Comportamento alimentar entre estudantes de medicina de uma Universidade privada em Campo Grande – Mato Grosso do Sul / Eating behavior among medical students in a private university in Campo Grande - Mato Grosso do Sul

Isadora Palacio Lopes, Juliana Lacerda Lopes Nogueira, Maria Luiza Azambuja Caramori, Mariana Bernardoni Grimm, Mariana Ravizzini Bagno, Pietra Serra dos Passos, Suzane Barboza Costa, Ulli de Paula, Suellem Luzia Costa Borges

Abstract


A preocupação com a autoimagem incentivada pela mídia, aliada ao estresse cotidiano propicia desvios de comportamento alimentar e insatisfação corporal. Este estudo teve como objetivo identificar a prevalência de transtornos alimentares e de insatisfação corporal em estudantes de medicina do sexo feminino da Universidade Uniderp na cidade de Campo Grande – MS e correlacionar com os índices de massa corporal. É um estudo transversal com amostra aleatória representativa de 154 estudantes, utilizando como método de estudo o Índice de Massa Corporal (IMC); o Eating Attitudes Test (EAT-26) e o Body Shape Questionnaire modificado. Todos os dados colhidos foram tabulados no Excel para análise de frequência e cruzamento de variáveis. Como resultado foi obtido a média de 20,15% de peso elevado, 30,5% de estudantes com comportamento de risco para Transtornos Alimentares Comportamentais (TCA) e 47,4% de prevalência de insatisfação corporal. 47,4% das acadêmicas tiveram ambos os resultados normais. É evidenciado que as acadêmicas de medicina que apresentaram risco para o desenvolvimento ou progressão de TCA colhem repercussões danosas tanto na saúde física quanto mental. Conclui-se que equilibrando a rotina extensa com hábitos saudáveis tende a reduzir o desencadeamento de distúrbios, não prejudicando a saúde e o exercício da carreira médica futuramente.

Keywords


EAT-26, Transtornos alimentares (TCA), BSQ, Imagem corporal, Acadêmicas de Medicina.

References


ALEXANDRE, I.M.C.G.P. et al. Avaliação da imagem corporal em uma amostra de estudantes de medicina. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, [S.l.], v. 15, n. 3, p. 64-67, set. 2013. ISSN 1984-4840. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2019.

ALVARENGA M.D.S, SCAGLIUSI FB, PHILIPPI ST. Comportamento de risco para transtorno alimentar em universitárias brasileiras. Rev. psiquiatr. clín. 2011;38(1):03-7

CAMARGO E.L.B. Prevalência e fatores associados a comportamentos sugestivos de transtornos alimentares entre estudantes de medicina, enfermagem e nutrição. [Mestrado]. Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP,; 2008.

BOSI, M.L. et al. Comportamento alimentar e imagem corporal entre estudantes de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica. Brasília, 2014.

CASTRO, M.J. e Goldstein, J.S. (1995). Eating attitudeas and behaviours of pre-and postpubertal females : Clues to the etiology of eating disorders. Pystology and Behavior, 58(1), 15-23

COOPER, P., TAYLOR, M.J, Cooper, Z. & Fairburn, CG. – The development and validation of the body shape questionnaire. Int j eat. Disord. 1987, 6: 485-94

CORDÁS, T.A. e Castilho, S. (1994), Imagem corporal nos transtornos alimentares. Instrumento de avaliação :Body Shape Questionnaire. Psiquiatria Biológica, 2, 17-21

DE SOUZA, A.S. et al (2011). O Comportamento Alimentar e os Distúrbios Psicológicos. Estudantes de Psicologia. Universidade Vila Velha, Brasil.

DI PIETRO, M.C. Validade interna, dimensionalidade e desempenho da escala BSQ – “Body Shape Questionnaire” em uma população de estudantes universitários. 2002. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2002.

FEITOSA, E.P.S. et al. Hábitos alimentares de estudantes de uma universidade pública no Nordeste. Brasil. Rev. Alim. Nutr. 2010; v. 21, n. 2, p. 225-230

FONTANELLE, L.F. et al. Transtornos alimentares e os espectros do humor e obsessivo compulsivo. Revista brasileira de psiquiatria, Brasil, n.24, p. 24-28, 2002

REIS, A.S.; SOARES, L.P. Estudantes de nutrição apresentam risco para transtornos alimentares. Revista Brasileira de Ciência e Saúde. Minas Gerais, 2017

ROCHA, G. Obesidade atinge 19,9% da população de Campo Grande e colabora para maior prevalência de hipertensão e diabetes. 2017.Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/28119-obesidade-atinge-19-9-da- populacao-de-campo-grande-e-colabora-para-maior-prevalencia-de-hipertensao-e-diabetes. Acesso em: 15/06/2018.

SILVA J.D., SILVA A.B.D.J., OLIVEIRA A.V.K.D., NEMER A.S.D.A. Influência do estado nutricional no risco para transtornos alimentares em estudantes de nutrição. Ciênc. saúde coletiva.2012;17(12):3399-406

TURY, F., Guleç, H., & Kohls, E. Assessment methods for eating disorders and body image disorders. Journal of Psychosomatic Research, 69, 601-611. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.jpsychores. 2009.05.012




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-055

Refbacks

  • There are currently no refbacks.