Psicologia e medicalização: reflexão crítica ao uso de psicotrópicos na infância/Psychology and medicalization: critical reflection on the use of psychotropic drugs in childhood

Diego Raoni Tavares Santos, Maxsuel Oliveira de Souza, Vanina Papini Góes Teixeira, Luiz Wilson Machado da Costa e Silva Neto

Abstract


O crescente número de diagnósticos encaixando crianças em quadros psicopatológicos tem provocado o surgimento de inúmeras reações adversas. Sendo a principal, o uso exacerbado de psicotrópicos em crianças e adolescentes. Nesse sentido, essa pesquisa tem por objetivo, o levantamento de pautas discursivas que possam contribuir de maneira crítica para o debate acerca da cultura contemporânea de naturalização da patologização e consequentemente da medicalização infantil. Trata-se de uma pesquisa de cunho qualitativo exploratória, caracterizada com delineamento de pesquisa bibliográfica. Realizada nas bases de dados: BVS, SciELO e Pepsic, entre os anos de 2009 a abril de 2019. Foram inclusos nessa revisão 5 (cinco) artigos científicos, juntamente de materiais complementares para embasar e fundamentar à temática. As pesquisas científicas trazem como crítica central o uso contínuo dos psicotrópicos na infância, como também da sua naturalização e prescrição pelos profissionais da medicina, uma vez que, os critérios diagnósticos necessitam ser bem estabelecidos incluindo as variáveis comportamentais, psicológicas, cognitivas, sociais e históricas. Assim, o presente estudo conclui-se que a comunidade científica necessita pesquisar mais sobre os efeitos em longo prazo do uso desses medicamentos na infância, como também dos diagnósticos.


Keywords


Psicologia, Medicalização, Sociedade.

References


AZEVEDO, L. J. C. Medicalização das infâncias: entre os cuidados e os medicamentos. Psicol. USP., v. 29, n. 3, p. 451-458, 2018.

BARBOSA, S. A. Mapeando as controvérsias que envolvem o processo de medicalização da infância. Psicol. Soc., v. 31, 2019.

BRAGHINI, S. Medicalização da infância: uma análise bibliográfica. Dissertação de mestrado profissional, Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. 2016.

BRZOZOWSKI, F. S.; CAPONI, S. N. C. Medicalização dos desvios de comportamento na infância: aspectos positivos e negativos. Psicol. cienc. prof., v. 33, n. 1 p. 208-221, 2013.

DECOTELLI, K. M.; BOHRE, L. C. T.; BICALHO, P. P. G. A droga da obediência: medicalização, infância e biopoder: notas sobre clínica e política. Psicol. cienc. prof., v. 33, n. 2, p. 446-459, 2013.

KAMERS, M. A fabricação da loucura na infância: psiquiatrização do discurso e medicalização da criança. Estilos clin., v. 18, n. 1, p. 153-165, 2013.

MEIRA, M. E. M. Para uma crítica da medicalização na educação. Psicol. Esc. Educ., v. 16, n. 1, p. 136-142, 2012.

OPAS BRASIL. Folha Informativa: saúde mental dos adolescentes. Organização Pan Americana da Saúde. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-043

Refbacks

  • There are currently no refbacks.