Plantas medicinais usadas por comunidades ribeirinhas do Estuário Amazônico / Medicinal plants used by riverside communities in the Amazon Estuary

Wendel Patrick Gomes Marques, Tainá Oliveira dos Anjos, Mônica Nazaré Rodrigues Furtado da Costa

Abstract


O uso de plantas medicinais faz parte da cultura de diferentes comunidades amazônicas. Este estudo efetua uma análise do uso e importância das plantas medicinais em duas comunidades ribeirinhas da Ilha das Onças, Barcarena-PA, visando contribuir para o resgate e preservação do conhecimento popular local. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com dez famílias selecionadas por amostragem não probabilística (Bola de Neve), indicadas através de um informante principal e utilizados formulários para coleta dos dados etnobotânicos. O valor de uso (VUs) foi usado para identificar as espécies mais versáteis. A técnica de listagem livre, foi utilizada para calcular o índice de saliência (IS) através do software Visual Anthropac 4.0. Foram identificadas 52 plantas medicinais, distribuídas em 30 famílias botânicas, das quais Lamiaceae (7 spp.) é a mais representativa. Dentre as partes vegetais citadas, as folhas (72%) são as mais usadas pelos informantes e a forma de preparo mais utilizada é o chá (80%). As doenças e sintomas citados foram incluídas em 13 categorias da CID-10, e algumas na categoria “doenças culturais”. Através do cálculo do VUs, “Japana roxa” (Ayapana triplinervis) (VUs = 0,60) foi identificada como a espécie mais versátil e a de maior importância cultural foi a “Cidreira” (Lippia alba) (IS = 0,61). Considerando as análises realizadas foi verificado a relevância das plantas medicinais no contexto da comunidade tradicional ribeirinha. Ainda que estas estejam muito próximas às cidades de Belém e Barcarena, observamos que o conhecimento acerca das plantas ainda continua se perpetuando ao longo das gerações, principalmente pela tradição oral.


Keywords


Etnobotânica, Estuário amazônico, Barcarena-PA.

References


ALBUQUERQUE, U. P. et al. (Org.). Métodos e técnicas na pesquisa Etnobiológica e Etnoecológica. Recife, NUPEEA, 2010.

ALEXIADES, M. N. (Ed.). Selected guidelines for ethnobotanical research: a field manual. New York: The New York Botanical Garden Press, 1996. 306 p.

ALVES, R. R. N. et al. Aspectos socioeconômicos do comercio de plantas e animais medicinais em áreas metropolitanas do Norte e Nordeste do Brasil. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 8, n. 1, p.181-189. 2008. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/500/50080120.pdf. Acesso em: 26 Jul. 2018.

ALVES, G. S. P.; POVH, J. A. Estudo etnobotânico de plantas medicinais na comunidade de Santa Rita, Ituiutaba - MG. Biotemas, Florianópolis, v. 26, n. 3, p. 231-242, set. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/biotemas/article/view/27071. Acesso em: 26 Jul. 2018.

AMOROZO, M. C. M. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antônio do Laverger, MT, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, MG, v. 16, n. 2, p. 189-203, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/abb/v16n2/a06v16n2. Acesso em: 30 Ago. 2018.

AMOROZO, M. C. M.; GÉLY, A. Uso de plantas medicinais por caboclos do baixo amazonas, Barcarena, Pa, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica. Belém, PA, v. 4, n. 1. 1988. Disponível em: http://repositorio.museu-goeldi.br/handle/mgoeldi/310. Acesso em: 30 Maio 2018.

BELIZÁRIO, T. L.; SILVA, L. A. Abordagem etnobotânica no tratamento de parasitoses em comércios de fitoterápicos e numa comunidade rural em Uberlândia-MG. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer. v.8, n.15, p.1730-1739. Goiânia. 2012. Disponível em: http://www.conhecer.org.br/enciclop/2012b/ciencias%20biologicas/abordagem%20etnobotanica.pdf. Acesso em: 15 Nov. 2018.

BAILEY, K. D. Methods of social research. 2. ed. New York: McMillan Publishers. The Free Press, 1982. 533 p.

BORGATTI. S. P. ANTHROPAC 4,0. Methods Guide Natick, MA: Analytic Technologies. 1996.

BOSE, P. et al. Hepatoprotective and antioxidante effects of Epatorium ayapana against carbon tetrachloride induced hepatotoxicity in rats. Iranian Journal of Pharmacology and Therapeutics, Irã, v. 6, n. 1, p. 27-33, 2007. Disponível em: http://ijpt.iums.ac.ir/browse.php?a_id=116&sid=1&slc_lang=en. Acesso em: 22 Ago. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Plantas medicinais e fitoterápicos no SUS. 2020. Disponível em: https://www.saude.gov.br/acoes-e-programas/programa-nacional-de-plantas-medicinais-e-fitoterapicos-ppnpmf/plantas-medicinais-e-fitoterapicos-no-sus. Acesso em: 15 Jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Programa nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 136 p. (Série C. Projetos, Programas e Relatórios).

BRUNING, M. C. R. et al. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu – Paraná: a visão dos profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 10, p. 2675-2685. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n10/17.pdf. Acesso em: 30 Maio 2019.

COELHO-FERREIRA, M. R. Medicinal knowledge and plant utilization in an Amazonian coastal community of Maruda, Para State (Brazil). Journal of Ethnopharmacology, EUA, v. 126, p. 159-175, 2009. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19632314/. Acesso em: 15 Nov. 2019.

FIDALGO, O.; BONONI, V. L. R. Técnica de coleta, preservação e herborização de material botânico. São Paulo: 1989. 62 p. (Série Documentos).

FLORA DO BRASIL 2020. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2020. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/. Acesso em: 30 Jun. 2018.

FONSECA-KRUEL, V. S.; PEIXOTO, A. L. Etnobotânica na reserva extrativista Marinha de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. Acta Botânica Brasílica, Belo Horizonte, MG, v. 18, n. 1, 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-33062004000100015&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 19 Maio 2019.

FRANCO, E. A. P.; BARROSO, R. F. M. Uso e diversidade de Plantas Medicinais no quilombo Olho D’água dos Pires, Esperantina, Piauí. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, SP, v. 8, n. 3, p. 78-88, 2006. Disponível em: https://www1.ibb.unesp.br/Home/Departamentos/Botanica/RBPM-RevistaBrasileiradePlantasMedicinais/artigo12_v8_n3.pdf. Acesso em: 15 Set. 2018.

GIRALDI, M.; HANAZAKI, N. Uso e conhecimento tradicional de plantas medicinais no Sertão do Ribeirão, Florianópolis, SC, Brasil. Acta Botânica Brasilica, Belo Horizonte, MG, v. 24, n. 2, p. 395-406. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abb/v24n2/a10v24n2.pdf. Acesso em: 02 jun. 2018.

GLAMOČLIJA, J. et al. Chemical characterization of Lippia alba essential oil: An alternative to control green molds. Brazilian Journal of Microbiology, São Paulo, SP, v. 42, n. 4, p. 1537–1546, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-83822011000400041&script=sci_arttext. Acesso em: 12 Jan. 2019.

GOIS, M. A. F. et al. Etnobotânica de espécies vegetais medicinais no tratamento de transtornos do sistema gastrointestinal. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, SP, v. 18, n. 2, p. 547-557, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbpm/v18n2/1516-0572-rbpm-18-2-0547.pdf. Acesso em: 30 Jun. 2019.

HENAO, S. C. et al. Antibacterial activity of aqueous extracts of Lippia alba (Mill.) N.E. Brown against Helicobacter pylori. Revista Colombiana de Gastroenterologia, Bogotá, v. 26, n. 2, p. 82–87, 2011. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?pid=S0120-99572011000200002&script=sci_arttext&tlng=en. Acesso em: 16 Fev. 2018.

HENNEBELLE, T. et al. Ethnopharmacology of Lippia alba. Journal of Ethnopharmacology, v. 116, n. 2, p. 211-222, 2008. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378874107006447?casa_token=YlhAGYdcRB0AAAAA:VFe8Uxh4Ee1WBkeCX8DUJ3kw2RpLC0cfoNLbbBYniMpEO87jQKPdUU-gwGK12IVEpkaPpFpGg7Dn. Acesso em: 23 Out. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010. Brasília: IBGE, 2010. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?c=1378&z=cd&o=7. Acesso em: 28 Jun. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET). Município de Barcarena. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal. Acesso em: 10 Jun. 2019.

JUDD, W. S. et al. Sistemática vegetal: Um enfoque filogenético. 3. ed. Porto Alegre, RS: Artmed. 2009.

LANS, C. Comparison of plants used for skin and stomach problems in trinidad and Tobago with Asian ethnomedicine. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, EUA, v. 3, n. 3, 2007. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1186/1746-4269-3-3. Acesso em: 02 Jul. 2018.

LEMOS, J. R.; ARAÚJO, J. L. Estudo etnobotânico sobre plantas medicinais na comunidade de Curral Velho, Luís Correa, Piauí, Brasil. Revista Biotemas, Florianópolis, SC, v. 28, n. 2, p. 125-136, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/biotemas/article/view/35750. Acesso em: 30 Jul. 2018.

MELO, F. M. R. et al. Estudo etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pelos moradores da Cidade de Piripiri-PI. Brazilian Journal of Development. Curitiba, v. 6, n. 9, p.68405-68410, 2020. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/16621/13572. Acesso em: 22 Set. 2020.

MONTELES, R.; PINHEIRO, C. U. B. Plantas medicinais em quilombo maranhense: uma perspectiva etnobotânica. Revista de Biologia e Ciências da Terra, Paraíba, PB, v. 7, n. 2, p. 1-11, 2007. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/500/50007205.pdf. Acesso em: 15 Mar. 2018.

NEU, V. et al. Sustentabilidade e Sociobiodiversidade: alternativas para a região insular de Belém – a experiência na Ilha das Onças. In: NEU, V. et al. (org.) Sustentabilidade e Sociobiodiversidade na Amazônia: integrando ensino, pesquisa e extensão na Região Insular de Belém. Belém: Edufra, 2016a. p. 13-28.

NIEMEYER, M. Água: a essência da vida em suas múltiplas dimensões. São Paulo. Publifolha, 2012. 191 p.

OLIVEIRA, D. R. et al. Estudo etnofarmacognóstico da saracuramirá (Ampelozizyphus amazonicus Ducke), uma planta medicinal usada por comunidades quilombolas do Município de Oriximiná-PA, Brasil. Acta Amazônica, Manaus, AM, v. 41, p. 3. 2010. 383 – 392. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aa/v41n3/a08v41n3.pdf. Acesso em: 02 jun. 2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE – OMS. Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde. 10. rev. São Paulo: Ed. Universidade de São Paulo, v. 1, p. 1191. 2008.

PASA, M. C. et al. Abordagem etnobotânica na comunidade de Conceição-Açu. Mato Grosso, Brasil. Polibotãnica, México, n. 31, p. 169-197, 2011. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?pid=S1405-27682011000100011&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 15 Dez. 2018.

PEDROLLO, C. T. et al. Medicinal plants at Rio Jauaperi, Brazilian Amazon: ethnobotanical survey and environmental conservation. Journal of Ethnopharmacology, EUA, v. 186, p. 111-124, 2016. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378874116301696. Acesso em: 09 Jul. 2019.

PEREIRA, L. A. et al. Valor de uso, indicações terapêuticas e perfil farmacológico e etnofarmacológico de duas espécies do gênero Piper L. em uma comunidade quilombola na Amazônia Oriental Brasileira. Brazilian Journal of Development. Curitiba, v. 6, n 7. p. 52027-52039, 2020. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/13998/11700. Acesso em: 22 Set. 2020.

PHILLIPS, O. L.; GENTRY, A. H. The useful plants of Tambopata, Peru. II: Additional hypothesis testing in quantitative ethnobotany. Economic Botany, EUA, v. 47 p. 33-43. 1993. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/BF02862204. Acesso em: 15 Dez. 2018.

QUINLAN, M. Considerations for collecting Freelists in the Field: Examples from Ethnobotany. Field Methods. EUA. v. 17 p. 1-16. 2005.

RAI, M. K. et al. In vitro effect of Five Asteraceous essential oils against Saprolegnia ferax, a pathogenic fungus isolated from fish. The Antiseptic, v. 99, p. 136-137, 2002.

RAHMAN, S.; JUNAID, M. Antimicrobial activity of leaf extracts of Eupatorium triplinerve Vahl against some human pathogenic bacteria and phytopathogenic fungi. Bangladesh Journal Botanical, v. 37, p. 89-92, 2008. Disponível em: https://www.banglajol.info/index.php/BJB/article/view/1570. Acesso em: 15 Ago. 2018.

RAJASEKARAN, A. et al. Haemostatic effect of fresh juice and methanolic extract of Eupatorium ayapana leaves in rat model. International Journal of Biological & Medical Research, v. 1, p. 85-87, 2010.

ROCHA, S. F. R. et al. Farmacopéia vegetal da comunidade Caxiuanã, na Floresta Nacional de Caxiuanã. 2013. In: LISBOA, P. L. B. (org.). Caxiuanã: paraíso ainda preservado. Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém-PA. v.1, p. 257-285. 2013.

ROSSATO, S. C. et al. Ethnobotany of caiçaras of the Atlantic Forest Coast (Brazil). Economic Botany, EUA, v. 53, ed. 4, p. 387-395. 1999. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/BF02866716. Acesso em: 16 Jun. 2018.

SANTOS, R. S.; COELHO-FERREIRA, M. Estudo etnobotânico de Mauritia flexuosa L. f. (Arecaceae) em comunidades ribeirinhas do Município de Abaetetuba, Pará, Brasil. Acta Amazônica, Manaus, AM, v. 42, n. 1, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0044-59672012000100001&lng=es&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 29 Mar. 2018.

SILVA, P. H. et al. Entre símbolos, mistérios e a cura: plantas místicas dos quintais de uma comunidade rural piauiense. Gaia Scientia, Paraíba, PB, v. 12 (1). 2018. p. 1-16. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/article/download/33196/19764. Acesso em: 02 jun. 2018.

SILVA, R. S. et al. Plantas usadas na medicina tradicional por moradores da Ilha das Onças. In: NEU et al. Org. Sustentabilidade e Sociobiodiversidade na Amazônia: integrando pesquisa, ensino e extensão na Região Insular de Belém. Belém: Universidade Federal Rural da Amazônia, 2016.

SMITH, J.J.; BORGATTI, S. P. Salience Counts — And So Does Accuracy: Correcting and Updating a Measure for Free-List-Item Salience. Journal of Linguistic Anthropology, v. 7, n. 2, p. 208-209, 1998.

SOUZA, C. M. N. Abastecimento de água em comunidades ribeirinhas da Amazônia brasileira e promoção da saúde: análise de modelo de intervenção e de gestão. Novos Cadernos NAEA, Belém, PA, v. 15, n. 2, p. 345-360, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/ncn/article/view/683. Acesso em: 02 jun. 2019.

STEPP, J. R. The role of weeds as sources of pharmaceuticals. Journal of Ethnopharmacology. EUA, v, 92, p:163–166. 2004. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378874104001047?casa_token=4mELRTSAwL8AAAAA:yvUrlXhfx-w1YZfSTLU9MHF36RYCSaN5Z4H_4RpShEpgUS-ql3cb564o7ETLpDakRd9v1M73toKl. Acesso em: 02 jun. 2019.

SUTROP, U. List Task and a Cognitive Salience Index. Field Methods, EUA, v.3, n.13,p 263-276. 2001.

TORRES, D. G. A ictiofauna e a atividade pesqueira na ilha das onças, Barcarena – Pará. Dissertação (Mestrado em Ecologia Aquática) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2010.

TROTTER, R. T.; LOGAN, M. H. Informant consensus: a new approach for identifying potentially effective medicinal plants. Pp. 91-112. In: ETKIN, N.L. (ed.). Plants in indigenous medicine and diet: biobehavioral approachs. New York, Redgrave Publishing C. 1986.

VÁSQUEZ, S. P. F. et al. Etnobotânica de plantas medicinais em comunidades ribeirinhas do Município de Manacapuru, Amazonas, Brasil. Acta Amazônica, Manaus, AM, v. 44 (4) 2014. p. 457-472. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aa/v44n4/07.pdf. Acesso em: 02 jun. 2019.

VIERA, L.C. et al. Os solos do estado do Pará. Belém, Cadernos Paraenses do Instituto do Desenvolvimento Econômico Social do Pará - IDESP. v. 8. 175 p. 1971.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-013

Refbacks

  • There are currently no refbacks.