Mulher feliz é mulher casada: uma discursivização do casamento no jornal das moças na década de 50 / Happy woman is married woman: a wedding discursive in the girls' newspaper in the 1950s

Palmira Virgínia Bahia Heine Alvarez

Abstract


Este artigo objetivou analisar os modos de construção de sentidos sobre mulher e casamento na revista feminina Jornal das Moças da década de 1950. Tendo como base teórica os pressupostos da Análise de Discurso de vertente pecheutiana, analisamos as formas de constituição dos sentidos sobre mulher em sua relação com o matrimônio a partir da historicidade que constitui a língua e o discurso em exemplos que circularam no período em análise na referida revista. Apresentando-se como a revista feminina do lar e da família, em grande parte das vezes esse periódico era  utilizado como aliado na educação e formação social das mulheres e moças no Brasil, fazendo circular sentidos sobre ser mulher casada, os quais pressupunham o funcionamento ideológico que conduzia os sujeitos mulheres a ocuparem determinadas posições na esfera discursiva e pressupunha práticas de diferenciação entre homens e mulheres. Os resultados apontam a construção do discurso  a partir da ideia de que mulher feliz era a mulher casada e que, para ser uma boa esposa era preciso saber realizar as atividades domésticas e  manter o casamento relevando as atitudes infiéis do marido.

 

 


Keywords


mulher, discurso, revista, casamento.

References


ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado. 3 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

ALVAREZ, Palmira Heine; AZEVEDO, Jeany Santos de Carvalho. O silêncio e o sentido na revista Jornal das Moças. In: HEINE, Licia; NERY, Marta Maria; SALES, Myriam; NEIVA, Nordélia. Inquietações do texto e do discurso: interpelações, debates e embates. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia, 2018.

ALVAREZ, Palmira Heine. Mulheres em (re)vista: a discursivização da mulher na revista Jornal das Moças da década de 1950. São Carlos: Pedro e João Editores, 2020.

BANDEIRA, Ana Paula; BORTOLI, Suzana. Jornalismo feminino e sua histórica aproximação com o universo do consumo. Revista Brasileira de história da mídia. Online, vol 6, n2. Jul-dez 2017.

GREGOLIN, Maria do Rosário. Formação discursiva, redes de memória e trajetos sociais de sentido: mídia e produção de identidades. In: BARONAS, Roberto Leiser (org.). Análise do Discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro & João Editores, 2007.

GRIGOLETTO, Evandra. Só ele é assim: uma análise da representação da mulher no discurso publicitário do Campari. Revista Investigações. Vol. 24, nº 2, Julho/2011

ORLANDI, Eni. As formas do silêncio. Campinas: Editora Unicamp, 2007.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora Unicamp, 2009.

PINSKY, Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. São Paulo: Contexto, 2014.

SANTOS, Luciana da Silva; DINIZA, Gláucia Ribeiro Starling. Donas de casa: classes diferentes, experiências desiguais.Psic. Clin. (online), Rio de Janeiro, vol.23, n.2, p.137 – 149, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-052

Refbacks

  • There are currently no refbacks.