Tratamento cirúrgico de fratura mandibular em paciente pediátrico com material não absorvível - relato de caso / Surgical treatment of mandibular fracture in a pediatric patient with non-absorbible material - case report

Pamela Gomes, Wellington Luiz Vieira, Christian Recchioni, Rudiney Daruge, Kelly Zaia Barel

Abstract


Casos de fraturas faciais em crianças são menos frequentes, se comparados aos adultos. Entretanto, as fraturas faciais na população pediátrica costumam ser complexas e variam de acordo com o país e com a idade da população pediátrica; por isso exigem do Cirurgião Buco maxilo facial um grande entendimento e compreensão do esqueleto facial e tecidos moles. O tratamento cirúrgico do trauma facial consiste na devolução da forma e função a longo prazo. Os métodos de tratamento citados na literatura são baseados nas características do trauma e podem variar entre cirúrgicos e conservadores. O presente estudo apresenta um relato de caso da utilização de material de fixação interna não absorvível para tratamento da fratura de mandíbula, de um paciente pediátrico de 4 anos, gênero feminino, com eliminação imediata dos sinais e sintomas relatados pela paciente pediátrica e ausência de complicações pós operatórias. A cirurgia apresentou pós-operatório e cicatrização satisfatórios; não houve quaisquer queixas por parte da paciente, que evoluiu sem sintomatologia durante o período de acompanhamento. O material de fixação interna rídiga não absorvível, muitas vezes, é a única opção disponível pelo SUS. Embora citado na literatura alguns  efeitos prejudicais no crescimento do esqueleto craniofacial, no entanto,  no caso relatado, não foi observado alterações clínicas.


Keywords


Criança, Fixação interna estável não reabsorvível, Fraturas mandibulares, Trauma.

References


Ferreira PC, Amarante JM, Silva PN, et al. Retrospectivo estudo de 1251 fraturas maxilofaciais em crianças e adolescentes. Plast Reconstr Surg 2005; 115: 1500-1508.

Demianczuk AN, Verchere C, Phillips JH. O efeito emcrescimento facial de fraturas mandibulares pediátricas. J CraniofacSurg 1999; 10: 323-328.

Imahara SD, Hopper RA, Wang J, Rivara FP, Klein MB.Padrões e resultados de fraturas faciais pediátricas noEstados Unidos: uma pesquisa do National Trauma Data Bank. JAm Coll Surg 2008; 207: 710-716

Messinger A, Radkowski MA, Greenwald MJ, Pensler JM.Fraturas do teto orbital na população pediátrica. PlastReconstr Surg 1989; 84: 213–216; discussão 217-218.

Alcalá-Galiano A, Arribas-Garcıa IJ, Martın-Pérez MA,Romance A, Montalvo-Moreno JJ, Juncos JMM. Pediátricofraturas faciais: as crianças não são apenas pequenos adultos. Rádio-graphics 2008; 28: 441–461; questionário 61818.

Thorén H, Iso-Kungas P, Iizuka T, Lindqvist C, Törnwall J.Mudança nas tendências de causas e padrões de fraturas faciais emcrianças. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod2009; 107: 318-324.

Melo, RB.; Tavares, WLB.; Fonseca, WLM.; Silva, DAC; Pontes, IV.; Barbalho, JCM. Utilização de sistema de fixação absorvível em caso de fratura mandibular em paciente pediátrico. Rev. Cir. Traumatol. Buco-MaxiloFac., Camaragibe v.15, n.2, p. 45-48, abr./jun. 2014.

Losee JE, Afifi A, Jiang S, et al. Fraturas orbitárias pediátricas:classificação, gestão e acompanhamento precoce. Plast ReconstrSurg 2008; 122: 886–89720.

Strobl H, Emshoff R, Röthler G. Conservative treatment offraturas condilares unilaterais em crianças: um estudo clínico de longo prazoe acompanhamento radiológico de 55 pacientes. Int J Oral MaxillofacSurg 1999; 28: 95–98

Haug RH, Foss J. Maxillofacial injuries in the pediatric patient. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 2000;90:126-34.Murthy AS, Lehman JA Jr. Remoção de placa sintomática emtrauma maxilofacial: uma revisão de 76 casos. Ann Plast Surg.2005; 55: 603–607

Rha, E.Y., Paiki, H., Byeon, J.H. - Bioabsorbable Plates and Screws Fixation in Mandible Fractures. Clinical Retrospective Research during a 10-Year Period. Annals of Plastic Surgery; Cheonan, Korea. v. 74, n. 4. junho, 2015.

Ashrafullah, Pandey RK, Mishra A. The incidence of facial injuries in children in Indian population: a retrospective study. J Oral Biol Cranio- fac Res. 2017;8(2):82-5.

Braun TL, Xue AS, Maricevich, RS. Differences in the management of pediatric facial trauma. Semin Plast Surg. 2017;31(2):118-22.

Van Hout WM, Van Cann EM Koole R, Rosenberg AJ. Surgical treatment of unilateral zygomaticomaxillary complex fractures: a 7-year observational study assessing treatment outcome in 153 cases. J Cranio-Maxillofacial Surg. 2016;44(11): 1859-65.

Barbosa, lM.; Figueiredo,EL.; Carneiro, JLG.; Oliveira, IML.; Perrelli, MCG.; Vasconcelos, BCE. Tratamento Cirúrgico de Fratura do Complexo Zigomático Orbitário em criança. relatos casos cir. 2019;5(3):e2215. 2019.

Lucena, MIHM.; Cunha, MC. Da; Soriano, EP.; Carvalho, MVD.; Andrade, ESS. Traumatismo Facial em Crianças: Estudo Epidemiológico realizado no Hospital da Restauração - Recife-PE-Brasil - no período de dezembro de 2005 a maio de 2006. Derecho y Cambio Social, Lima - Perú, nº 35, 01/01/2014.

Mooney MP, Losken HW, Siegel MI, Tsachakaloff A, LoskenA, Janosky J. Placa de fixação de sutura pré-maxilomaxilare alterações compensatórias de crescimento médio-facial no coelho. JCraniofac Surg. 1992; 3: 197–202.17.

Lin KY, Bartlett SP, Yaremchuk MJ, Grossman RF, UdupaJK, Whitaker LA. Um estudo experimental sobre o efeito defixação rígida no esqueleto craniofacial em desenvolvimento. PlastReconstr Surg. 1991; 87: 229–235.

Backeljauw B, Holland SK, Altaye M, Loepke AW. Conhecimentoe estrutura cerebral após cirurgia na primeira infância comanestesia. Pediatrics 2015; 136: e1 – e12.

Peretti N, MacLeod S. Zygomaticomaxillary complex fractures: diagnosis and treatment. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2017;25 (4):314-9.

Marinho RO, Freire-Maia B. Mana- gement of fractures of the zygomaticomaxillary complex. Oral Maxillofacial Surg Clin N Am. 2013;25(4):617-36.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-045

Refbacks

  • There are currently no refbacks.