua influência na qualidade de vida no trabalho em docentes universitários, para servir como fonte bibliográfica para orientar futuros estudos, especialmente aqueles relacionados às propostas preventivas e terapêuticas para essa população.

 


Keywords


Ergonomia, Dor Lombar, Lombalgia, Qualidade de Vida no Trabalho, Docente Universitário, Docente.

References


Araújo, T.M., Carvalho, F.M. (2009). Condições de trabalho docente e saúde na Bahia:estudos epidemiológicos. Educação e Sociedade, 30(107): 427-49.

Bogaert, I. De Martelaer, K., Deforche, B., Clarys, P., & Zinzen, E. (2014). Associations between different types of physical activity and teacher’s perceived mental, physical, and work-related health. BMC Public Health, 14(534), 1-9.

Cardoso, J.P., Ribeiro, I.Q.B., Araújo, T.M., Carvalho, F.M., Reis, E.J.F.B. (2009). Prevalência de dor musculoesquelética em professores. Rev Bras Epidemiol, 12(4): 604-14.

Carvalho, A.J.F.P., Alexandre, N.M.C. (2006). Qualidade de vida e sintomas osteomusculares em professores do ensino fundamental. Fisioter Brasil, 7(4): 279-84.

Cheniaux, E. (2015). Manual de Psicopatologia. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.Costa, N.M.S.C. (2007). Docência no ensino médico: por que é tão difícil mudar? Rev. Bras. Educ Med, 31(1):21-30.

Côté P, Baldwin M.L., Johnson W.G., Frank J.W., Butler R.J. (2008). Patterns of sick-leave and health outcomes in injured workers with back pain. Eur Spine J, 17(4):484-93.

Dias, A.C.B., Chaveiro, N., Porto, C.C. (2018). Qualidade de vida no trabalho de fisioterapeutas docentes no município de Goiânia, Goiás, Brasil. Ciências e Saúde Coletiva,23(9):3021-3030.

Dornelas, L. F. (2018). Escola de postura: educação aliada com a saúde/School of posture: education allied with health. Brazilian Journal of Health Review, 1(2), 332-341.

Facchini, Y.M.G.A., Areão, A.S., Lenk, T.U.M. (2015). Qualidade de vida no trabalho dos professores tutores das redes pública e privada de educação. www.abed.org.br/congresso2015/anais/pdf/BD_147.pdf

Fernandes, M.H., Rocha, V.M. (2009). Impact of the psychosocial aspects of work on the quality of life of teachers. Brazilian Journal of Psychiatry, 31(1): 15-20.

Ferreira, J.B., Morais, K.C.S., Cirqueira, R.P., Macedo, A.P. (2015). Sintomas osteomusculares em professores: uma revisão da literatura. Inter Scientia, 3(1): 147-162.

Fontana, R.T., Pinheiro, D.A. (2010). Condições de saúde auto referidas de professores de uma universidade regional. Revista Gaúcha de Enfermagem, 31(2): 270-6.

Furtado, R.N.V., Ribeiro, L.H., Abdo, B.A., Descio, F.J., Martucci Junior, C.E., Serruya, D.C. (2014). Dor lombar inespecífica em adultos jovens: fatores de risco associados. Revista Brasileira de Reumatologia, 54(5): 371-377.

Gaspar, R.F., Fernandes, T.C. (2015). Oligopolização e precarização do trabalho docente no ensino superior privado brasileiro: causas, conexões e consequências. Rev Espaço Acadêmico; 168:77- 92.

Hanson, L.L.M, Madsen, I.E., Rugulies, R. Peristera, P., Westernlund, H. Descatha, A. (2017). Temporal relationships between job strain and low-back pain. Scand J Work Environ Health – Online first article, 1-9. in PubMed: www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28636724.

Hong, S.K., Shin, D.C. (2020). Relationship between pain intensity, disability, exercise time and computer usage time and depression in office workers with non-specific chronic low back pain. Medical Hypotheses, 137: 1-4.

Horng, Y.S., Hwang, Y.H., Wu, H.C., Liang, H.W., Mhe, Y.J., Twu, F.C. (2005). Predicting Health- Related Quality of Life in Patients With Low Back Pain. Spine, 30(5): 551-555.

Itz C.J., Geurts, J.W, Van, K.N.M, Nelemans P. Clinical course of non-specific low back pain: a systematic review of prospective cohort studies set in primary care. (2013). Eur J Pain, 17(1): 5–15.

Kovess-Masféty, V., Sevilla-Dedieu, C., Rios-Seidel, C., Nerrière, E., Chee, C.C. (2006). Do teachers have more health problems? Results from a French cross-sectional survey. BMC Public Health, 6(1), 1-13.

Lima, M.F.E.M., Lima, D.O.F. (2009). Condições de trabalho do professor universitário. Ciênc. Cogn, 4(3): 184-9.

Lima Júnior, J.P.D., e Silva, T.F.A.D. (2014). Análise da sintomatologia de distúrbios osteomusculares em docentes da Universidade de Pernambuco – Campus Petrolina. Revista Dor, 15(4), 276-280.

Limongi-França, A.C. (2014). Qualidade de vida no trabalho – QVT: conceitos e práticas nas empresas da sociedade pós-industrial. 2ª edição. São Paulo: Atlas.

Lizier, D.T. Perez, M.V., Tsa, R.K.S. (2012). Exercícios para tratamento da lombalgia específica. Rev Bras Anestesiol, 62(6): 842-846.

Luo, X., Pietrobon, R., Sun, S. X., Liu, G. G., & Hey, L. (2004). Estimates and patterns of direct health care expenditures among individuals with back pain in the United States. Spine, 29(1), 79-86.

Maciel, A.C.C., Fernandes, M.B., Medeiros, L.S. (2006). Prevalência e fatores associados à sintomatologia dolorosa entre Profissionais da indústria textil. Rev Bras Epidemiol., 9(1):94-102.

Mango, M.S.M., Carilho, M.K., Drabovski, B., Joucoski, E., Garcia, M.C., e Gomes, A.R.S. (2017). Análise dos sintomas osteomusculares de professores do ensino fundamental em Matinhos (PR). Fisioterapia em movimento, 25(4).

Marcacine, P.R, Castro, S.S., Castro S.S., Meirelles, M.C.C.C., Haas, J.V., Walsh, I.A.P. (2019). Qualidade de vida, fatores sociodemográficos e ocupacionais de mulheres trabalhadoras. Ciência & Saúde Coletiva, 24(3):749-760.

Melzer, A.C.S. (2008). Fatores de risco físicos e organizacionais associados a distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho na indústria têxtil. Fisioter Pesq. 15(1):24-32.

Moraes, M.L., Silva, V.K.O., Silva, J.M.N. (2018). Prevalence of low back pain and associated factors among physiotherapy students. Br J Pain, 1(3):241-7.

Nascimento, P.R.C., Costa, L.O.P. (2015). Prevalência da dor lombar no Brasil: uma revisão sistemática. Caderno de Saúde Pública, 31(6): 1141-1155.

Oliveira, B.G.R.B., Porto, I.S., Ferreira, M.A., Castro, J.B.A. (2007). Profile of students registered in nursing auxiliary and technician courses of the Nursing Worker Professionalization Project (PROFAE). Rev Lat Am Enfermagem, 15(1): 127-133.

Paula, E.A., Buschinelli, J.C., Maeno, M. Costa, R.F. (2016). Qualidade de vida de trabalhadores com LER/DORT e lombalgia ocupacional atendidos no Cerest de Guarulhos. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 41(19): 1-11.

Picoloto, D., Silveira E. (2008). Prevalência de sintomas osteomusculares e fatores associados em trabalhadores de uma indústria metalúrgica de Canoas-RS. Cienc Saúde Colet, 13(2): 507-16.

Pilatti, L.A., Bejarano, V.C. (2005). Qualidade de vida no trabalho: leituras e possibilidades no entorno. In A. G. Gonçalves, G. L. Gutierrez & R. Vilarta (Orgs.). Gestão da qualidade de vida na empresa (pp. 85-104). Campinas: IPES Editorial.

Reinehr, F.R., Carpes, F.P. Mota, C.B. (2008). Influencia do treinamento de estabilização central sobre a dor e estabilidade lombar. Fisioterapia em Movimento, 21(1): 123-129.

Ribeiro, I.Q., Araújo, T.M., Carvalho, F.M., Porto, L.A, Reis, E.J. (2011). Fatores ocupacionais associados à dor musculoesquelética em professores. Revista Baiana de Saúde Pública, 35(1): 42-64.

Roffey, D.M., Wai, E.K., Bishop, P., Kwon, B.K., Dagenais, S. (2010). Causal assessment of awkward occupational postures and low back pain: results of a systematic review. The Spine Journal, 10(2010): 89–99.

Saluetti, M.G., Pimenta, C.A.M, Braga, P.E. Correa, C.F. (2012). Incapacidade relacionada à dor lombar crônica: prevalência e fatores associados. Rev. Esc. Enferm. USP, 46: 16-23.

Sanchez, H.M., Gusatti, N., Sanchez, E.G., Barbosa, M.A. (2013). Incidência de dor musculoesquelética em docentes do ensino superior. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, 11(2): 66-75.

Sanchez, H.M., Gusatti, N., Sanchez, E.G., Barbosa, M.A., Guimarães E.C., Porto C.C. (2019). Impacto da saúde na qualidade de vida e trabalho de docentes universitários de diferentes áreas de conhecimento. Ciênc. saúde coletiva, 24 (11): 4111-4122.

Sarda J.J., Nicholas, M.K., Asghari A., Pimenta C.A.M. (2009) The contribution of self-efficacy and depression to disability and work status in chronic pain patients: a comparison between Australian and Brasilian samples. Eur J Pain, 13(2):180-95.

Vedovato, T.G., Monteiro, M.I. (2008). Perfil sociodemográfico e condições de sáude e trabalho dos professores de nove escolas estaduais paulistas. Rev Esc Enferm, 42(2):290-7.

Wai, E.K, Roffey, D.M, Bishop, P., Kwon, B.K., Dagenais, S.(2010). Causal assessment of occupational lifting and low back pain: results of a systematic review. (2010). The Spine Journal, 10(10): 554–566.

Yang, H., Haldeman, S., Lu, M.L., Baker, D. (2016). Low Back Pain Prevalence and Related Workplace Psychosocial Risk Factors: A Study Using Data From the 2010 National Health Interview Survey. Journal of Manip and Phys Ther Low Back Pain, 7: 1-14.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-061

Refbacks

  • There are currently no refbacks.